Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O horror da fome e a indiferença dos homens
 
O horror da fome e a indiferença dos homens
12/06/2021 as 13:17 h  Autor Rogério Baptistini Mend  Imprimir Imprimir
Fome é mais do que uma sensação. É uma desgraça que aflige os humanos que não tem o que comer, ingerem alimentos insuficientes para suprir as necessidades da vida. O resultado dela se mede socialmente e apenas os insensíveis não se indignam pelo fato de viver entre famélicos. Quando estes governam a sociedade, é mau sinal.

Na literatura, a fome foi retratada pelo escritor norueguês Knut Hamsun, em livro publicado no ano de 1890: Fome. Na obra do autor, agraciado com o prêmio Nobel em 1920, um jovem escritor em condições de miserabilidade na Europa da segunda revolução industrial, munido de um toco de lápis, escreve crônicas para jornais para sobreviver nas ruas, sem teto e desnutrido. Vidas Secas, do alagoano Graciliano Ramos, publicado em 1938, retrata a fome e a miséria no contexto do sertão nordestino, mostrando uma família pobre em retiro forçado pela seca e suas consequências.
 
A fome é um problema tão grave que é tratada desde a metade do século passado pela Organização das Nações Unidas, que criou em sua primeira sessão, no ano de 1945, a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês). Esta publica o Indicador de Segurança Alimentar, no qual o Brasil, somente neste século XXI, durante um curto período entre 2013 e 2017, deixou de figurar entre os países com mais de 5 % da população padecendo de insegurança alimentar grave, a fome. O que causa desconforto é que, entre os anos de 1930 até 1980 assombramos o mundo, construindo por sobre a herança colonial e escravocrata uma sociedade moderna, urbana e industrial; porém, excludente e desigual. Um capitalismo de vendedores, sob um arremedo de democracia política.

Na década de 1950, a FAO foi presidida pelo brasileiro Josué de Castro. Este, apesar de formado em medicina, se destacou por pesquisas sobre a fome e suas consequências. Com um dos seus livros, Geografia da fome, lançado em 1946, ajudou a combater preconceitos malthusianos que opunham quantidade de pessoas a oferta de recursos. Mostrou que interesses políticos e concentração de riquezas são as verdadeiras causas do flagelo alimentar que condena indivíduos e sociedades. Foi sua a ideia da criação de uma reserva internacional contra a fome. Seus direitos políticos foram cassados pelo Ato Institucional nº 1, editado pela junta militar que assumiu o governo brasileiro em 1964, mas não foi capaz de vencer a miséria que condenava o próprio povo.
 
Hoje, com a pandemia da covid-19, o cenário da fome é desalentador. O relatório Estado da segurança alimentar e nutrição no mundo (SOFI, na sigla em inglês), informa que na América Latina e Caribe são 47,7 milhões de pessoas atingidas pela fome. Até 2030, na América do Sul, a estimativa é que a fome atinja cerca de 36 milhões de pessoas. No Brasil, de acordo com pesquisa do núcleo Food for Justice, do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Freie Universität Berlin (IELA-FUB), da Alemanha, a insegurança alimentar atinge cerca 59,4% dos domicílios brasileiros, sendo que em 15% deles ela é grave, ou seja, conforme a classificação do IBGE: há uma ruptura nos padrões de alimentação resultantes da falta de alimentação entre todos os moradores. Há fome.

Mais do que objeto para a obra de literatos, a fome é uma calamidade que acomete as sociedades no Norte e no Sul, desenvolvidas e subdesenvolvidas. É escandaloso que autoridades públicas e donos do dinheiro não se manifestem em seu combate. É horrível que líderes eleitos em regimes democráticos, em sociedades políticas organizadas com a finalidade de promover o bem comum dos seus membros, não se dignem a enfrentá-la com vigor.

Por Rogério Baptistini Mendes é professor de sociologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img

img
RSS  Artigos Artigos

Hoje, 21 de setembro, mais uma vez, como indica a tradição, o primeiro discurso na Organizações das Nações Unidas (ONU) cabe ao Brasil e, por isso, novamente, o Presidente Jair Bolsonaro ocupou a tribuna para suas considerações. Antes, porém, de deslindar sua fala, cabe, ainda que breves, algumas poucas observações acerca da comitiva presidencial em solo norte-americano. O Prefeito de Nova York, Bill de Blasio, chegou...
O setor de educação vive um momento instigante. Com a pandemia, todo mundo fez o possível para se adaptar. No ensino privado, com mais recursos, houve uma corrida para preservar as atividades com a estruturação, relativamente rápida, de ambientes de aprendizagem...
A crise político-institucional brasileira assumiu contornos dramáticos a partir da assunção de Jair Bolsonaro à presidência da República, em 2019. Desde então, o país - que já experimentava os efeitos nefastos da deposição farsesca da presidenta Dilma Rousseff, em 2016, ao cabo de um processo de impeachment juridicamente forjado - afundou numa espiral interminável de atos insensatos e grotescos protagonizados pelo próprio...
Afora a celebração de caráter histórico – o 199º aniversário da Independência – viveremos nesse 7 de setembro a preocupação com o equilíbrio institucional. A querela entre Executivo e Judiciário, protagonizada pelo presidente da República e ministros do Supremo Tribunal Federal, e a...
A pele já não sente os beliscões. Ganhou camadas impermeáveis de insensibilidade. Não reage aos impactos externos, sejam beliscões ou amputações. Crise sanitária era uma gripezinha. Hoje, uma pandemia que mata cerca de 600 mil pessoas. Crise política? Ah, essa vem de lá dos corredores do...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK