Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Brasil asfixiado e sem vacinas conta seus mortos, e Bolsonaro se diverte... -
 
Brasil asfixiado e sem vacinas conta seus mortos, e Bolsonaro se diverte... -
31/01/2021 as 19:22 h  Autor Ricardo Kotscho  Imprimir Imprimir
Ao lado das imagens dos pacientes sem oxigênio morrendo asfixiados em Manaus, o que mais me chocou esta semana, exatamente pelo contraste, foi o ambiente festivo da churrascada oferecida por Jair Bolsonaro a seus cupinchas em Brasília.

Não sei se vocês repararam na cara de felicidade do nosso chanceler, Ernesto Araújo, quase em êxtase, puxando o coro de "Mito!" para o chefe e gargalhando quando ele começou a xingar os jornalistas, como se estivessem numa reunião do PCC nas quebradas do mundaréu, tão bem retratadas por Plínio Marcos.

O grande dramaturgo paulista também chocou a mais refinada alta sociedade brasileira, quando surgiu em plena ditadura, usando todos os palavrões conhecidos na época.

Agora, nada mais parece agredir os ouvidos da distinta plateia reunida na churrascaria e dos que assistiram ao vídeo publicado pelos filhos nas redes sociais com a grande performance escatológica do pai.

Naquele dia, o Brasil tinha passado da marca de 220 mil óbitos na pandemia, mas o presidente só queria falar das toneladas de leite condensado compradas pelo governo para alimentar as tropas.

Cercado de cantores sertanejos de segunda categoria e de outros artistas do mesmo nível, que gritavam "Mito!" junto com o chanceler, só gostaria de saber de uma coisa: o que mesmo eles estavam comemorando?

Seria a compra do Congresso, com cargos e dinheiro de emendas para a turma da pesada do Centrão, que segundo o Estadão custaram pelo menos R$ 3 bilhões aos cofres públicos?

Em suas andanças pelo país e no cercadinho do Alvorada, nos últimos dias, os mais dramáticos da pandemia até agora, o presidente agora aparece nas fotos sempre rindo ou mandando alguém para a ponta da praia, arrancando aplausos dos áulicos.

Dele já não se esperava nenhuma compaixão com as famílias dos mortos pela tragédia da covid-19, mas também não precisava tripudiar.

Dizer que o general Pazuello é "um grande gestor que está fazendo um excelente trabalho" é debochar dos parentes das vítimas de Manaus que não conseguem vaga nos hospitais.

Bolsonaro virou um pândego sem noção que desfila sua boçalidade em meio aos velórios de um país cujas instituições já não são capazes de dar um basta a esse desatinado.

Chamar o capitão de genocida já nem faz cócegas nele. É bem capaz de nem saber o significado da palavra.

Tenho-me recusado a reproduzir as sandices que ele fala diariamente. Como brasileiro, sinto vergonha por ter de chamá-lo de presidente.

Mas parece que agora tudo faz parte da paisagem no holocausto brasileiro naturalizado dia após dia.

Nada mais é capaz de nos indignar, como aconteceu com o povo alemão dos meus antepassados, esmagados pelas botas dos nazistas.

Pelas histórias que me contava, nem sei como minha mãe conseguiu sobreviver e ter cinco filhos (três deles natimortos, devido à sua fraqueza no pós-guerra).

Aqui nunca tivemos guerra nenhuma, a não ser do governo militar contra o seu próprio povo, como novamente está acontecendo agora, com os generais entrincheirados no Palácio do Planalto, e o capitão se divertindo, num país asfixiado e sem vacinas.

E, para consumar o massacre dos nossos direitos e conquistas sociais, do nosso meio ambiente, da educação, da saúde, da cultura, da soberania nacional, a alegre turma da churrascaria, que fez lembrar o Baile da Ilha Fiscal, nos estertores do Império, só pensa na reeleição. O resto que se dane.

Alguma coisa não deu certo nessa República proclamada pelos militares, que nunca admitiram deixar o poder, desde Deodoro da Fonseca.

De marechais e generais mandando no Brasil, agora chegamos a um tenente reformado como capitão, aos 33 anos, ao ser afastado do Exército, deputado medíocre, um "boca de conflito", que nunca fez nada de bom pelo país, defensor de ditadores e torturadores, um produto da Operação Lava Jato, que iniciou o processo de destruição do sistema político e da indústria brasileira.

Estamos virando uma fazenda de commodities, um grande acampamento, voltando à época da colonização, em que se matavam índios para ampliar os domínios, e depois importavam negros escravos para fazer o serviço.

Como a minha mãe, os índios sobreviveram, mas estão sendo dizimados, e o trabalho escravo incorporou outras raças, no campo e nas cidades, como o Jornal Nacional mostrou ainda esta semana.

Era esse "o Brasil que queremos"?, o tema da série do JN durante toda a campanha eleitoral, que nos levou à "difícil escolha" entre a civilização e a barbárie.

Se não reagirmos a tempo, a história poderá se repetir em 2022, como mostram as últimas pesquisas.

Resta saber quantos de nós sobreviveremos até lá para impedir que isso aconteça.

Eu já estou velho, mas espero que minhas filhas e netos não tenham que enfrentar o mesmo drama de minha mãe para lutar pela sobrevivência.

Não precisava ser assim.

Apenas cinco ou seis anos atrás, antes da Lava Jato, o Brasil era um país com pleno emprego, muita esperança e orgulho, admirado e respeitado pelo mundo.

Foi tudo muito rápido. A quem interessava destruir o país do Pré-sal, da Embraer, da Embrapa, do Ibama, da indústria automobilística, das energias alternativas, das novas universidades e tecnologias, do Bolsa Família elogiado pelo mundo inteiro e do Minha Casa Minha Vida, um país altivo que saiu do Mapa da Fome, para onde agora voltou?

Talvez aí se encontre uma explicação. Isso não pode ter sido coisa só de brasileiros. O FBI que o diga.

Vida que segue.




Por Ricardo Kotscho, colunista do UOL
Fonte: https://noticias.uol.com.br/

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK