Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A Igreja e seus desafios
 
A Igreja e seus desafios
23/03/2021 as 10:45 h  Autor Flávio Crepaldi   Imprimir Imprimir
Como organismo vivo, divino e humano, o Corpo Místico de Cristo chamado Igreja é uma ponte entre a eternidade e a atualidade. Deve ser fiel à sua origem sem se desconectar com o tempo presente e preservar o que é enquanto está na história. Deste “ser” e “estar” emergem dois desafios intimamente conectados: da identidade e do diálogo. Ela tem uma identidade clara: é a Arca da Aliança ou Depósito da Fé. Entende-se que seus preceitos básicos não foram construídos por homens, mas concedidos por Deus. Embora sob constante pressão, à Igreja compete entender o que é essa verdade revelada e zelar por sua integridade.

Na prática, nem os Bispos ou o Papa possuem autonomia para certas mudanças. Na encantadora linguagem bíblica, eles não passam do “amigo do noivo”, responsáveis por levar a Igreja-noiva incólume até seu verdadeiro esposo, o Cristo. Pode o amigo do noivo usufruir, manchar, adulterar ou submeter a si mesmo a noiva? Não pode! É seu dever preservá-la e adorná-la com os ornamentos preparados pelo seu esposo.

No entanto, faz parte desta nossa “atualidade” um questionar-se sobre a própria identidade como se fosse mais relacionada ao “estar” do que ao “ser”. Esse ambiente volátil gera o grande desafio do diálogo interno e externo.

Rumo ao diálogo externo através do Ecumenismo e do Diálogo Inter-Religioso, passos importantes foram dados no século XX: entendeu-se que dialogar não é perder sua própria identidade, não significa abrir concessões e alterar sua própria fé, deformando-se ou sendo deformado. Nem excluir o diferente. São Paulo lembra que devemos suportar-nos uns aos outros (Ef 4,2 - Cl 3,13), mesmo que pensemos ou vivamos sob outros princípios.

Como membros de uma única família humana, nem sempre nos será agradável o próprio irmão, o cunhado ou a sogra… Entretanto, respeito é fundamental, inegociável e precisa ser recíproco. Não se trata de promover guerras “santas” para obrigar a adesão à uma fé que não pertence ao outro, mas, sim, de procurar fraternidade e cooperação para se construir uma sociedade mais igualitária e mais humana.

Entende-se que, do ponto de vista católico, a busca por uma sociedade ideal não é sua principal meta. A Igreja existe para além disso. Mas, não se adorna como esposa se não imitar a Cristo também no seu cuidado e atenção para com todos, humildes ou privilegiados.

O diálogo interno, por outro lado, sofre duros golpes. Crescem os grupos que procuram ser os verdadeiros depositários da fé, autênticos intérpretes de Deus e juízes dos acontecimentos. Questionam a hierarquia, sugerindo que em alguns momentos pode estar de acordo com a revelação e em outros, não. Contrapõem documentos atuais a outros documentos de outras épocas e circunstâncias.

Nessa pressão de fragmentação, cumpre aos leigos e religiosos refazerem humildemente o caminho do diálogo. Poderíamos começar com algumas perguntas bem pessoais: Tenho autoridade real para direcionar, questionar e propor mudanças? Quais frutos meu “apostolado” tem gerado? Santidade e conversão ou ódio e provocações? Uso a autoridade que me foi concedida para levar as pessoas a Deus ou para promover somente ideias sociais, políticas e econômicas? Tenho sido um “outro Cristo”?

Se lembrarmos que não seremos “julgados pela história”, mas por Aquele mesmo do qual nos arrogamos ser fidelíssimos mensageiros, talvez isso seja motivo suficiente para que tenhamos um pouco mais de cuidado com as palavras que usamos e que deveriam não nos pertencer.




Por Flávio Crepaldi é colaborador da Fundação João Paulo II e colunista do Canal Formação, no Portal: cancaonova.com

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK