Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Greve geral, não. Luta por privilégios
 
Greve geral, não. Luta por privilégios
02/05/2017 as 09:56 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cc  Imprimir Imprimir
A mobilização da sexta-feira (28/04), que os organizadores pretendiam ser uma greve geral, não passou de uma rebelião de sindicatos preocupados com seus privilégios. Mais do que a anunciada luta contra as reformas trabalhista e previdenciária, as entidades foram às ruas para tentar manter a contribuição sindical compulsória, que obriga todo trabalhador, sindicalizado ou não, a destinar aos sindicatos os ganhos de um dia de trabalho por ano. Outro motivo é a negociação direta entre patrões e empregados, que torna desnecessários e até inúteis os sindicatos. Paradoxalmente, usaram o dinheiro do trabalhador para ir às ruas defender aquilo que interessa só aos sindicatos e não ao trabalhador, que só paga a conta, muitas vezes sem saber a quem.

A contribuição compulsória é carreada aos sindicatos desde 1943. Portanto, trata-se de um entulho da ditadura Vargas que até agora ninguém havia ousado eliminar. Pelo contrário, em 2008, o presidente Lula, oriundo do meio sindical, mandou repartir o bolo também com as centrais sindicais, exatamente as mesmas que foram às ruas na última sexta-feira. Ainda mais: toda essa montanha de dinheiro – mais de R$ 3 bilhões por ano – não é passível de prestação de contas porque entendem os burocratas da república sindical em que foi transformado o Brasil que fazer o sindicato prestar contas seria inconstitucional e feriria o direito de autogestão.

Por conta do dinheiro fácil, o Brasil possui hoje 16.293 sindicatos, sendo o país que com o maior número deles em todo o mundo. Os outros países com maior número de entidades sindicais são África do Sul com 191, Reino Unido 168, Dinamarca 164, Estados Unidos 130 e Argentina 91. Sensível diferença...

Nada contra a liberdade sindical e o direito dos trabalhadores se reunirem em entidades de classe. Desde que mantenham o seu custeio e, como mantenedores, delas participem e se interessem pelo seu destino e pelos serviços que prestam à classe. Da forma que se desenvolveram no Brasil, os sindicatos não passam de braços manipulados ora pelo governo ora pelos partidos de esquerda que acabam negociando com o governo. O que menos conta é o interesse da classe trabalhadora, que só dá o nome para legitimar a existência das entidades.

Se querem consertar o país, o governo e o Senado não devem transigir em relação à contribuição sindical compulsória, já eliminada no projeto aprovado pela Câmara dos Deputados e a outros itens que libertam o trabalhador da escravidão sindical. Com isso, só sobreviverá o sindicato que realmente presta serviços e respeita os interesses dos seus filiados. Desaparecerão os aparelhos políticos e quem quiser fazer política partidária terá, a partir de então, de fazê-lo através dos partidos que, a exemplo dos sindicatos, também deveriam ter vida econômica própria, sem receber os polpudos recursos do Fundo Partidário mantido pelo dinheiro público.
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img





img
RSS  Artigos Artigos

Enquanto outros Presidentes da República sempre trabalharam mesmo nas condições adversas que o próprio mundo político impõe a todos pelas disputas, para atender às demandas do seu tempo, levando em consideração sempre o que fosse melhor para os brasileiros, Michel Temer como...
O título foi tirado de uma entrevista do jornalista e escritor Walter Pinheiro, presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI) e diretor do Jornal Tribuna da Bahia, comemorando os 47 anos de existência desse importante órgão de comunicação. Após relembrar os tempos de luta, Pinheiro ressaltou que todos que nele trabalham sempre estiveram juntos, e que, nessa caminhada, a Tribuna, com certeza, completaria seus...
Quanto mais aprendemos, mais sabemos que sabemos muito pouco. Há anos o Brasil vem sendo criticado por jogar muito carbono na atmosfera por meio das queimadas. O fogo é o principal bandido nessa história. Sempre há relatos em jornais, revistas, rádio e telejornais de que aumentou ou...
No próximo ano teremos eleições. Como um ato de rotina voltaremos às urnas como fazemos há muitos anos nesta democracia que construímos. Mas essa não deve ser considerada uma eleição como outras.  Há uma possibilidade real de que possamos fazer uma reforma política de fato, encerrando os mandatos daqueles políticos que se envolveram em corrupção e tráfico de influência, traindo o voto popular. Votar é fundamental. É através...
No dia 20 de outubro é comemorado o dia do poeta, esse ser estranho e singular, iluminado, que vê a vida com o coração e a alma, e tenta passar essa visão a todos aqueles que tiverem sensibilidade para recriar a sua visão. Então quero enviar a minha homenagem a todos os bardos deste...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK