Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Sobrevoando o dicionário
 
Sobrevoando o dicionário
11/07/2014 as 08:52 h  Autor Jacinto Flecha  Imprimir Imprimir
Por este título, você pode perceber que a crônica de hoje pretende ser leve. Imagine se eu escolhesse mergulhando no dicionário! Ou, pior ainda, substituísse o verbo por escarafunchar, prospectar ou destrinchar. Com qual destes você se sentiria mais atraído para ler o que pretendo contar-lhe hoje? O que vou dizer é importante, mas não basta eu o afirmar assim, sem mais nem menos. Então, feito este esforço de captatio benevolentiæ, e com a expectativa de você ter gostado do título, decidindo-se a ler-me até o fim, vamos iniciar nossa viagem, aliás bem curtinha.

Começo lembrando-lhe que muitas palavras são usadas sempre em sentido favorável, bom, elogioso; em outras a conotação é desfavorável, depreciativa, ruim. Pai e mãe estão no primeiro caso, ladrão e demônio exemplificam o segundo.

Por piores que sejam as lembranças do pai e da mãe, são incontáveis os fatores para gratidão, reconhecimento, retribuição. Sente-se bem isso, comparando pai com padrasto, mãe com madrasta. Esta faz quase tudo o que faria a mãe, mas esse quase tudo é quase nada, comparado ao que se deve à mãe. E em muitos casos o relacionamento do enteado com padrasto e madrasta é cheio de atritos e desavenças.

Ladrão e demônio têm papel claramente negativo na nossa vida, e o repúdio a ambos precisa ser sempre renovado. Devo ressalvar, no entanto, o sentido da palavra ladrão, quando se refere a um recurso de engenharia destinado a desprezar o excesso de líquidos, por exemplo, em represas ou reservatórios. Um sentido apenas analógico, pois o ladrão “rouba” o líquido excedente. Quanto ao demônio, deve ser escorraçado sempre, sem dó nem piedade. Mas tenho notado ultimamente certa benevolência em relação a ele, em pessoas referindo-se carinhosamente aos meus demônios. Estranha benevolência, estranho carinho!

Cada governante costuma deixar obras perenes como marcas do seu governo. Daí nomes como Carlos Magno (o grande); Luís XIV, o rei-sol; Ivan, o terrível; Luís, o piedoso. Se não deixou grandes obras, pode ser lembrado por uma qualidade física: Felipe, o belo; Carlos, o calvo; Pepino, o breve (pequeno); Balduíno, o leproso.

Outra maneira de avaliar o governante por meio da linguagem refere-se à forma de governo. Quando se fala em rei, a impressão é sempre elogiosa. Ninguém ignora que houve reis maus ou incompetentes, mas era o rei, portanto o melhor ou o mais importante. Muitas lojas comerciais ressaltam essa boa qualidade, denominando seu comércio como rei disso ou daquilo (rei dos parafusos, dos pneus, do misto quente, etc.). Não tenho visto lojas valorizando a função de presidente, o que em parte se compreende (apenas em parte...) por ser um cargo temporário, transitório, pois a própria palavra indica a pessoa que está presidindo, com validade limitada. Quanto à marca rei, permanece elogiosa e garante durabilidade vitalícia.

Mais uma forma de governo: ditadura. Mesmo que o ditador faça bom governo, o povo o encara como “aquele que manda sozinho”, e isso não é adequado para deixar boa imagem. Geralmente o ditador precisa contrariar interesses de muitos, e os que são contrariados resmungam ou conspiram o tempo todo, criando assim uma avaliação desfavorável na opinião pública.

Relatos históricos são reescritos e reformulados de acordo com ideologias ou interesses do momento, mas não conseguem remover uma avaliação popular bem definida. O conceito de rei, como está profundamente enraizado na mentalidade popular, é uma prova evidente disso. Por mais que a historiografia posterior à Revolução Francesa tenha emporcalhado a imagem dos monarcas e da própria monarquia, não conseguiu demolir essa espécie de veneração popular.

Você já ouviu alguém ser criticado porque praticou um ato nobre? Quando se elogia uma pessoa por ter coração nobre, você a imagina como sendo de mau caráter? Nobre é um adjetivo sempre elogioso, indicando alguém de bom coração, altruísta, abnegado. No entanto, certos livros de história pintam um quadro negativo sobre a nobreza na época da Revolução Francesa. Imagem intencionalmente distorcida, basta compará-la com essa que está profundamente arraigada na mentalidade popular. Livros de História sérios não ignoram que a charanga de agitadores da Revolução Francesa foi patrocinada e lubrificada pela burguesia endinheirada, exploradora e aproveitadora. Quem se beneficiou com a Revolução? A burguesia, é claro!

Vamos encerrar nosso passeio aéreo, aterrissando numa página do dicionário contendo duas palavras de mesma origem etimológica, com significados opostos. Uma serve para qualificar alguns personagens desta crônica, famosos pela sua boa atuação; a outra se aplica aos demais, classificando-os como famigerados. Curiosamente, a má reputação dos famigerados não compromete a das instituições que eles dirigiram. A avaliação destas se faz por outros critérios, independentes da reputação individual.

Jacinto Flecha é médico e colaborador da Abim
(www.jacintoflecha.blog.br)

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK