Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Notícias Destaque > Notícias/Agência Einstein > Antecipar a mamografia das mulheres negras reduziria em 57% a disparidade nas mortes por câncer de mama
 
NOTCIAS DO DIA... NOTCIAS DO DIA...
Antecipar a mamografia das mulheres negras reduziria em 57% a disparidade nas mortes por câncer de mama
29/10/2021 as 20:16 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir

Foto: Internet/Google/Divulgação
 
A recomendação atual é para que as mulheres, brancas
e negras, iniciem os exames a partir dos 50 anos
 
Mulheres negras deveriam começar os exames do câncer de mama aos 40 anos para reduzir as disparidades entre elas e as mulheres brancas no diagnóstico e sobrevivência da doença. Atualmente, a recomendação é que todas iniciem a mamografia a partir dos 50 anos. 
 
Ao antecipar uma década, a mortalidade por câncer de mama diminuiria em 57%, de acordo com estudo conduzido por pesquisadores norte-americanos e publicado no periódico Annals of Internal Medicine no início de outubro. Em geral, mulheres negras recebem o diagnóstico da doença mais cedo do que as brancas, e a taxa de cânceres mais agressivos, entre elas, é maior também, segundo os autores.
 
Para chegar aos resultados, diferentes estratégias de rastreamento foram simuladas em um modelo computadorizado, chamado de CISNET (Cancer Intervention and Surveillance Modeling Network, em inglês). Os pesquisadores avaliaram não apenas as idades de início dos exames (40, 45 e 50 anos), mas também os intervalos entre os testes, dados de saúde e fatores sociais, como o racismo, em mulheres nascidas nos Estados Unidos em 1980. Potenciais efeitos prejudiciais, como resultados falso-positivos, também foram analisados. 
 
O cenário mais benéfico para reduzir as diferenças entre a mortalidade de mulheres negras e brancas surgiu quando os exames de mamografia das primeiras eram feitos a partir dos 40 anos de idade, e repetidos a cada dois anos. Neste cenário, os dados se equiparavam aos resultados de mulheres brancas avaliadas a partir dos 50 anos. 
 
O impacto do racismo levou em consideração as dificuldades de acesso à medicação, a redução de doses, atraso no início e mesmo interrupção dos tratamentos. De acordo com os autores, as recomendações dos últimos 20 anos não percebem o papel do preconceito e da discriminação no tratamento do câncer de mama, nas taxas de sobrevivência e na mortalidade entre mulheres negras. 
 
Nós esperamos que [o estudo] forneça novas informações para ajudar a desenvolver recomendações focadas na equidade para mulheres negras e que atenda ao déficit de longa data nas diretrizes de rastreamento do câncer de mama devido à falta de dados”, explica Jeanne Mandelblatt, uma das autoras do estudo e pesquisadora principal da CISNET, em um comunicado à imprensa. 
 
Panorama nacional
 
No Brasil, a situação é semelhante. Mulheres negras têm taxas mais altas de cânceres agressivos em idades mais jovens do que as brancas, segundo Gil Facina, diretor da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM). Tal quadro, consequentemente, implica em um maior número de óbitos.
 
A maior mortalidade decorre de um conjunto de fatores. Os subtipos de tumores mais agressivos são proporcionalmente mais incidentes na população negra. Além disso, a falta de acesso aos serviços públicos de saúde e a saturação do sistema causam atrasos no diagnóstico e tratamento, e impacta negativamente nas chances de cura”, explica.
 
Facina também concorda com a sugestão da equipe norte-americana de reduzir o início do diagnóstico para 40 anos, porém para todas as mulheres. Segundo ele, a estratégia do Ministério da Saúde, que indica a realização da mamografia a cada dois anos entre os 50 e 69 anos de idade, precisa ser rapidamente reavaliada.
 
É notório que mais da metade dos casos de cânceres de mama nas mulheres brasileiras está fora desta faixa etária. Baseado nesses dados, a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que se realize a mamografia, anualmente, a partir dos 40 anos de idade, sejam negras ou brancas”, recomenda.
 
Por Alexandre Raith, da Agência Einstein

Comente via Facebook

Mais Not�cias
No h comentrios.
img
Nesse próximo sábado (27/11), a live no canal de Ananda Lima, será sobre a Literatura em Formosa do Rio Preto.
Os convidados são os escritores, Eromar Bonfim, Evadson Maciel e Arnone Santiago.
Todos falarão de suas obras publicadas e como a literatura influência em sua condição humana.
Conheça um pouco da potência criadora da região Oeste.
*****
Acesse o canal de Ananda Lima (https://youtu.be/zIPXxy4U1SI) e acompanhe essa e outras discussões que ocorrem todos os sábados, às 18 horas.
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK