Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Conversa com a Presidenta > 2014 > 26/06 - Coluna semanal da Presidenta Dilma Rousseff
 




26/06 - Coluna semanal da Presidenta Dilma Rousseff
26/06/2014 as 11:49 h  Autor Sec. de Imprensa da Presidência da República  Imprimir Imprimir
Um programa para a saúde do brasileiro

Cuidar da saúde é prioridade para todos. Foi pensando nisso que, no início de meu governo, lançamos o Saúde Não Tem Preço, programa que distribui remédios de graça para as brasileiras e os brasileiros de todo o país. O Saúde Não Tem Preço é importantíssimo e o seu sucesso me traz muita satisfação e até orgulho. Hoje, o programa garante o acesso gratuito da população a medicamentos para hipertensão, diabetes e asma. Só no mês de maio último entregamos remédios para essas doenças a 6,4 milhões de pessoas. Desde 2011, quando foi lançado, o programa beneficiou quase 20 milhões de pessoas.

É um programa muito simples: são mais de 30.400 farmácias do Aqui Tem Farmácia Popular espalhadas por todo o Brasil que entregam esses medicamentos gratuitamente para os pacientes em mais de 4.100 municípios. E continuamos trabalhando para expandir o número de municípios atendidos. Para qualquer brasileiro ter acesso a esses remédios, basta chegar a uma Farmácia Popular e apresentar a receita do médico, acompanhada do CPF e de um documento pessoal com foto. Tudo sem burocracia. E de graça. É importante lembrar que a receita para retirar o medicamento pode ser tanto de um médico da rede pública como de um médico particular.
 
Distribuir gratuitamente medicamentos para tratamento de diabetes e da chamada “pressão alta” foi um compromisso que assumi durante a campanha eleitoral de 2010. Poucos meses depois de assumir a Presidência, a promessa foi cumprida com o Saúde Não Tem preço, porque sabemos que hipertensão e diabetes são doenças crônicas, precisam de tratamento diário, contínuo, pelo resto da vida. No entanto, muitos que sofrem desses males não tinham condições de comprar os remédios, ou compravam uma vez e interrompiam o tratamento.
 
A partir do Saúde Não Tem Preço, garantimos às pessoas fazerem o tratamento de acordo com a recomendação médica, na dose certa, na hora certa. Isso evita complicações mais graves, as hospitalizações, a invalidez e a morte. As pessoas, quando fazem o tratamento corretamente, melhoram sua qualidade de vida, têm mais disposição para trabalhar, produzir, se divertir, se dedicar à família e aos amigos.

Em 2012, passamos a distribuir também, pelo Saúde Não Tem Preço, medicamentos para asma, outra doença crônica. Quase 300 mil pessoas retiraram esses remédios para asma nas Farmácias Populares no mês de maio. Crianças, adolescentes e pessoas da terceira idade estão melhor protegidas e, com tratamento adequado e gratuito, evitam complicações que podem levar a súbitas e preocupantes internações hospitalares. Isso melhorou muito a vida do paciente e da família dele. Toda mãe, todo pai, todo avô e avó sabe o sofrimento que é ver uma criança com asma ter de sair de casa correndo, às vezes de madrugada, para ir ao hospital.

E o Saúde Não Tem Preço já está fazendo a diferença. A asma era a segunda principal causa de internação de crianças de até cinco anos no SUS, o Sistema Único de Saúde. Depois que começamos a distribuir os remédios para o combate à asma, reduzimos em 36 mil o número de internações por conta dessa doença.

Com os remédios de que precisam e um acompanhamento médico adequado, milhões de brasileiros passam a ter uma vida mais tranquila e saudável. O Saúde Não Tem Preço é um excelente exemplo de nosso jeito de governar o país, gerando benefícios para todos. Os medicamentos gratuitos podem ser retirados pelo trabalhador, pelo aposentado, por aquele que ganha um salário mínimo, pela mãe que vive com o Bolsa Família. Enfim, por todos os brasileiros, sem distinção. Essa é a nossa melhor receita para construir um futuro cada vez melhor para as brasileiras e os brasileiros.
Não há comentários.
img



img
RSS  Artigos Artigos

No clássico “Raízes do Brasil”, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, ao falar do homem cordial como uma marca indestrutível do caráter brasileiro (cordial não quer dizer para ele bondoso, mas retrata principalmente os que agem movidos pela emoção e não pela razão), desdobra-se...
Quando cito em minhas palestras e escritos os educadores, procuro dirigir-me não apenas aos heroicos profissionais dessa vocação, aos que realmente merecem essa deferência, contudo, àqueles que recebem de Deus (todos nós) a missão de encaminhar pela estrada correta...
Um ano depois da posse definitiva – ocorrida a 31 de agosto – o presidente Michel Temer ainda bate cabeça para definir a diretriz do seu governo. A ampliação do rombo das contas públicas, que agora tentará aprovar no Congresso, obriga o governo a tomar dinheiro emprestado do...
Uma nova modalidade de safadeza está acontecendo no mundo político no Brasil, e poucas pessoas estão atentas para isso por causa do forte ingrediente do personalismo na política. São os partidos políticos que para limpar a sujeira de suas roupas velhas, para fazer com que...
As últimas décadas foram repletas de mudanças na sociedade, de uma forma tão intensa, que talvez não tenha ocorrido antes. Nosso mundo globalizado possibilita chegarem rapidamente pensamentos e fatos, de uma parte a outra do mundo, especialmente com o advento das...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK