Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Notícias Destaque > Notícias/Agência Brasil > Transição energética é "demasiado lenta", alerta agência
 
NOTCIAS DO DIA... NOTCIAS DO DIA...
Transição energética é "demasiado lenta", alerta agência
13/10/2021 as 18:11 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir

Foto: Internet/Google/Divulgação
 
Instituição defende investimentos
rápidos em energia limpa
 
A Agência Internacional de Energia (AIE) considerou hoje (13) que o mundo vai sofrer com o aquecimento global, mas também com "turbulências" no abastecimento energético, se não investir mais rapidamente em energias limpas.
 
No relatório anual, publicado duas semanas antes da abertura da Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP26), em novembro, em Glasgow, na Escócia, a agência emitiu "avisos sérios sobre a direção que o mundo está tomando".
 
Afirmando que surge nova economia no mercado da energia, a agência lamentou que o progresso seja contrariado pela "resistência do status quo e dos combustíveis fósseis", com o petróleo, gás e carvão representando ainda 80% do consumo final de energia, responsáveis por três quartos das alterações climáticas.
 
Atualmente, os compromissos climáticos dos governos, se cumpridos, só permitirão atingir 20% das reduções de emissões de gases de efeito estufa, necessárias para manter o aquecimento global sob controle até 2030.
 
"Os investimentos em projetos de energia descarbonizada terão de triplicar nos próximos dez anos para se conseguir a neutralidade de carbono até 2050", apontou o diretor da AIE, Fatih Birol.
 
"Se conseguirmos atingir a neutralidade de carbono até 2050, 2,2 milhões de mortes prematuras por poluição atmosférica poderão ser evitadas até 2030, 40% menos do que atualmente. Em outros cenários, irão aumentar", adverte o documento.
 
A AIE, que faz parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apresentou três cenários para o futuro: o das atuais políticas de redução de emissões efetivamente implementadas pelos governos; o dos compromissos de redução assumidos; e o que permite atingir a neutralidade de carbono em 2050, já tornado público pela AIE em maio.
 
No primeiro cenário - o mais pessimista - a temperatura global aumentará 2,6 graus Celsius em 2100, em comparação com a era pré-industrial; no segundo, 2,1 graus; e apenas no terceiro será limitada a 1,5 grau.
 
O terceiro cenário, atingindo a neutralidade de carbono até 2050, "exigirá grandes esforços, mas oferece benefícios consideráveis, tanto para a saúde quanto para o desenvolvimento econômico", afirma a AIE.
 
A agência acredita que é necessário um aumento do investimento de cerca de US$ 4 bilhões por ano até 2030 em projetos e infraestruturas de energia limpa para atingir o objetivo da neutralidade de carbono até 2050.
 
O financiamento adicional necessário para esse objetivo "é menos oneroso do que parece", acrescentou. Segundo a AIE, 40% das reduções das emissões "pagam-se", por meio da eficiência energética, da luta contra as fugas de metano ou de parques solares ou eólicos.
 
A AIE disse ainda que o atual déficit de investimento afeta não só o clima, mas também os preços e a oferta, garantindo "turbulências" como as que o mundo sofre atualmente, com as tensões sobre os combustíveis fósseis.
 
Nos últimos anos, a depreciação dos preços do petróleo e do gás limitaram o investimento no setor, mas a transição para a energia limpa é demasiado lenta para satisfazer a procura, considerou a agência
 
"Há um risco de turbulência crescente nos mercados globais de energia", disse Birol. "Não estamos investindo o suficiente para satisfazer necessidades futuras, e essas incertezas estão nos preparando para um período volátil", disse.
 
"A forma de responder é clara: investir de forma rápida e maciça em energia limpa" para satisfazer as necessidades, tanto a curto quanto a longo prazo, acrescentou.
 
Caso contrário, "o risco de volatilidade desestabilizadora tenderá a aumentar", afirma o relatório, que destaca a importância de uma transição "acessível a todos os cidadãos".
 
"Está surgindo uma nova economia energética, com potencial para criar milhões de empregos", disse Fatih Birol, que apelou aos líderes que participarão da COP26 para "fazer a sua parte, transformando a década de 2020 na de implantação maciça da energia descarbonizada".
 
Da RTP - Lisboa/Agência Brasil

Comente via Facebook

Mais Not�cias
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Não há nenhuma beleza na miséria. A frase é do angolano José Eduardo Agualusa e cai bem para o momento.  A fome que ataca milhões de seres humanos no planeta, principalmente no continente africano, é um espetáculo horripilante. As massas sofridas que habitam as...
Que o mundo está mudando, não é novidade para ninguém. Percebemos uma geração mais consciente social e ambientalmente, disposta a provocar transformações, acelerando movimentos que antes levavam décadas para, de fato, mudar algo na prática. É uma geração que impulsiona mercados, empresas, academia, governos e organizações em um caminho sem volta. São ícones que, corajosamente, levantam bandeiras por...
A pesquisa de intenção de voto tem uma grande utilidade: revelar aos partidos e a seus possíveis candidatos o nível de aceitação de cada um na preferência popular. É uma das ferramentas para a decisão de lançar ou não candidatura própria ou se aliar a quem tenha melhores condições para...
O Brasil deve ser o Estado Democrático de Direito e não o "Estado Do Bacharel em Direito". É fato que mais da metade das Faculdades de Direito do mundo estão no Brasil e isto não converteu em uma situação na qual tenhamos uma sociedade juridicamente mais eficiente e com melhores soluções sociais, inclusive até gera um efeito contrário em razão da necessidade de se criar mercado de trabalho para burocratas legais. Por outro...
Há anos, os empreendedores da área industrial tem se ressentido da falta de qualificação da mão-de-obra para o chão de fábrica. Vivemos uma dicotomia do enorme exército de desempregados contra a falta absoluta de profissionais qualificados nos diversos setores da indústria....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK