Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A linguagem é a nossa única chance de liberdade
 
A linguagem é a nossa única chance de liberdade
27/11/2020 as 19:09 h  Autor Gustavo Conde  Imprimir Imprimir

A massificação do sentido e da produção do sentido nas redes sociais instalou uma nova e mais complexa gramática que não aceita simplificações convencionais.

A humanidade está em seu momento “fracasso total”. São vacinas que dão errado por imperícia e pressa, é a desorientação social generalizada em função de pandemia, é o racismo explícito seguido de sua negação, é a ausência geral e definitiva de lideranças globais, são eleições inconclusas por protocolos eleitorais obsoletos, são genocídios que se multiplicam, é o ataque final ao meio ambiente, a depredação das já precarizadas instituições, a delinquência judicial, o sucateamento dramático da interpretação de texto… É o ‘jornalismo’ – essa palavra surrada – em seu pior e mais degradado momento.

Não são fatos isolados.

E o que une todos eles?

A linguagem.

A linguagem humana chegou ao seu momento de colapso. A massificação do sentido e da produção do sentido nas redes sociais instalou uma nova e mais complexa gramática que não aceita simplificações convencionais.

A língua explodiu.

Ela, ao mesmo tempo, estilhaça e afunila os domínios da fala. Ao mesmo tempo, democratiza e concentra o controle do dizer. É a era dos contrários, das dicotomias, das aporias. Trata-se de um processo novo de experiência do discurso e dos sentidos para o qual a nossa subjetividade historicamente insegura – estruturalmente insegura – ainda não está preparada – e/ou sequer cogita transitar em terreno tão desconhecido: tem medo, repulsa e preguiça.

Bolsonaro e Trump não são um fenômeno: são um sintoma.

A humanidade fetichizou tanto o imaginário em torno de sua extinção e autodestruição, que, agora, se vê paralisada – semanticamente paralisada – diante da destruição do planeta e si própria.

A língua, domesticada séculos a fio, não tem repertório gramatical suficiente para enfrentar o desafio de traduzir seu próprio tempo e colapso. Estamos todos “dopados” diante da devastação do planeta, com pílulas fragilíssimas de resiliência localizada – em geral, movimentos sociais que são esmagados pela polícia, pelos governos e pela imprensa.

O que fazer?

Recorrer à ciência da linguagem é a única saída – aliada a uma explosão das manifestações artísticas. É preciso reiventar a metalinguagem. É preciso perder o medo da ressignificação. É preciso superar as concepções obsoletas de língua e de subjetividade. É preciso ‘desanimalizar’ o ser humano. É preciso desencadear um processo massivo de ressignificação das dimensões simbólicas que, até aqui, regeram o nosso fracasso enquanto civilização, ‘justiça’ e ‘democracia’ à frente.

Essas palavras foram tão violentadas pelas hostes animalizadas da linguagem cativa que agonizam no solo sangrento do espancamento público inconsciente. Não há semântica tradicional que dê jeito. Tais significantes estão rigorosamente condenados, precisam de um recall não apenas simbólico, mas formal e estético.

É daí – desse cansaço gramatical – que advém o fascismo, com seu deboche, com seu ódio e com seu galope brutalizado e triunfal sobre os escombros de corpos e memórias estirados no chão.

A língua humana, a mais humanizada das dimensões, o vetor que nos torna humanos, a condição única de identificação da espécie, já foi negligenciada demais enquanto origem de nossas pulsões de vida e de morte – negligenciar estratégico, correspondente às moendas perpetuadoras de poder, ferramentas sofisticadas mais conhecidas como ‘neoliberalismo’.

A linguagem é a nossa única chance de liberdade. Ela é sinônimo de liberdade.

Que não se fulanize sua delicadeza estrutural, sua dimensão quase mística de significação subjetiva, que não se a simplifique em nome do bom comportamento social, que não se a mate para sobreviver precariamente à violência paralisante dos dessubjetivados, esse amargo efeito colateral semeado pela atividade simbólica.

É na língua que nos re-encontraremos. É na língua que as identidades nos tomarão de volta para um mundo minimamente passível de contemplação e codificação.

É a língua, enquanto protagonista de todo o processo, que responde por nossa possibilidade de futuro.




Por Gustavo Conde, linguística

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
Nesse próximo sábado (27/11), a live no canal de Ananda Lima, será sobre a Literatura em Formosa do Rio Preto.
Os convidados são os escritores, Eromar Bonfim, Evadson Maciel e Arnone Santiago.
Todos falarão de suas obras publicadas e como a literatura influência em sua condição humana.
Conheça um pouco da potência criadora da região Oeste.
*****
Acesse o canal de Ananda Lima (https://youtu.be/zIPXxy4U1SI) e acompanhe essa e outras discussões que ocorrem todos os sábados, às 18 horas.
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK