Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > 200 milhões de reféns do caminhão
 
200 milhões de reféns do caminhão
26/05/2018 as 10:41 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&  Imprimir Imprimir
Mais uma vez, os caminhoneiros pararam o país. Sentindo-se enganados em 2014, quando o governo lhes prometeu atendê-los e não cumpriu, agora vieram mais exigentes. Garantiram só reabrir o tráfego de mercadorias pelas estradas depois que suas reivindicações forem atendidas e publicadas no Diário Oficial. Ainda não sabemos quais os níveis de aceitação ao acordo firmado quinta-feira com o governo, que vai subsidiar o combustível, pois existem parcelas insatisfeitas e radicalizadas entre os grevistas. Faltam o o próprio diesel, etanol e gasolina, alimentos e até remédios. Menos de uma semana de caminhões parados nos trouxe a essa situação. E o pior é que a crise – se é que foi resolvida – terá de ser renegociada a cada 30 dias, podendo tudo se repetir em caso de desacordo. Ainda mais: motoboys, transportadores escolares, condutores de Uber e outros consumidores de combustíveis ameaçam parar em busca de soluções iguais ou parecidas às que se ofereceu aos caminhoneiros e outros consumidores do diesel.

O governo tem o dever de exigir a desmobilização imediata do movimento paredista, pois já ofereceu a alternativa possível. Agora tem de exercer o seu papel garantidor do direito de ir e vir da população e o acesso aos insumos de que necessitamos para o dia-a-dia. Por mais que tenham razões em suas reivindicações, não é lícito aos transportadores travar a vida de todos os brasileiros. O que as autoridades não conseguirem pelo diálogo, terá de ser pela força, para evitar o mal maior. E os radicais que tentam levar o movimento ao impasse e até forçar a intervenção militar, precisam considerar que esse pode ser um remédio muito amargo. É melhor que a solução se dê entre os poderes constituídos.

A carga tributária brasileira é escandalosa e precisa ser reduzida. Mas isso não é coisa recente e não se resolve num passe de mágica. O país depende de ampla reforma tributária e administrativa e o governo, que arrecada dos impostos, precisa reduzir seus gastos (muitos deles abusivos) para que as despesas não continuem ultrapassando o valor da receita. Os combustíveis, cujo consumo impacta os preços dos transportes e de toda a economia nacional, realmente, deveriam ter carga tributária menor, como ocorre nos países vizinhos, que importam do Brasil os derivados do petróleo e os vendem à população pela metade do preço cobrado aqui.

O que temos hoje é o resultado de décadas de imprevidência e abandono. O desenvolvimento nacional foi construído em boa parte através dos trilhos das ferrovias. No começo dos anos 50 do século passado, quando a população brasileira era de apenas 50 milhões de habitantes, chegamos a ter 34.207 quilômetros de estradas de ferro ativos com o transporte de cargas e passageiros. A falta de investimentos na ferrovia e a entrada da indústria automobilística, fez a malha ferroviária encolher para os atuais 30.129 quilômetros, a maior parte abandonada ou sub-utilizada. Os caminhões, que em qualquer país sério e organizado fazem apenas a ponta do transporte – entre o terminal ferroviário, aéreo ou aquaviário e o destinatário – hoje respondem com 60% de todo o transporte no país de mais de 200 milhões de habitantes. A raiz do problema está aí e o resto todo é consequência...
                 


Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK