Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O encontro de FHC e Lula: o que se pode esperar?
 
O encontro de FHC e Lula: o que se pode esperar?
21/05/2021 as 22:20 h  Autor Rodrigo Augusto Prando  Imprimir Imprimir
Enorme a repercussão, nesta sexta-feira (21/05/21), do encontro de Fernando Henrique Cardoso (FHC) e Lula por intermédio do ex-ministro Nelson Jobim. Segundo divulgado, no almoço foram discutidos temas afeitos ao Brasil, à democracia e à atuação do Governo Bolsonaro frente à pandemia.

Só os neófitos se espantam com essa aproximação, pessoal e política. Ambos - FHC e Lula - estiveram juntos em diversas ocasiões nas lutas pela reconquista da democracia e Lula apoiou a campanha de FHC para o Senado, em 1978. Ambos, contudo, distanciaram-se politicamente por conta de seus projetos pessoais e partidários, Lula como dirigente máximo do PT e FHC como fundador do PSDB. Numa das últimas declarações, FHC afirmou que, num eventual segundo turno contra Bolsonaro, votaria em Lula e isso não seria a primeira vez. É possível supor que tenha votado em Lula no segundo turno, em 1989, quando este concorreu com Collor. Com o impeachment instaurado e a renúncia de Collor, FHC ganhou evidência no Governo Itamar e, por isso, acabou, como Ministro da Fazenda, protagonizando a confecção do Plano Real. FHC ganhou de Lula em 1994 e em 1998, ambas vitórias no primeiro turno. Lula, depois, ganhou, no segundo turno, dos tucanos, contra José Serra e Geraldo Alckmin, em 2002 e 2006, respectivamente. E Lula, ainda, fez a sucessora, Dilma, em 2010 e 2014.

Não há, creio, processo de transmissão do poder mais democrático e com valores republicanos do que a passagem de FHC para Lula, em 2002. Por aposta política - e como uma das primeiras narrativas da fábrica lulopetista - construiu-se o termo "herança maldita" para caracterizar a Era FHC. O termo pegou a ponto de até mesmo os tucanos, em 2002 e 2006, esconderem FHC em suas campanhas. FHC ficou, por certo, com mágoas pela caracterização de seu governo como tendo legado uma herança maldita, mas entendia que era parte do jogo e, a cada pancada, devolvia com ironias e estocadas na direção dos petistas. E, quem diria, os petistas tiveram que se defrontar com a herança de Dilma, que, se não foi maldita, passa muito longe de ser bendita para o Brasil.

As redes sociais e parte dos jornalistas estão em polvorosa com o encontro dos dois maiores líderes políticos da Nova República. Há muita paixão e pouca razão em boa parte das reações. Muitos se perguntam: como FHC está ao lado de Lula que, até pouco tempo, estava preso? E, na esquerda, como Lula está ao lado daquele "neoliberal", da "privataria tucana"? A resposta é simples: a questão é política, simplesmente política.

Parte substancial dos atores políticos, mormente dos democratas, entendem que um mandato a mais de Bolsonaro poderá, efetivamente, colocar nossa democracia e instituições republicanas em risco de uma anomia e desintegração. Assim, a fala de FHC ganha sentido: votaria em Lula por entender que o adversário a ser vencido é Bolsonaro. Todavia, FHC ressaltou que votaria em Lula caso o seu partido, o PSDB, não consiga acessar o segundo turno de 2022. Obviamente, que o encontro e as declarações de FHC incomodaram o ninho tucano e isso não é novidade, também. FHC não está ativamente na vida partidária. É um dos intelectuais mais respeitados no mundo e, por isso, aos quase 90 anos, usa o farol alto e não desejos pessoais ou partidários. Alguns já asseveram que este encontro reordenará as forças bolsonaristas e que, por isso, PT e PSDB são iguais, farinhas do mesmo saco. A questão é que os bolsonaristas já dividiram a política em "nova" e "velha", aliás, como o lulopetismo já havia dividido entre "nós" e "eles". Para o bolsonarismo o Centrão, na campanha, era a "velha política"; mas, agora, na base do governo, é um conjunto impoluto de homens públicos que querem o bem do Brasil. O interessante é que Bolsonaro não consegue esconder o incômodo e acusa o golpe, afirmando, sobre o encontro: "um ladrão e um vagabundo". Bolsonaro e os seus já se deram conta que o projeto de poder está em risco e partirão para todo o tipo de ataque, sem dó, nem piedade.

A eleição de 2022 ainda está distante para o tempo da política, contudo, os movimentos já são evidentes e, no caso de Bolsonaro num segundo turno, talvez tenhamos conjugação da maior força de oposição, desde o Regime Militar, contra o projeto de poder bolsonarista. Política é diálogo, é a força do argumento contra o argumento da força.

Por Rodrigo Augusto Prando é professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK