Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Marina é Lula de saias
 
Marina é Lula de saias
23/08/2014 as 11:15 h  Autor Alberto Carlos Almeida  Imprimir Imprimir
Quando Marina Silva foi escolhida candidata a vice na chapa de Eduardo Campos, tive a oportunidade de publicar um artigo cujo título era "Vice é Rubinho Barrichello". Tratava-se de uma referência ao fato de que o vice não importa diretamente para o eleitor. Em minha argumentação, sustentada por dados, previa que Marina não teria a capacidade de levar votos para Eduardo Campos. Isto acontece porque os eleitores não votam por conta de apoios políticos. Marina de vice não é o mesmo que Marina na cabeça de chapa. Tanto isso é verdade que, agora que Marina foi alçada à condição de candidata a presidente, a intenção de voto em seu nome é bem maior que a de Eduardo Campos. A lição é simples: vota-se em Marina, mas não se vota no candidato apoiado por ela.

Outra lição pode ser retirada da subida meteórica de Marina nas intenções de voto: a absoluta irrelevância das máquinas políticas e do apoio dos políticos. Acreditar na força eleitoral do apoio de políticos é uma forma de pensamento mágico. A liderança de Marina nas pesquisas de intenção de voto para o segundo turno ocorreu sem que ela tenha tido sequer um mísero apoio de um governador de Estado, senador, deputado ou de qualquer máquina política partidária. Nem mesmo o apoio oficial do PSB aconteceu antes que ela tivesse alcançado a liderança, quando seu nome era confrontado com o de Dilma.

Na verdade, é bem provável que a partir de agora ocorra o inverso: muitas máquinas políticas vão apoiar Marina, porque ela está liderando as pesquisas de intenção de voto em segundo turno. Se isso acontecer, de nada servirá ao PSDB ter o controle dos dois maiores colégios eleitorais do Brasil, São Paulo e Minas, que, somados, entram com 34% dos votos válidos em eleições presidenciais. Todas as análises que relacionam força dos apoios regionais e favoritismo no voto nacional sempre estiveram erradas. O que ocorreu agora foi um episódio que revelou tal erro. Haverá quem revise tais análises e afirme que, para se manter competitivo nas intenções de voto, é preciso ter o apoio das máquinas regionais. Isso é algo que ainda será testado no decorrer da campanha.

Marina tem a atual força eleitoral por alguns motivos. O primeiro é que ela já foi votada por 20% do eleitorado brasileiro em 2010. Esta é a proporção de pessoas que entrou na cabine de votação, digitou o número de Marina, apertou a tecla "confirma" e ouviu o barulhinho que encerra o voto. O retorno de Marina à campanha eleitoral reaviva a memória do voto nesse eleitorado. Quem votou uma vez em Marina vota uma segunda com facilidade. O segundo motivo é que Marina ocupa o terreno da oposição, e aqueles que rejeitam o governo Dilma tendem a votar em candidatos de oposição. Quanto a isso, Marina disputa os mesmos eleitores de Aécio.

O terceiro motivo é o mais importante, ao menos para aqueles que se perguntam por que Marina pode ser mais competitiva do que Aécio em seu embate contra Dilma. Em política, o símbolo importa, e muito. Dilma, para o eleitorado, é símbolo. Aécio também. A grande questão é saber o que cada um simboliza para além do fato óbvio de Dilma simbolizar o governo e a continuidade e Aécio, a oposição e a mudança. Marina simboliza Lula. O que a aproxima do petista é sua trajetória de vida, assim como várias de suas características pessoais. Marina e Lula são a cara do povo brasileiro, são parecidos com o eleitor médio.

Ninguém afirmou que os protestos de junho de 2013 aconteceram, entre outras razões, porque Lula não era mais presidente. Isso mesmo. O governante máximo da nação representava de forma cristalina seu povo. Lula vinha de baixo e era presidente. Lula não tinha origem na classe média, muito menos na elite. Exatamente por isso, pensavam os eleitores, a vida tinha melhorado tanto. Somente uma pessoa que tinha passado pelas mesmas dificuldades da maioria da população poderia compreender suas agruras e fazer um governo que as aliviasse. Por isso, a população gostava tanto de Lula. Por isso, Lula blindava todo o sistema político face aos protestos. O eleitor sabia que governadores e prefeitos eram da elite. Mas qual a importância disso, uma vez que o presidente viera de baixo? Eis a blindagem: quem tem Lula como presidente não precisa de mais nada. Os protestos pós-era Lula foram a mais eloquente expressão de saudade dedicada a um ex-presidente.

Os pais de Marina tiveram 11 filhos, ela morou em palafita, contraiu hepatite, perdeu uma irmã vítima de sarampo e outra, vítima de malária, perdeu a mãe quando tinha 14 anos, trabalhou como empregada doméstica, aprendeu a ler e escrever aos 17 anos de idade pelo Mobral, o programa de alfabetização da ditadura militar, foi professora e teve formação sindical junto ao sindicato dos professores, com o renomado líder seringueiro Chico Mendes, fundou a Central única dos Trabalhadores (CUT) no Acre, foi eleita vereadora em 1988, deputada em 1990 e senadora em 1994 e reeleita em 2002.

Os pais de Lula tiveram oito filhos, ele se saiu do Nordeste para São Paulo com a mãe e os irmãos em um pau-de-arara, perdeu o pai, que foi enterrado como indigente, aos 33 anos de idade, já em São Paulo começou a trabalhar aos 12 anos em um tinturaria, aos 14 anos deixou a escola para trabalhar em uma siderúrgica, filiou-se ao sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema em 1968, foi líder das greves dos metalúrgicos do ABC no final dos anos 1970, fundou o PT em 1980, foi eleito deputado em 1986, presidente em 2002 e reeleito em 2006.

As trajetórias pessoais de Lula e Marina os aproximam da grande maioria dos brasileiros na dureza da vida, na perda precoce de parentes próximos, nas dificuldades para morar bem, nos obstáculos para se educarem, no começar a trabalhar cedo, na necessidade de se mudar para melhorar de vida. Isso está escrito em suas respectivas maneiras de falar, gestos, postura corporal e tipo físico. Tais semelhanças são vistas pelo eleitorado e podem ser detectadas por meio de pesquisas de opinião quando são analisados os atributos "é gente como a gente" e "entende o problema dos pobres".

Desde 2010, às vésperas da eleição, mais de 50% dos eleitores que conheciam ou conheciam bem Marina afirmavam que ela "entende o problema dos pobres". Considerando-se que ela não tinha o apoio de Lula e que era sua primeira eleição nacional, trata-se de uma proporção bastante elevada.

No Brasil, há uma enorme riqueza simbólica na pobreza. Isso está cabalmente expresso tanto em ditados populares, quanto em episódios que marcaram nossa história política. Diz-se "sou pobre, mas sou honesto", "pobre, mas não da graça de Deus", "quando o rico corre é atleta, quando o pobre corre é ladrão". Há uma miríade de ditados, e em todos o pobre é o sofredor, em algum é quem tem dignidade. O impeachment de Fernando Collor teve um motorista, pobre, como protagonista. As denúncias que atingiram Antonio Pallocci quando era ministro da Fazenda de Lula devem-se ao testemunho de um caseiro, pobre. Ambos os episódios foram uma manifestação concreta da riqueza simbólica da pobreza.

A marca registrada de Marina é sua semelhança com Lula nos dois atributos que a aproximam do eleitor médio. Sua força na intenção de voto é resultado de seu "recall" e dessas características. Há, no eleitorado, demanda por um candidato cujas principais motivações do voto sejam essas. Tal candidato esteve presente em todas as eleições que Lula disputou e esteve presente na eleição passada por meio de Marina. Ela está de volta.

Alberto Carlos Almeida, sociólogo, é diretor do Instituto Análise e autor de "A Cabeça do Brasileiro". alberto.almeida@institutoanalise.com www.twitter.com/albertocalmeida

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK