Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Correios, se não tiver interessados, fechar...
 
Correios, se não tiver interessados, fechar...
16/01/2020 as 08:29 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo. Nos anos 90, ao privatizar as teles, o governo de Fernando Henrique Cardoso deu um grande passo rumo à modernização das comunicações. Mas quebrou a cara ao entregar as ferrovias a empresas que não conseguiram evoluir e nem mesmo preservar o que receberam. Já as rodovias, apesar das queixas dos altos preços dos pedágios, são hoje melhores do que naquela época. Os Correios já haviam passado pelas tentativas de racionalização de Fernando Collor de Mello, que deram errado, e nos mandatos dos petistas Lula e Dilma tornaram-se moeda de troca política, mesmo sendo monopólio, se desestruturaram e geraram elevados prejuízos para, ao lado de outros problemas, se tornarem casos de polícia.

O presidente Bolsonaro disse que privatizaria os Correios, mas tem dificuldades para aprovar a medida no Congresso e, ainda, não quer prejudicar o funcionalismo da empresa. Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) defende sua manutenção como empresa pública e a flexibilização do monopólio para permitir que outras empresas possam realizar o seu serviço. Difícil, no entanto, admitir essa possibilidade pois, se a empresa não se sustentou como monopólio, não o fará dividindo o mercado com concorrentes.

Os Correios, atualmente, não prestam um bom serviço. Se deixarem de existir, a sociedade não sentirá sua falta porque existem empresas – que entregam encomendas, comércio eletrônico, jornais e até os atuais terceirizados do próprio Correio – em condições de assumir com vantagens a sua tarefa. Bastará uma lei revogando o monopólio. Se não encontrar interessados em adquiri-los, o governo que os feche, para cessar os prejuízos. Quanto aos funcionários, se houver interesse em aproveitá-los, poderão ser levados a outros órgãos estatais, desde que se faça uma lei para tanto.  

Existe, absurdamente, dinheiro do governo em 637 empresas estatais e privadas. Além das estatais e mistas conhecidas, o erário tem ações e participação em fábricas de cimento, palha de aço, máquinas de pagamento, equipamentos odontológicos, alimentos, remédios, hotéis, empresas de telefonia e outros. Há até um banco na Venezuela, que quebrou. É preciso buscar a liquidez desses recursos e devolvê-los ao erário para, finalmente, empregá-los em serviços à população, única destinação plausível ao dinheiro público.

Alem do Correio, todas as empresas estatais que não se sustentam têm de ser passadas à iniciativa privada. É preciso acabar com o empreguismo e os privilégios que só o poder público concede porque suas empresas são imunes à falência, já que o Tesouro cobre seus rombos. No atual estágio da economia e da vida nacional, o Estado deve ficar exclusivamente com o licenciamento e a fiscalização dos serviços concedidos. Só executar os serviços de Educação, Saúde e Segurança Pública, que a Constituição define como obrigações do poder público.

É preciso eliminar o paternalismo e todos os velhos hábitos e vícios que nos levaram à quebradeira. O país precisa estar em consonância com as regras e procedimentos que movimentam o mundo moderno. Sem isso, não iremos a lugar algum...
 


Por Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK