Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Voto é interesse. Não é direito, nem dever....
 
Voto é interesse. Não é direito, nem dever....
21/09/2020 as 11:32 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Desde o último dia 16, quarta-feira, os mais de 5600 municípios brasileiros já conhecem os homens e mulheres que pretendem governá-los ou ser vereadores entre 01/01/2021 e 31/12/2025. Terminou o prazo para os partidos apresentarem seus candidatos. No dia 27, os postulantes já poderão fazer propaganda pela internet, comitês e no corpo-a-corpo, respeitadas as limitações impostas pelo combate à Covid 19. E, a partir do dia 9 de outubro, estará no ar a propaganda gratuita no rádio e na televisão. Por esses meios, seremos informados sobre quem pede nosso voto.

Por conta das mazelas descobertas no seio dos governos e do mundo legislativo – muitas delas transformadas em processo, condenações e até cadeia para os agentes públicos – o cidadão comum desenvolveu uma certa aversão aos políticos. Isso é ruim porque a eleição é o único dia, a cada quatro anos, em que o cidadão pode interferir nos destinos do seu município, estado e do país. E o faz votando naqueles que lhes pareçam com melhores condições e propostas para o exercício da função pública. Quem abre mão disso está renunciando ao seu direito de participar e fica moralmente impedido de criticar o que não der certo. Por isso, é importante participar.

O desencanto com os políticos leva à discussão sobre o voto como direito ou obrigação. Na nossa modesta opinião, não é direito e nem obrigação, embora a lei eleitoral brasileira penalize com multa quem não comparece às urnas. Numa análise mais firme, o voto é o interesse do cidadão. É através dele que conduzimos os candidatos de nossa preferência para governar e legislar. Quem não vota fica à margem do processo e, teoricamente, tem de aceitar o escolhido pelo outros (que votaram). Se sentir-se de alguma forma decepcionado com o candidato escolhido, o eleitor tem a alternativa de, na próxima eleição, não votar mais nele e nem em quem ele aconselhar.

No dia que o eleitor acabar com a inculta posição de odiar os políticos e por isso não participar do processo eleitoral, a tendência é que tudo melhore. Os políticos deixarão os maus costumes na certeza de que, se continuarem errantes, serão colocados fora nas próximas eleições, e o próprio eleitorado ficará mais satisfeito. O eleitor também deve se precaver com as aves de rapina da política, indivíduos que já foram cassados, estão inelegíveis, mas fazem campanhas para outros que, por analogia, podem ser tão corruptos como eles próprios mas ainda não tiveram o mau costume identificado. No meio político costuma-se dizer que quem não gosta de política tem de se conformar com a idéia de ser governado pelos eleitos por quem gosta (de política). Apesar das decepções vividas, é bom lembrar que os maus políticos só prosperam porque o eleitor não presta atenção às suas atividades. Este país só será próspero e justo no dia em que todo cidadão, além de cumprir o que as leis e códigos lhes impõem, manter-se atendo ao que fazem os políticos e, com isso, exercer o direito de cobrança aos malfeitos, mesmo que isso seja possível no dia das eleições. Por isso é que consideramos que o voto não é obrigação e nem direito, mas real interesse de todo cidadão, de sua família e da comunidade...
 


Por Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK