Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Nove minutos valem uma vida
 
Nove minutos valem uma vida
09/11/2016 as 14:42 h  Autor Marco Antônio Barbosa  Imprimir Imprimir
Os dados do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgados neste mês pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, traduzem a triste realidade em que o país se afunda quando falamos de violência. A cada nove minutos uma pessoa foi morta de forma violenta em 2015, o que inclui vítimas de homicídios dolosos, de latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais. Um total de 54.492.

Poderíamos comemorar a redução de 2% em relação a 2014, quando este número foi de 59.703. Se alegrar com as 1.238 vidas salvas no ano passado seria uma visão míope dos fatos, já que nos últimos quatro anos o Brasil matou 23.468 a mais que a Síria, que está em Guerra Civil durante todo este mesmo período. É um abismo entre o discurso de país em desenvolvimento e a prática.

O pior é que mais uma vez vemos a falta de políticas públicas de longo prazo, como investimento em estrutura para as polícias, leis mais duras e efetivas, reestruturação do sistema carcerário e a principal delas: investimento em educação. O mesmo estudo aponta um investimento 76,3 bilhões em Segurança Pública, com um aumento de 62% de 2002 até 2015. Se o dinheiro foi investido, o problema está na forma em que isso se decorreu.

Não adianta ter a verba e não saber usá-la da forma adequada. Sempre é falado em aumento de efetivo, mas não em treiná-lo, em prepará-lo. Em 2015, 3.345 pessoas foram vítimas de ações das polícias, uma taxa de letalidade maior do que Honduras. A culpa é mesmo do policial, se na contramão, 393 policiais morreram, sendo 103 em serviço e 290 fora? Não, sem treinamento, sem remuneração, sem acompanhamento psicológico, entre matar ou morrer, o extinto de sobrevivência sempre falará mais alto.

A justiça continua lenta e morosa. No ano passado, 584.361 pessoas foram encarceradas, 36% em situação provisória, ou seja, 212.178 não foram julgados. Aguardam e lotam cada vez mais as penitenciárias, que também não oferecem nenhuma possibilidade de ressocialização, salvo algumas iniciativas esporádicas.

Também não se leva em conta outro aspecto, como 50% dos alunos frequentando o 9º ano do ensino fundamental estão em escolas localizadas em áreas de risco de violência e que 14,5% dos estudantes brasileiros já afirmaram ter perdido aula por medo da violência. Não damos educação de nível e nem segurança para frequentar as escolas. Como imaginamos acabar com a criminalidade, quando a única oportunidade de uma parcela significativa da população é a própria?

Os números mostram uma melhora, mas não apontam para um planejamento embasado e sustentável. Ações pontuais e desorganizadas não resolvem. Uma redução de mortes na casa de 2% pode ser apenas uma sorte do destino. Um assalto que não acabou em morte, ou uma briga de trânsito onde um dos envolvidos pensou um pouco mais antes de puxar o gatilho. Somente uma gama de ações nos pontos listados acima (polícia, inteligência, legislação, justiça, estrutura e educação) podem realmente começar a derrubar de forma substancial estes números alarmantes e que reflitam na confiança do cidadão no Estado.

O governo tem dinheiro e investe em segurança, mesmo com toda a crise em que vivemos, mas não demonstra, como em muitos outros setores, ter a capacidade de administrar e gerir da forma adequada e que seja realmente efetiva, sem ser apenas para remediar a situação. Mas não podemos deixar de lado a responsabilidade que da cada um de nós cidadãos temos em relação a este cenário. Votar da forma correta, cobrar para que os que forem eleitos cumpram o prometido e participar ativamente de melhorias nas cidades ou comunidades em que vivemos são papeis importantes e que devem ser empenhados por todos. Criticar, sem ajudar nas soluções não servirá de nada.

Quantas pessoas morreram no país enquanto você leu este texto? Quantos ‘nove minutos’ esperaremos para assumir nossos papeis, tanto poder público, quanto população? Somente uma parceria público-privada poderá trazer dados mais animadores para o nosso futuro.
 


Marco Antônio Barbosa
é especialista em segurança e diretor da CAME do Brasil. Possui mestrado em administração de empresas, MBA em finanças e diversas pós-graduações nas áreas de marketing e negócios.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK