Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O desafio da bestialização do povo brasileiro é agora um fato não garantido
 
O desafio da bestialização do povo brasileiro é agora um fato não garantido
12/01/2018 as 16:36 h  Autor Genaldo de Melo  Imprimir Imprimir
Uma sociedade para ser considerada sadia do ponto de vista sociológico deve pautar seus valores e princípios na harmonia, no atendimento à ordem estabelecida por determinadas leis, e deve sempre se pautar pelo princípio democrático do permanente debate em torno de idéias diversas. Uma sociedade em que a ordem deve ser quebrada porque as leis que existem estão em função apenas de uma parcela da mesma, mesmo que seja parte substancial de sua população, não pode jamais ser considerada harmônica do ponto de vista sociológico.

O Brasil dos últimos quatros anos ainda deve ser bastante estudado em futuro não muito distante, em função de que parcela substancial de sua sociedade não concorda mais que as interpretações unilaterais das leis que determinam seu funcionamento, estejam apenas em função de uma pequena minoria em detrimento da grande maioria.
 
Quando não se concorda com o que está sendo estabelecido de forma não democrática por uma pequena minoria, é um dever moral e político que a grande maioria se rebele de forma sadia e harmônica, respeitando as próprias entranhas das leis. Mas que se rebele, porque nos regimes democráticos todos sabem que se deve governar sempre com uma minoria, mas não que sejam governos que não governem para a maioria, mas simplesmente para a própria minoria que governa.

Dizer quer a sociedade não pode se mobilizar e se rebelar em função de que não concorda que apenas uma pequena minoria da sociedade (mercado, judiciário, e mídia) queira decidir que o próximo governo brasileiro não deve ser o que o povo quer, conforme todas as pesquisas eleitorais até então, na verdade não passa de uma grande falácia (é um distúrbio sociológico). Uma pequena minoria que não mais consegue governar através das urnas, não pode e jamais deve, achar que vai conseguir impor suas decisões, exatamente num tempo pleno e democrático de informações e de plenos direitos socialmente conscientes, e que o povo que se dane!

Está ficando mais do que diáfano o discurso permanente da imprensa tradicional e comercial brasileira, aliada ao establishment de uma pequena minoria conservadora dona dos poucos meios de produção no país, e principalmente os responsáveis pelo capital especulativo que não enriquece nação nenhuma, de que não se quer nenhum candidato à presidente do Brasil nas urnas do próximo outubro, que não contribua com o retorno de uma população formada por personagens, como iguais aqueles historicamente anônimos de “Os Bestializados”, bem descrito por José Murilo do Carvalho.

A minoria não quer Lula, porque Lula representa a maioria do povo brasileiro como um todo e não apenas uma minoria, prova disso é que já se arranjaram verídicas provas para todos os que estão sendo presos pelo discurso parcial de combate à corrupção, e contra Lula existem apenas argumentos pautados em convicções e delações de gente que não apresenta provas, mas quer sair das chaves que estão nos bolsos de Sérgio Moro. Mesmo compreendendo que moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora, vai ficar muito difícil numa sociedade moderna, em que as informações que antes eram escondidas e para poucos, a minoria conseguir governar apenas para si mesma.




Por Genaldo de Melo
Fonte: genaldo40.blogspot.com

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK