Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > MOVIMENTO ESTUDANTIL NO CHILE
 
MOVIMENTO ESTUDANTIL NO CHILE
22/08/2011 as 09:52 h  Autor bruno peron  Imprimir Imprimir
Desde o desmoronamento de um projeto popular e socialista que se instaurava com Salvador Allende na primeira metade da década de 1970 até a guinada para um país sumamente desigual e voltado a tratados de liberação comercial, o governo do Chile classifica seu sistema educacional como mais um negócio orientado pelas leis de mercado.

Milhares de estudantes secundários e universitários, professores, sindicalistas e simpatizantes manifestaram-se a favor de educação gratuita e de qualidade em Santiago em 9 de agosto de 2011 e retornaram às ruas em 18 de agosto a despeito da intempérie. É neste mês que as mobilizações estudantis reuniram o maior número de participantes e tiveram repercussão transnacional, como ocorreu no Paraguai.

Alguns manifestantes encapuzados, neste último episódio, levantaram barricadas nas ruas da capital chilena a fim de abrir passagem aos opositores às políticas do governo para o setor, o que gerou atritos com as forças de segurança como é de se esperar em regimes que não aceitam divergências de opinião e determinam horários em que se permite o protesto.

A gestão de Sebastián Piñera não protelou sua resposta às manifestações. O presidente instou o diálogo, previu melhoras na qualidade da educação, e aconselhou o fim de atos de violência que nada têm a ver com a mobilização estudantil nas ruas.

Na sequência, o ministro de Educação recém-empossado Felipe Bulnes propôs a ampliação de bolsas e créditos aos mais pobres, e a observância da lei que proíbe o lucro nas universidades públicas. Como se a demanda estudantil fosse tão pontual e prescindisse de uma revisão radical das políticas públicas para o setor.

Ao contrário, a dirigência do movimento estudantil que convocou a manifestação sugere mudança de paradigma na educação chilena e não só aumento de recursos estatais. A líder Camila Vallejo questionou, numa entrevista aos meios de comunicação, se o governo deseja "fortalecer um sistema nacional de educação pública" ou "subsidiar a iniciativa privada".

Se não houver pressão estudantil a favor de seus interesses e através de um movimento organizado em qualquer país, o futuro da categoria estará em mãos de gestores governamentais bem intencionados ou ávidos de tirar o corpo do setor. Na dúvida, é melhor que os interessados assumam o controle da situação.

O avanço das políticas neoliberais no Chile converteu-o num país de renda per capita elevada, mas a distância do Estado frente aos desafios de urbanização e políticas sociais intensificou a péssima distribuição de suas riquezas. Juntamente com os setores pouco atendidos, as universidades públicas passaram a espaços de captação de estudantes que podem custear seus estudos e outros aos que se brindam bolsas.

O Chile é um dos países latino-americanos onde as instituições privadas de ensino crescem num ritmo que agrada aos investidores e encontram condições para ditar as regras educacionais. O critério econômico, porém, não seleciona os mais aptos a estudar em detrimento do mérito dos que têm capacidade, mas não dispõem de renda suficiente.

É necessário ter convergência de ideias e ações para que todo movimento prospere. Não se trata de rogar pela unanimidade, que extinguiria a flama do debate, senão canalizar as demandas na direção de projetos viáveis e impulsionadores da lide estudantil.

Por um lado, a Confederação dos Estudantes do Chile (CONFECH) recebe críticas pela negligência a universidades privadas, a falta de representação da totalidade estudantil chilena, e a centralização do movimento em Santiago.

Por outro: As universidades privadas não se criaram para andar com as próprias pernas e com a menor interferência do Estado? Que movimento representa a totalidade de demandas de uma categoria? Que culpa tem o movimento estudantil de a maior parte dos interessados nos protestos estar em Santiago e não em Concepción, Valdivia ou Valparaíso?

A tentativa de cisão do movimento estudantil chileno não anulará o vigor das demandas da categoria nem encobrirá a clareza de propósitos dos dirigentes não importa que tão incisiva ou estrambótica seja a resposta de Piñera.

O movimento estudantil chileno prega muito mais que a reforma do sistema nacional de educação e toca no denominador comum de qualquer estudante deste país sul-americano que queira uma oferta de cursos superiores gratuitos e de excelente qualidade.

Bruno Peron

http://www.brunoperon.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK