Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O risco que os cursos à distância representam para a educação brasileira
 
O risco que os cursos à distância representam para a educação brasileira
07/08/2013 as 11:52 h  Autor GISELA WAJSKOP  Imprimir Imprimir
O alarme soou para a educação brasileira.

Os resultados divulgados pelo `Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013´ revelam que, apesar de ter havido um aumento em 47,5% dos IDHs dos municípios nas duas últimas décadas, estes sofrem impacto dos dados educacionais. A baixa qualidade de ensino em nossas escolas levou os números para baixo.

Outro dado considerável divulgado recentemente aponta que nosso país ficou em penúltimo lugar em um ranking global de educação que comparou 40 países levando em conta notas de testes e qualidade de professores, dentre outros fatores. Em primeiro lugar está a Finlândia, seguida da Coreia do Sul e de Hong Kong. Ao lado do Brasil, mais seis nações foram incluídas na lista dos piores sistemas de educação do mundo: Turquia, Argentina, Colômbia, Tailândia, México e Indonésia, país do sudeste asiático que figura na última posição.

Varias hipóteses têm sido levantadas sobre a situação, mas há unanimidade nacional em considerar que sem bons professores o país não mudará esse quadro. Mas o que faz o professor ser bom? Qual sua função social? Afinal, o que e como ele ensina na sala de aula? Qual a formação ideal para uma docência de qualidade?

Essas questões parecem óbvias, mas são ainda pouco claras no seio da sociedade civil. Ainda se faz muita confusão entre a figura acadêmica do professor e as ações correlatas que este cumpre associadas à assistência e ao controle social. Com tanta função, não há quem se interesse por ser professor. Agregam-se, ainda, os baixos salários, currículos de formação inicial distantes da realidade escolar, formação em cursos de curta duração que marcam o imaginário social dessa que é de longe a profissão mais desvalorizada em nosso país.

Em caderno especial, o jornal `Folha de São Paulo´ apresentou amplo e detalhado panorama da situação, há muito conhecida dos especialistas e da população escolar. Aumento de matrículas em cursos de Pedagogia à distância, disciplinas altamente ideológicas em detrimento de aprendizagens de habilidades práticas e falta de articulação entre o Ensino Superior e a Escola Básica, para citar apenas os mais importantes. Muitas soluções estão ali aventadas a partir da realidade internacional.

Vivemos atualmente a glorificação dos cursos à distância, associada às novas tecnologias, mídias e redes sociais. Olhando para os dados, porém, constata-se que se o número de vagas em cursos de Pedagogia vem subindo vertiginosamente em cursos à distância com declínio equivalente das vagas em curso presencial e o número de concluintes nos cursos à distância é significativamente menor daqueles que frequentam os cursos presenciais. Não estaria aí uma pista para a resposta do problema da qualidade de nossos profesores? Há mais gente estudando em cursos à distância, mas, no final, os formandos são em número maior nos presenciais. O que estaria escondido por trás desses números?

Arrisco um caminho: nos cursos presenciais, mesmo os mais precários e ideologizantes, há uma característica própria das aprendizagens humanas que ainda não se realiza à distância, qual seja, sua dimensão coletiva, interacional e social. Assim, ainda que de forma incipiente, a função docente é aprendida presencialmente, em contraposição ao senso comum em voga, que a reduz a uma ocupação do exercício de habilidades práticas que se aprendem na solidão do contato com uma tela de computador. Os dados podem nos ajudar a compreender que a docência é, por origem e natureza, uma profissão de caráter intelectual, coletivo e social.

 Mais do que aprender uma atividade prática, para ser professor é preciso aprender a exercer uma práxis social, ou uma prática transformadora, baseada na oferta e transmissão de conteúdos historicamente constituídos, mas didaticamente organizados de acordo as capacidades de aprendizagens dos diferentes estudantes. Isso significa que para tornar-se professor, os aprendizes desse ofício precisam conhecer os conteúdos culturais e científicos para apresenta-los aos seus alunos, de forma generosa, em forma de objetos culturais de mediação para suas aprendizagens. Para entender melhor vai aí um exemplo:
Como ensinar um menino de 5 anos a escrever sem tomar-lhe a mão, oferecer-lhe o olhar, a escuta atenta e sua própria escrita?

Para aprender essa competência, o aprendiz de docente, ainda que o faça por meio das mídias mais atualizadas, terá de pensar sobre sua função transformadora na relação com esse menino. E, para tal, terá de conhecer conteúdos de ordem conceituais que dialogam com suas próprias concepções, valores e, ainda mais, resultem na construção de habilidades e estratégias didáticas que permitam ao menino aprender. Com tanto conteúdo pressuposto, os aprendizes não poderão estudar sozinhos, na medida em que apenas o trabalho em equipe e a interação com os pares fornecerá material para as diferentes e possíveis soluções de ensino associadas às aprendizagens do menino.

É possível, assim, a título de provocação, que os dados acima nos revelem que, ainda que precários e teóricos, os cursos presenciais formam mais professores - a evasão é menor nos cursos presenciais - pois ensinam a carreira docente que mais se aproxima das situações humanas de aprendizagem. Isto não quer dizer - e os dados das aprendizagens infantis e das provas nacionais e internacionais revelam o contrário - que os cursos presenciais sejam bons. Penso que os dados sobre os cursos presenciais nos dão pistas de que a função docente tem uma base na interação humana necessária de ser levada em conta nos cursos de formação inicial, sejam eles presenciais ou que se utilizem de recursos tecnológicos altamente desenvolvidos.

Vale a ressalva: formar bons professores em um país em crescimento como o nosso não poderá prescindir das novas tecnologias para ganhar escala. No entanto, a escala com qualidade terá de levar em conta que bons professores são aqueles cujos resultados se devem às boas interações com seus estudantes associadas a um trabalho em equipe, que escuta e olha seres humanos em situações reais de aprendizagens.

Por isso, a aprendizagem da função docente precisa ser compreendida mais como um problema a resolver do que uma equação a solucionar.  Um excelente professor necessita conhecer e exercer o relacionamento humano e todos os pressupostos afetivos, cognitivos e sociais que lhe são próprios; deve usar boas estratégias didáticas de maneira que seus alunos aprendam de verdade os conteúdos curriculares; e precisa saber organizar situações de ensino adequadas a cada idade para distribuir o conhecimento universalmente e historicamente produzido pela humanidade. Deve, enfim, saber ensinar.

Nesse momento importante em que o Brasil se encontra, em busca da solução do problema da boa docência, a construção de um currículo nacional para os cursos de pedagogia e das licenciaturas deverá supor a profissão como práxis social que deve ser aprendida em sua plenitude e em relação intrínseca com a sala de aula e os estudantes da escola básica.

Por GISELA WAJSKOP - Professora Doutora pela FEUSP/Université Paris XIII. Sócia Fundadora do Instituto Singularidades, no qual respondeu pela Direção Geral e Acadêmica durante o período de janeiro de 2001 a maio de 2013. Atualmente é consultora em educação. Email: giselawajskop@gmail.com

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK