Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O negócio do agrotóxico e o agronegócio
 
O negócio do agrotóxico e o agronegócio
06/08/2019 as 10:01 h  Autor Chico Junior  Imprimir Imprimir
Como se sabe, o atual governo brasileiro aprovou, nos primeiros sete meses deste ano, o registro de 262 agrotóxicos para serem usados na agricultura brasileira, incluindo aí, é claro, a produção de alimentos. Entre os produtos liberados está o sulfoxaflor, relacionado à redução de enxames de abelhas. Também como se sabe, as abelhas são fundamentais para a produção agrícola, pois são as grandes polinizadoras das plantas. Abelha extinta significa praticamente o fim da maior para parte dos nossos alimentos.

Não dá para falar de alimentação e/ou de segurança alimentar sem falar de agrotóxico. Afinal, um dos fundamentos do negócio do agronegócio é o negócio do agrotóxico.

Para se ter uma ideia, as mesmas multinacionais que lideram a produção de sementes comerciais no mundo são também as principais produtoras de agrotóxicos.
Em 2018 a Bayer alemã, produtora de agrotóxicos, comprou a norte-americana Monsanto, produtora de sementes, inclusive transgênicas. “Com a fusão, a Bayer se transformou na maior corporação agrícola do mundo, possuindo um terço do mercado global de sementes comerciais e um quarto do mercado de agrotóxicos”, informa o “Atlas do agronegócio”, lançado no ano passado no Brasil pela Fundação Heinrich Boll e pela Fundação Rosa Luxemburgo, em parceria com a Amigos da Terra Europa.

Em 2017, a americanas DuPont e Dow Chemical se fundiram na DowDuPont. E a chinesa ChemChina comprou a suíça Syngenta. Sempre negócios envolvendo bilhões de dólares. “Assim, os três conglomerados recém-formados devem dominar 60% do mercado de sementes comerciais e de agrotóxicos; Eles administrarão a produção e comercialização de quase todas as plantas geneticamente modificadas neste mercado”, ainda de acordo com o Atlas.

Voltando ao Brasil e à liberação recorde de agrotóxicos, considere-se que, informa reportagem da revista Época desta semana, “outros 2.200 estão na fila de aprovação do Ministério da Agricultura”. “Caso o ritmo siga igual, em dezembro o país terá aprovado mais de 500 novos registros”, ainda de acordo com a revista.

Embora ambientalistas e ativistas da segurança alimentar denunciem com frequência os problemas relacionados ao uso indiscriminado de agrotóxicos no Brasil, muitos deles banidos em outras partes do mundo, principalmente na Europa, é muito difícil mudar esse quadro. Impossível não é, mas é um processo muito demorado e que precisa da conscientização de toda a sociedade. Mas, é aquela história, resistir é preciso.

A política agrícola do governo Bolsonaro atende, principalmente, os interesses da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), a famosa bancada ruralista, que, com os seus cerca de 250 parlamentares, é a maior bancada do Congresso e tem até sete própria. E foi a FPA que indicou a atual ministra da Agricultura, a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), considerada pelos ambientalistas como a “musa do veneno”.

Felizmente, a Europa tem pressionado o governo brasileiro a restringir o uso de agrotóxicos, alguns vetados naquele continente há mais de 15 anos. Um exemplo, mencionado na reportagem da Época, se refere ao suco de laranja Se os produtores continuarem a usar o inseticida dimetoato nos laranjais terão, simplesmente, que deixar o mercado europeu. Considerando que 70% de todas as exportações do setor de cítricos têm como destino a Europa...

A matéria de capa da Época é extensa, dez páginas, e é um alerta para o uso de agrotóxicos no Brasil. E conclui com o seguinte: “O governo tem por estratégia priorizar as demandas do agronegócio em detrimento da preservação ambiental, já cogitou publicamente acabar com a Anvisa e não tem planos de melhorar a fiscalização do uso de agrotóxicos pelos produtores rurais. Jair Bolsonaro e seu time de egressos da bancada ruralista podem ter boas intenções em tentar dinamizar o setor agrícola, mas é fundamental que que se estabeleçam os limites para a autonomia desses agentes no Brasil (...)



Chico Junior
. Jornalista, escritor e comunicador
Fonte: https://www.brasil247.com/

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK