Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > “Pensar e gerar um mundo aberto”
 
“Pensar e gerar um mundo aberto”
31/12/2020 as 12:45 h  Autor Lino Rampazzo  Imprimir Imprimir
Há algumas semanas recebemos uma significativa mensagem de paz e de fraternidade. Trata-se da encíclica “Fratelli tutti’ (todos irmãos), do Papa Francisco, “sobre a fraternidade e a amizade social”. O documento está dividido em oito capítulos, sendo o primeiro “as sombras de um mundo fechado”. Quais são essas sombras?
 
Eis uma triste “lista”: o egoísmo, a falta de interesse pelo bem comum; a prevalência de uma lógica de mercado baseada no lucro e na cultura do descarte; o desemprego, o racismo, a pobreza; a desigualdade de direitos e as suas aberrações, como a escravatura, o tráfico de pessoas, as mulheres subjugadas e depois forçadas a abortar, o tráfico de órgãos...
 
Mais especificamente esse capítulo fala de “sonhos desfeitos em pedaços”. Quais foram os “sonhos”? Durante décadas, pareceu que o mundo tinha aprendido com tantas guerras e fracassos e, lentamente, ia caminhando para variadas formas de integração. Pense-se no sonho de uma Europa unida, capaz de reconhecer raízes comuns e regozijar-se com a diversidade que a habita; ou no anseio duma integração latino-americana (N. 10).
 
Mas no mundo atual, esmorecem os sentimentos de pertença à mesma humanidade. Reina uma indiferença acomodada, fria e globalizada, filha duma profunda desilusão que se esconde por detrás desta ilusão enganadora: considerar que podemos ser onipotentes e esquecer que nos encontramos todos no mesmo barco (n. 30).
 
O livro do Eclesiastes afirma que “nada há de novo debaixo do sol” (1,9). Nesse sentido, podemos recorrer à história, que nos ensina sobre a época em que viveu São Francisco de Assis (1181-1226). Similarmente havia muitas divisões, inclusive uma guerra de cristãos contra islâmicos: a “quinta cruzada” (1217-1221). Mas o santo escolheu um caminho diferente. Eis como o Papa Francisco relata esse fato na encíclica citada:

“Na vida de São Francisco, há um episódio que nos mostra o seu coração sem fronteiras, capaz de superar as distâncias de proveniência, nacionalidade, cor ou religião: é a sua visita ao Sultão Malik-al-Kamil, no Egito. A mesma exigiu dele um grande esforço, devido à sua pobreza, aos poucos recursos que possuía, à distância e às diferenças de língua, cultura e religião. Aquela viagem, num momento histórico marcado pelas Cruzadas, demonstrava ainda mais a grandeza do amor que queria viver, desejoso de abraçar a todos....Sem ignorar as dificuldades e perigos, São Francisco foi ao encontro do Sultão com a mesma atitude que pedia aos seus discípulos: sem negar a própria identidade, quando estiverdes ‘entre sarracenos e outros infiéis (...), não façais litígios nem contendas, mas sede submissos a toda a criatura humana por amor de Deus’. No contexto de então, era um pedido extraordinário. É impressionante que, há oitocentos anos, Francisco recomende evitar toda a forma de agressão ou contenda e também viver uma ‘submissão’ humilde e fraterna, mesmo com quem não partilhasse a sua fé” (N. 3).

Com esse mesmo espírito, num dos seus escritos, São Francisco criou a expressão “Fratelli tutti” (todos irmãos) para propor uma forma de vida com “sabor a Evangelho”. E o Papa Francisco intitulou a encíclica com essa expressão de São Francisco, dirigindo-se a todos os homens de boa vontade, para “fazer renascer, entre todos, um anseio mundial de fraternidade” (N. 8).

A partir da parábola do Bom Samaritano, o Papa afirma que “o amor constrói pontes e nós somos feitos para o amor". Por isso precisa “pensar e gerar um mundo aberto", promovendo a "cultura do encontro", aberto ao mundo inteiro, inclusive aos migrantes, desenvolvendo uma “política melhor”, que representa uma das formas mais preciosas da caridade, porque está a serviço do bem comum e conhece a importância do povo.

O Papa chega até a citar um brasileiro, o poeta e cantor Vinícius de Moraes quando, no “Samba da Bênção”, afirma que "a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida” (N. 205). E nos percursos de um encontro, o Papa sublinha que a paz é "proativa" e visa formar uma sociedade baseada no serviço aos outros e na busca da reconciliação e do desenvolvimento mútuo, até valorizando o perdão. Perdão, ele esclarece, não significa impunidade, mas justiça e memória, porque perdoar não significa esquecer, mas renunciar à força destrutiva do mal e da vingança. A encíclica termina mostrando que as Religiões devem colocar-se a “serviço da fraternidade no mundo".

Os cristãos, juntamente com todos os homens de boa vontade, são chamados a construir um mundo diferente, que supere as divisões políticas, sociais, econômicas, religiosas e culturais.




Por Lino Rampazzo é doutor em Teologia e Coordenador do Curso de Teologia da Faculdade Canção Nova (Cachoeira Paulista-SP).

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK