Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Desconstruindo os mitos dos agrotóxicos
 
Desconstruindo os mitos dos agrotóxicos
04/04/2016 as 11:16 h  Autor Coriolano Xavier  Imprimir Imprimir
A ocorrência pontual de residual químico em alguns alimentos é sempre tema de comentários na mídia e discussão tanto na sociedade urbana como na rural. Um assunto recorrente, já visto várias vezes e sem disso evoluir uma solução consistente. Daí comecei a reescrever mentalmente e pelo avesso, essa história da defesa sanitárias na agricultura, como se tudo ocorresse de modo perfeito.

Vamos imaginar: um agricultor observa em sua lavoura a presença de insetos predadores, como as vorazes lagartas, ou então alguma doença nas plantas. Fala então com um agrônomo – da cooperativa, da extensão rural ou seu funcionário – e pede um diagnóstico da situação. Se a infestação for pouca, sem dano econômico ou qualitativo relevante, nada se faz; se for mais séria, o agrônomo vai receitar um tratamento com produto agroquímico específico.

Esse produto, para estar disponível no mercado, deve ter passado por alguns anos de pesquisa, por testes provavelmente abrangentes e, depois, foi registrado e autorizado, a partir de um dossiê toxicológico amplo, como é exigência da autoridade de vigilância sanitária do governo brasileiro.

O agricultor então vai comprar o produto em uma revenda ou cooperativa, com o respectivo receituário, pois assim prescreve a lei que regulamenta o uso de agrotóxicos. Para aplicá-lo, terá que seguir as indicações da receita e ainda ler a bula, verificando todos os cuidados que deve tomar.

Na hora de usar o produto, o agricultor e sua equipe seguem técnicas e regras de manejo estabelecidas pelas escolas de agronomia e pelos manuais de uso dos fabricantes desse tipo de produto. Inclusive, essas pessoas devem utilizar a roupa apropriada ao serviço – o chamado EPI¹ -- para evitar o risco de exposição durante a aplicação.

Depois disso, o tratamento vai continuar ou não, dependendo do grau de severidade ou reincidência da doença ou infestação. Mas tem um momento em que tudo para: é quando a plantação chega ao período de carência, antes da colheita. Nessa fase, os tratamentos são suspensos para evitar residual nos alimentos, além dos índices definidos como seguros para o homem, pela própria legislação brasileira de vigilância sanitária.

Nessa fase, os tratamentos são suspensos para dar segurança aos alimentos, evitando residual que ultrapasse os índices definidos como seguros para o consumo humano, pela própria legislação brasileira de vigilância sanitária.  É assim que os alimentos ficam dentro dos padrões previstos por lei.

Um detalhe importante em tudo isso: existem leis, regulamentações, práticas de manejo, padrões de controle, procedimentos e protocolos de segurança, para que tudo isso aconteça a contento e dentro da conformidade prevista. Ou seja: para que os alimentos cheguem ao mercado com a qualidade e saudabilidade esperadas. Por que então isso não acontece às vezes e vemos uma situação como a da notícia da TV? Onde está o furo? Que elos da corrente foram rompidos, seja por falha, falta de capacitação ou dolo? O interessante é que se o sistema de controle fitossanitário funcionasse de modo integral, aparentemente isso seria o melhor para os todos envolvidos, do agricultor ao consumidor. Por que então isso nem sempre acontece?

Se as plantas não precisassem de apoio para vingar e sobreviver, claro que seria melhor. Eu mesmo, que preciso de meia dúzia de remédios todo santo dia, bem sei disso. Mas como os ambientes produtivos são hostis e estressantes para os vegetais, ainda não conseguimos escapar disso, pelo menos considerando a escala da produção alimentar exigida hoje em dia.

Opções fora da defesa sanitária das plantações podem valer em tese, mas ainda carecem de viabilidade econômica extensiva.  E o poder da ciência ainda não criou novas equações para esse desafio. Portanto, enquanto isso não acontece, temos uma tecnologia de manejo fitossanitário desenvolvida dentro de padrões técnico-científicos consagrados, que viabiliza e chancela a segurança sanitária dos alimentos vindos do campo.

Está tudo no roteiro simulado acima. Ele existe. Já mostrou que funciona e dá resultado, aqui no Brasil e em outros países de agricultura moderna. A prova mais eloquente são os números da produção mundial de alimentos e a evolução nutricional e de saúde das populações.  Só que ele precisa funcionar sempre e em todos os lugares.

É preciso trabalhar com dados objetivos e científicos, para saber onde de fato ocorrem problemas. Sem saber exatamente onde se está, não se consegue sair do lugar. É preciso transparência, informação, diagnóstico preciso, correção, controles e até punição se for o caso. As ferramentas existem. Do contrário, às vezes a mesa poderá nos surpreender e virar manchete de noticiário. Infelizmente para todos.

Coriolano Xavier, vice-presidente de Comunicação do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK