Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Fidelidade partidária e governabilidade
 
Fidelidade partidária e governabilidade
27/03/2015 as 18:57 h  Autor Luiz Carlos Borges da Silveira  Imprimir Imprimir
O recente episódio da demissão do ministro Cid Gomes, da Educação, novamente evidencia aquilo que tenho defendido há tempo: a necessidade de estabelecimento da fidelidade partidária de forma abrangente. Hoje ela existe apenas determinando que o parlamentar que mudar de partido perde o mandato. Isto é óbvio, nem precisaria lei para regulamentar, pois o mandato é do partido, não do filiado que se elege, até porque sem sigla sequer poderia candidatar-se.

Fidelidade não é apenas isso, mas também seguir fielmente a orientação do partido e de seus líderes especialmente em votações no Senado, na Câmara Federal, nas Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores, assim como no encaminhamento de votações e discussões de projetos. No Congresso nacional tem-se notado recorrentes rebeldias no grupo de apoio ao governo, onde partidos, blocos, lideranças e até parlamentares isoladamente proclama-se independentes, não se sabe em defesa de que interesses. Ou são governo ou oposição, essa deve ser a regra.

O que o então ministro cobrou na Câmara Federal nada mais foi do que o normal: coerência. Se foi duro em alguns adjetivos deve-se a seu temperamento e, mesmo assim, qualificativos que usou em relação a determinados parlamentares não são de todo equivocados.

O Brasil avançou, o estilo de fazer política também deve avançar e se equiparar às democracias contemporâneas. No regime presidencialista, o governo deve antes discutir com sua base de apoio parlamentar os projetos e propostas e fazer acordos com os partidos para a aprovação. Aqui o governo se vê obrigado a negociar com cada um individualmente, fazer concessões, prometer benefícios e até liberar recursos que nem sempre vão para as regiões dos parlamentares...

Foi o que ocorreu no governo Sarney com o “toma lá dá cá” e posteriormente no governo Fernando Henrique Cardoso, com a barganha de votos para aprovar a reeleição, e no governo Lula com a institucionalização da compra de votos que gerou o mensalão.

No Brasil, o inusitado é que a maioria dos partidos políticos que representavam a base parlamentar do governo PSDB está agora na base do governo do PT, mas antes como agora não apoiando integralmente o governo.

Quando o governo se torna refém do Congresso que age como antipoder, está em risco; quando um partido exige a demissão de ministro por causa de algumas verdades indigestas o poder presidencial está fragilizado. Se o governo não pode contar com o apoio fiel de sua base está enveredando para a ingovernabilidade.




Luiz Carlos Borges da Silveira

Empresário, médico e professor. Foi Ministro da Saúde e Deputado Federal

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK