Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Ressignifique o luto com esperança
 
Ressignifique o luto com esperança
16/05/2019 as 17:35 h  Autor Paula Guimarães  Imprimir Imprimir
Muitas vezes tratamos o “luto” somente como a perda de uma pessoa que amamos. Mas podemos considerar também como luto um “relacionamento que terminou”, um “trabalho que não deu certo” e até mesmo uma “demissão inesperada”.

Este tempo de “luto” é um tempo para absorvermos o que aconteceu, necessário para que possamos refletir e nos organizar a partir desse momento. Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), “O luto é um processo emocional saudável, importante para a manutenção da saúde mental, que se desenrola em função de uma perda, real ou abstrata.” Na década de 1960, no entanto, a psicóloga suíça Elisabeth Kübler-Ross (1926-2004) descreveu cinco fases que, de maneira geral, compõem o processo do luto:

A negação - quando a pessoa tenta negar a existência do problema ou situação e, às vezes, evita até falar sobre o assunto. “Isso não pode ser verdade!”, pensa;

A raiva - é comum aparecer revolta e ressentimento quando a pessoa se dá conta da perda. “Por que eu?” É o pensamento recorrente;

A negociação - quando a hipótese da perda começa a se concretizar, é comum que a pessoa tente reverter a situação, fazendo um acordo consigo, com outra pessoa ou com Deus;

A depressão - ocorre quando a pessoa toma consciência de que a perda é inevitável. Tristeza, desolação, apatia e medo são sentimentos comuns nessa fase. Não deve ser confundida com a doença diagnosticada como depressão, que envolve um desequilíbrio químico e necessita tratamento específico;

A aceitação - é a fase que a pessoa aprende a viver sem aquilo que perdeu. Não significa esquecer ou não sentir mais tristeza ao se lembrar do fato.

A situação que nos ocasionou o luto jamais será esquecida, mas será amenizada com o passar do tempo. E o que nos faz seguir adiante? Uma mãe que perde um filho, por exemplo, jamais o esquece, mas ela precisa seguir adiante. Essa força tem nome: é a “esperança”. Papa Francisco, tem nos ensinado que passar a vida se lamentando: acontece com quem “prefere a falência”, “não suporta a esperança”, “não suporta a ressurreição de Jesus”. A esperança precisa ser a nossa companheira nos momentos difíceis, e ela pode se manifestar de várias formas: por um afeto de um amigo, uma música com uma melodia que nos traz bons sentimentos e até mesmo por uma partilha de um sacerdote. Que tenhamos sempre o nosso olhar sensível para esses gestos, que o nosso olhar possa estar sempre voltado para Deus. Por mais difícil que seja uma situação, e que aparentemente falte a “esperança”, Ele é quem  gera toda “esperança” em nosso coração.


Paula Guimarães
é missionária da Comunidade Canção Nova, palestrante, administradora, jornalista, apresentadora da TV Canção Nova e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. É autora dos livros “Como ser feliz em família – 15 passos para encontrar felicidade em seu lar”, “Esperança cadê você? O que fazer para não entrar em desespero” e “TV Canção Nova – A vida por trás das câmeras”, pela Editora Canção Nova.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK