Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Bolsa Miami
 
Bolsa Miami
25/07/2016 as 15:33 h  Autor Mário Bernardini  Imprimir Imprimir
O uso da expressão “bolsa empresário” para qualificar de forma depreciativa os financiamentos que o BNDES tem concedido às empresas, ao longo dos últimos anos, tornou-se recorrente para sugerir uma situação de favorecimento,  de compadrio, algo enfim, de certa forma escuso.

Este bordão tem sido usado e repetido, sem muita cerimônia e, principalmente, sem muito conhecimento de causa, tanto por boa parte dos formadores de opinião quanto por ministros de Estado, até adquirir, na prática, foros de verdade.

Os equívocos, entretanto, começam na própria expressão, graças a um erro conceitual pois, na realidade, o financiamento é concedido à empresa e não ao empresário, e uma empresa é uma organização complexa, feita de empregados, instalações físicas, equipamentos e muito conhecimento.

Eles continuam quando consideram um favor a concessão de financiamentos a juros da ordem¹ de 13 a 15% a.a., pois juros desta ordem de grandeza são considerados "subsidiados" ainda que sejam, em média, maiores do retorno esperado pelo otimista ou incauto tomador  que se arrisca a investir neste pais.

Estamos falando de financiar investimentos, os mesmos que nossos concorrentes internacionais financiam com  menos da metade de nossos juros “subsidiados”. E é bom lembrar que os investimentos são o motor do crescimento futuro do pais gerando empregos, renda e impostos em montante muito superior aos eventuais subsídios embutidos nos juros do BNDES.

Numa sociedade que precisa desesperadamente crescer é uma completa inversão de valores considerar normais os juros de mercado, que vão de “modestos” 50/60 % a.a. a mais de 400% a.a., e demonizar os juros “subsidiados” ainda que estes estejam acima da inflação e do retorno das empresas.

Entretanto se formos discutir o favorecimento do Estado brasileiro a diversos setores existem outras bolsas menos conhecidas embora custem bem mais para a sociedade brasileira. Uma é a "bolsa banqueiro" e aqui o termo é correto porque os polpudos lucros dos bancos, quando distribuídos a seus donos, não pagam impostos.

Se isto não bastar vale a pena lembrar que quando o leitor deixa algum dinheiro no Banco, para fazer face aos compromissos do dia a dia, o banco não só não remunera seu saldo como ainda cobra taxas de administração. Quando, entretanto o mesmo banco deixa sua sobra de caixa no Banco Central - BC, por um ou mais dias, é remunerado pela taxa SELIC.

Outra bolsa, que dá  título ao artigo, surgiu com a criação do Real, que já nasceu  valorizado e tornou mais barato, no supermercado da esquina, comprar manteiga holandesa no lugar da brasileira, ou almoçar em Paris e não em S. Paulo, ou tirar féria na  Europa em vez do nordeste.

Esta festa transformou o Brasil numa espécie de "free shop" e nos quebrou em 1999, com o mercado impondo ao Banco Central uma maxidesvalorização. Após um intervalo de uns três anos, com câmbio razoavelmente ajustado, voltamos ao velho vício de apreciar nossa moeda para conter a inflação o que durou até 2014.

Neste período a indústria brasileira de transformação, apesar dos juros “subsidiados”, foi reduzida quase à metade, se compararmos o valor adicionado em 2015 com 2004, sendo o câmbio apreciado o maior responsável pelo estrago ainda que os juros de agiota com que convivemos ajudassem bastante.

A explicação é relativamente simples. Os preços dos produtos importados baixavam em Reais pois nossa moeda se valorizava com relação ao dólar enquanto os custos industriais subiam, grosso modo, com a inflação e não permitiam à industria nacional concorrer com os importados nem no mercado interno nem na exportação.

A agricultura e a indústria extrativa se salvaram, neste mesmo período, graças ao fato dos preços de seus principais produtos terem dobrado e até triplicado, em dólar, graças à demanda chinesa e assim anulando, com folga, o efeito juros+câmbio.

Aparentemente nada aprendemos pois o Real, somente neste mês, se valorizou mais de 10%, e cerca de 20 % no semestre, tirando novamente a competitividade do produto brasileiro, abortando o reinício do esforço exportador e eliminando o único “drive” disponível no curto prazo para uma retomada da atividade.

Causa espécie a naturalidade com que nosso Banco Central  encara o fato justificando o dólar baixo como uma importante ajuda ao combate da inflação. Se isto cria problemas na indústria e no emprego é visto apenas como um efeito colateral desagradável mas aceitável visto que seu mandato é apenas a inflação na meta.

Assim a “bolsa Miami”, existente até pouco tempo atrás quando, graças ao câmbio, as noivas e as jovens mães brasileiras iam a Miami fazer o enxoval do casamento ou dos bebês, ressurge junto com o aumento do déficit na conta turismo e é  justificada face ao cumprimento da  inflação no centro da meta.

A indústria irá encolher mais um pouco, empregos de qualidade serão perdidos, o país voltará a ser fornecedor de matérias primas e de produtos semi industrializados e a importar produtos industriais, como nos tempos do Brasil colônia mas, pelo jeito, tudo isto não vai fazer com que nossa equipe econômica deixe de se preocupar, exclusivamente, com o ajuste fiscal.




Mário Bernardini
é engenheiro e diretor de competitividade, economia e estatística da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e membro do Grupo Reindustrialização
 
¹Os juros pagos pelo tomador, de um empréstimo tipo Finame para compra de Máquinas e equipamentos, soma a TJLP de 7.5% mais o “spread” do BNDES da ordem de 1 a 1.5% mais os juros do banco repassador que para as PMEs são da ordem de 6% a.a.


Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK