Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O dilema do custeio das eleições
 
O dilema do custeio das eleições
09/08/2017 as 09:59 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Tivemos, no Amazonas, uma eleição temporã, que procura escolher o novo governador do Estado. De sete candidatos, restaram para concorrer no segundo turno dois ex-governadores – Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) – cujos partidos são denunciados por prática de corrupção eleitoral, mesmo motivo que levou à cassação do governador José Melo (PROS), a quem o eleito substituirá. Demonstração de que as novidades políticas não são significativas para a disputa naquele estado. E assim é em todo o território nacional, onde as práticas mantêm os mesmos no poder e faz dos demais apenas coadjuvantes do chamado jogo democrático. O quadro, infelizmente, tende a ser idêntico no próximo ano, quando seremos chamados a eleger o novo presidente da República, governadores estaduais, senadores e deputados federais e estaduais. Os grandes partidos, fortalecidos pelos esquemas de corrupção que hoje povoam o noticiário, têm mais chances de manter seus caciques. Acontecem as eleições e nada muda.

Como resultado dos malfeitos eleitorais apurados, está proibida a doação empresarial para campanhas, partidos e candidatos. Fechadas as torneiras das empreiteiras que fraudavam e superfaturavam obras governamentais, as eleições restam sem recursos para o custeio. Corre-se o risco de partidos e candidatos utilizarem o caixa dois ou – o pior – receberem aporte do crime organizado para fazer frente às despesas. É um problema que carece de urgente solução.

Para valer nas próximas eleições, todas as alterações à legislação eleitoral têm de estar votadas pelo parlamento – Câmara dos Deputados e Senado – e sancionadas até a véspera do dia 2 de outubro próximo, quando começará a vigorar o calendário eleitoral de 2018. Uma das possibilidades é o estabelecimento do custeio público das campanhas, mas até isso ainda é uma idéia vaga. Governo e congressistas precisam agir rápido, se não quiserem ter as eleições mais magras da história. As empresas que os apoiaram nas eleições passadas hoje estão nas barras dos tribunais e têm até dirigentes presos por corrupção eleitoral.

Em menos de dois meses que nos separam da data limite de vigor do calendário eleitoral (que começa um ano antes da eleição) pouca mudança poderá ser feita, especialmente num congresso que atua lento como o brasileiro. Não teremos voto distrital, alteração no regime de governo e outras coisas que se discute há anos. A prioridade é saber de onde tirar o dinheiro que não pode mais vir das empreiteiras.

A tendência é termos mais do mesmo. Muitos partidos, conchavos eleitoreiros, negociação de cargos e manutenção da política de coalizão. Não há garantia de viabilidade nem mesmo de conclusão da reforma trabalhista e da reforma previdenciária que o governo insiste em realizar. A partir de agora, a tendência é os parlamentares fugirem de temas polêmicos que possam comprometer suas imagens junto ao eleitorado...
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br     
 

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img





img
RSS  Artigos Artigos

A ação da Polícia Federal na Universidade Federal de Minas Gerais, uma repetição da violência praticada também contra a Universidade Federal de Santa Catarina – que culminou com a morte do reitor Carlos Cancellier – parece indicar efetivamente, como denunciou o senador Roberto Requião, uma...
Disse o Sérgio Moro de sempre, diante de um comentário do ex-presidente Lula sobre os desmandos da justiça, que não debateria “publicamente com pessoas condenadas por crimes”. É a cara dele. Acha-se no direito de tecer comentários sobre tudo e sobre todos, projetando-se...
Nos últimos três anos, a Petrobras, maior empresa brasileira, foi alvo de um processo sistemático de desmoralização. Como resultado, a companhia começou a ser esquartejada, com vários de seus ativos sendo vendidos sem nenhuma transparência, e o pré-sal, maior...
Virou moda atribuir a violência e a criminalidade à falta de policiamento ou aos métodos de trabalho empregados pela força policial. O tema já sustentou muitas campanhas eleitorais e serviu de instrumento para os agitadores sociais atingirem seus objetivos. Uns clamam por maior presença...
Lembrei-me da música “A ordem do inverso” quando vi a reportagem sobre o primeiro transplante de coração do mundo. O Brasil parece ser mesmo o país do tanto faz, o que é correto já não vale mais, pelo visto roubaram SIM a imparcialidade da impressa, mas do simples cidadão a consciência, ainda não. Veja como se encontra a “imparcialidade da imprensa” nessa reportagem do fantástico em comemoração aos 50 anos do...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK