Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Eleições municipais, pandemia e criatividade nas campanhas
 
Eleições municipais, pandemia e criatividade nas campanhas
21/09/2020 as 11:20 h  Autor Rodrigo Augusto Prando  Imprimir Imprimir
Teremos, neste pleito que se avizinha, uma eleição atípica, ocasionada, obviamente, pela presença de uma pandemia que, desde março, nos obrigou a graus distintos de distanciamento social. Elegeremos cerca de 5.570 prefeitos e 57.930 vereadores. Eleições são festas cívicas da democracia, a escolha dos políticos por meio do voto, mas, jamais, pode-se reduzir a vida democrática apenas às eleições.

Será um período desafiador para os candidatos - a prefeitos e vereadores - que terão 45 dias para realizar suas campanhas. Até 2016, eram 90 dias, portanto, a covid-19 não suprimiu os dias de campanha, mas alterou as datas da votação, pois o primeiro turno será em 15 de novembro e, para os municípios que tiverem segundo turno, a ida à urna será em 29 de novembro.

A pandemia e a consequente necessidade de evitar aglomerações e manter o devido distanciamento social, imporá desafios extras aos candidatos. Especialmente nas eleições municipais, o contato do candidato com o eleitor é bem próximo, cujos apertos de mãos, abraços, tapinhas nas costas, fotos com correligionários e eleitores, crianças nos colo, enfim, uma intensa agenda de eventos e reuniões públicas são parte de nossa cultura política. A emoção e a razão compõem o roteiro das interações físicas e simbólicas no universo eleitoral.

Neste ano, candidatos e suas equipes de marketing político e eleitoral deverão se desdobrar para chegar com suas mensagens até o eleitorado. Claro que aqueles que buscam a reeleição partem de um patamar superior, tendo uma vantagem competitiva em relação aos adversários, pois já são conhecidos e costumam ter a máquina pública a seu favor.

Da mesma forma, os candidatos "celebridades" (atores, apresentadores de televisão, esportistas, youtubers, etc.) não necessitam de grandes esforços para se tornarem conhecidos em relação à grande massa dos demais adversários. Mesmo os que não estão disputando a reeleição ou que sejam celebridades, mas que há tempos estão presentes nas redes sociais e interagem constantemente com seus seguidores apresentam diferenciais que lhes dão vantagens. Candidatos que se posicionam e interagem bem e nas mais variadas plataformas são capazes de apresentar uma comunicação mais assertiva, direta e clara com o público. Escrever e falar bem são ferramentas fundamentais para um político, bem como ser capaz de dialogar, respeitar profundamente a democracia e os princípios republicanos.

Mais do que pedir voto, o candidato deverá ter sua narrativa, contar sua história, indicar o porquê de ser merecedor do voto e da confiança do cidadão. Esses candidatos a prefeitos e vereadores têm uma trajetória e esta não pode ser desconsiderada. Quem é o candidato? Quais suas realizações na vida privada ou pública? Faz parte ativa da comunidade? Quais são os temas ou bandeiras que defendem? É neófito na política ou já está nela há décadas? E fundamental: é ficha limpa? Tem conduta ilibada? Outro aspecto que merece atenção nas eleições é a equipe do candidato, já que uma campanha política vitoriosa depende, geralmente, de um bom time. Há que se considerar, na formulação da equipe, o especialista em marketing político e marketing digital (este, em tempos de pandemia, é indispensável para produção de conteúdo e gestão das redes sociais), o jornalista e assessor de imprensa, advogado especialista em Direito Eleitoral, os pesquisadores que gerarão e interpretarão dados quantitativos e qualitativos e, mais importante, os militantes que se engajarão na campanha, por acreditarem no candidato e em sua mensagem. Um político incapaz de gerenciar uma boa equipe não será capaz de, no exercício do mandato, apresentar a liderança necessária e uma boa performance. As equipes de campanha - enxutas ou amplas - devem ser alicerçadas sobre conhecimento profissional e, especialmente num cenário de crise de saúde e de crise econômica, apresentar criatividade para firmar a imagem e a narrativa do candidato.

Você, leitor e leitora, será candidato? Pensou nisso tudo? E você, eleitor e eleitora, está preparado para avaliar criticamente aqueles que lhe pedirão o voto? Votar é fundamental, mas a cidadania não se limita e nem se encerra nas eleições; a cidadania ativa implica em acompanhar e cobrar o político eleito, participar da vida cívica e, principalmente, entender que vereadores e prefeitos devem servir ao público e, jamais, se servir daquilo que é público.

Por Rodrigo Augusto Prando é professor e pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie, do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp de Araraquara.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK