Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Estamos mesmo falando de futebol?
 
Estamos mesmo falando de futebol?
11/07/2014 as 07:35 h  Autor Breno Rosostolato  Imprimir Imprimir
O goleiro do Brasil da Copa de 50, Barbosa, que foi excomungado e execrado pela derrota da seleção Canarinho naquilo que foi chamado de Maracanaço, ficaria muito envergonhado com a apresentação da seleção da CBF naquilo que em 2014 vai ficar conhecido como Mineiraço. Barbosa foi injustiçado, já Luis Felipe Scolari, esse sim, tem muita culpa pelo desastre na derrota do time brasileiro nesta fatídica terça, dia 08 de Julho.

O time de Felipão perdeu de 7X1 da Alemanha e vamos a alguns fatos. A Alemanha venceu e parabéns pelo espetáculo, venceu com propriedade, foi merecedora. O time brasileiro mostrou não apático mas morto, o retrato da mentira que tentaram defender no início da competição. A mentira é que talvez Felipão tenha convocado direito, o melhor planejamento, que não foi teimoso ou presunçoso, quando dizia e afirmava com veemência que seriamos campeões a todo custo.

Só para lembrar, o treinador deu uma declaração, com toda sua soberba, ao final do jogo contra o Chile: "Gostou, gostou. Se não gostou, vai para o inferno". Concordo com o jornalista Mauro César em seu blog, quando ele afirma que o hexa do Brasil foi mandado para o inferno mesmo e a Alemanha exorcizou o futebol brasileiro.

O Brasil teve um apagão em campo da mesma maneira que a população brasileira sofreu um apagão mental porque tivemos que engolir goela abaixo a copa do mundo. E aí, não tenho como não mencionar a bandalheira que foi com o dinheiro público, a corrupção. E me desculpem a repetição desta conversa política, mas ganhar a copa a todo custo, ideia que foi incutida na mente do brasileiro, era uma forma de compensar o roubo que foi esse evento.

Confundiram o nacionalismo, o patriotismo com fanatismo para desviarem de fato aquilo que mais nós devemos nos envergonhar. E não é dos 7X1 que estou me referindo. O pensamento de “Brasil, ame ou deixe-o” era a ideia rebuscada e agressiva da ditadura. Acontece que fomos obrigados a sermos “patriotas” de qualquer maneira. De preferência calados, sem questionar, unidos por um único propósito, torcer pelo país e odiar aqueles que criticavam a copa ou a seleção.

Torcemos pelo Brasil porque acreditamos nesta nação e não devemos esquecer que existe muita podridão que foi esquecida durante esses dias de copa e que sabemos que existe. Mas a política do pão e vinho sempre foi muito eficaz, não é mesmo?

Quando critiquei a seleção brasileira, fui chamado de antipatriota, como se eu não pudesse ter uma opinião contrária às pessoas. Mas eu não estava sendo julgado por um brasileiro, mas uma pessoa vítima do patriotismo doentio. Cante o hino à capela e mostre que você é grande. Vá para a guerra e lute com o seu inimigo. Guerra era uma palavra comumente usada por Felipão, mas que não tem nada a ver com esporte. Os adversários do Brasil não são inimigos. Guerra combina com as arenas dos gladiadores e não com os estádios de futebol.

Inimigo da nação de chuteiras, infelizmente, foi o que se atribuiu ao jogador da Colômbia, Zúñiga.  Muitos brasileiro medíocres chamaram Zúñiga de “macaco” e “preto safado”. Ataques criminosos que foram direcionados para a filha e para a mãe do jogador e pasmem, houve até ameaças de estupro à menina. Zúñiga não acordou no dia do jogo planejando quebrar a coluna de alguém. Acreditar que foi proposital é uma atrofia mental. O time se apequenou quando dependeu exclusivamente de Neymar.

Mas aí voltamos ao jogo e os 7X1. E talvez este seja o verdadeiro legado desta copa.

Acordamos com um “baita” tapa na cara. Tapa que vai doer muito, vai machucar sim e vai sangrar muito.  Cicatrizes ficarão expostas e de recuperação gradativa.

Agora é o seguinte, vamos saber perder. Nada de brigas, linchamentos e culpar um ou outro. Nada de queimar bandeiras porque somos brasileiros, ou só por causa de um jogo deixamos de ser? Ninguém é antipatriota. Ninguém aqui é dono de verdade nenhuma e não venha com lições de moral. A copa continua e os problemas deste país também. Vamos lutar pra que este pais cresça, porque hoje, foi apenas um jogo de futebol.

Ahhh, um detalhe importante. Iniciei este artigo diferenciando a seleção canarinho, que em 50 era administrada pela CBD e que depois, em 1979 tornou-se a CBF. Entidade envolvida em inúmeras denúncias de corrupção. Uma corja de parasitas que aos poucos está acabando com o futebol brasileiro. A seleção brasileira não pertence ao país, pertence à CBF.

Mas aí, estou aqui me perguntando. Será que até agora, estamos mesmo falando de futebol ou existem outras coisas envolvidas?
 
Breno Rosostolato é psicólogo e professor da Faculdade Santa Marcelina – FASM.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK