Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > 13 de maio também é dia de comemoração
 
13 de maio também é dia de comemoração
13/05/2021 as 17:08 h  Autor Leopoldo Soares  Imprimir Imprimir
Há 133 anos, a Princesa Isabel assinava o Decreto de Abolição, o último ato de um longo período marcado pelo desgaste de um sistema contra o qual resistiram as pessoas negras, especialmente por meio do aquilombamento. Dados demográficos indicam ter havido um significativo decréscimo do número de pessoas escravizadas antes mesmo da abolição. No início dos anos de 1870, os escravizados representavam apenas 16% da população do Brasil. Pouco mais de uma década depois, quando da assinatura do Decreto, os escravizados eram apenas 5% da população brasileira.

Sem negar a importância das ações abolicionistas de uma elite social esclarecida, é preciso se contar um outro lado dessa história, para que também possamos comemorá-la. Não tenho dúvidas de que a resistência negra desgastou substancialmente o regime de escravização, tornando economicamente inviável o elevado investimento que se fazia na aquisição da pessoa negra, com a expectativa de que produzisse retorno por um longo período de tempo. As fugas seguidas da formação de quilombos, os suicídios e a acentuada queda de produtividade (que nos custou a equivocada fama do negro preguiçoso) levaram a elite agrária escravagista à conclusão de que o pagamento parcelado da mão-de-obra assalariada tornara anacrônica a escravidão.

Nesse contexto, em que não havia razoável dissenso acerca da necessidade de se adotar um novo modelo de produção, é que um célere processo legislativo resultou na singela lei de abolição, composta por dois únicos artigos (declarando extinto o regime de escravidão e revogando genericamente as disposições legais em contrário). A chamada Lei Áurea formalizou juridicamente o que já era um fato social e, principalmente, substituiu a violência coativa da força pela dominação econômica de uma classe de pessoas que, repentinamente, passaram a compor a grande massa de trabalhadores a disputar as vagas de emprego, num cruel leilão que jogava para baixo o valor da contraprestação salarial.

É a partir dessa breve reflexão que entendo a necessidade de comemorarmos o aniversário da abolição do regime de escravização de pessoas, ou seja, a oportunidade de resgatarmos a memória do que representou aquele dia da abolição, não apenas às pessoas negras, mas à formação cultural do Brasil. A resistência ao escravismo colonial está acertadamente associada ao aniversário da morte de Zumbi dos Palmares, em um dia 20 de novembro, o que não é motivo para que esqueçamos o 13 de maio. Isso porque as pessoas negras, ainda mobilizadas na busca de sua emancipação individual e social, atuam não apenas no campo social das ações, mas também transforam o sistema jurídico brasileiro, como o fizeram em 1888 e depois, na Assembleia Constituinte em 1987/88 ou na promulgação do Estatuto da Igualdade Racial, em 2010.

Por óbvio, é preciso continuar com a ressignificação do decreto de abolição, assim como é necessário lutar pelas titulações dos territórios quilombolas, pelo ensino efetivo da história da África nos componentes curriculares, pela superação do paradigma social que mata pessoas negras periféricas de forma sistemática, etc. É por isso que todos os símbolos dessa luta devem ser celebrados, mesmo que estejamos com os olhos mais voltados para o futuro, porque para frente é que se anda!

Por Leopoldo Soares é coordenador do curso de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK