Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Falta de vagas já ocorria antes da Covid-19
 
Falta de vagas já ocorria antes da Covid-19
31/03/2021 as 11:08 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
O coronavírus que, com sua potência, já matou tanta gente e cujos limites ainda são desconhecidos em razão das mutações, veio para quebrar paradigmas, forçar soluções que durante anos foram negligenciadas por governos, governantes e administradores e, também, para desmentir justificativas oficiais. No nível de ataque que hoje sofremos, formaram-se extensas filas de pacientes já diagnosticados à espera de uma vaga de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou até no leito hospitalar simples. Muitos morreram e outros morrerão sem ter conseguido socorro e isso, hoje, escandaliza a sociedade. Médicos sentem-se na incômoda situação de, pela falta de vagas, terem de decidir quem vai morrer e quem vai ter a chance de  sobreviver. Esse quadro indigesto tem levado governantes a correrem c om providências para a compra ou locação de equipamentos e a oferta de novas de vagas intensivas. Mas o quadro continua crítico.

Embora os levantamentos digam que a estrutura intensiva está ao redor de 90% de ocupação, o que é crítico, um olhar mais atento e aritmético sobre o quadro aponta pelo menos uma impropriedade. 90% de ocupação sugerem ainda restar 10% das vagas. Mas, estranhamente, nessas mesmas localidades, há fila de espera para a admissão às UTIs. A conta ou os procedimentos estão incorretos, com certeza. Se existissem os 10%, não haveria fila...

Retrocedendo para antes de março do ano passado – quando a Covid-19 foi identificada no Brasil – verifica-se que a falta de vagas para internação de pacientes tanto em leito simples  quanto em UTI já era um problema grave. Muitos acometidos de infartos, AVCs e outros males que exigem socorro imediato já perdiam a vida porque não eram atendidos no tempo indicado. Mas, apesar das queixas dos familiares, a repercussão era baixa, pois a anomalia já constituía uma nefasta rotina. E fato rotineiro não produz notícia, nem repercute.

Há muitos anos, o sistema de saúde pública brasileiro é ineficiente, apesar das elevadas somas de recursos que consome. Nunca se observou a demanda com a ótica no socorro do paciente. O sistema de saúde, infelizmente, serve para sustentar o discurso político, mas não recebe a devida contrapartida e nem a organização mais adequada para que o dinheiro público ali investido, em vez de bonitas instalações ou até o desvio para outros fins menos nobres, seja carreado para a tarefa principal de diminuir o sofrimento e preservar a vida da clientela.

A pandemia chegou ao ponto que hoje denuncia a crônica falta de vagas. É preciso que esse infausto recado seja prontamente atendido e – mais que isso – que, quando o coronavírus for embora, os equipamentos e serviços sejam mantidos para socorrer os pacientes de outras patologias. Aqueles que tradicionalmente morrem na portaria ou corredores das emergências à espera das vagas inexistentes. Os srs. governantes e responsáveis pela saúde pública não devem se esquecer que desde o dia 5 de outubro de 1988 – quando foi promulgada a Constituição, “a saúde é direito de todos e dever do Estado” – art. 196.

Deixar de atender ao carente de socorro de saúde, além de desumano, é inconstitucional...
 



Por Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK