Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Anistia, indenização e pensão, até quando?
 
Anistia, indenização e pensão, até quando?
19/12/2019 as 19:44 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
No seu primeiro ano, o governo Bolsonaro endureceu na concessão de infenizações a anistiados, a chamada “bolsa ditadura”. A Comissão da Anistia indeferiu 85% dos 2.717 pedidos analisados; mesmo assim, aprovou 388 onde foi encontrado fundamento para o benefício. Criado em 2001, sob o governo de Fernando Henrique Cardoso, o benefício foi concedido a 2970 anistiados naquele ano e a 3706 em 2002. Saltou para 13.237 em 2003 (primeiro ano de Lula), 9510 em 2004, 1956 em 2005, 2199 em 2006, 3047 em 2007, 1205 em 2008 e menos de mil nos anos seguintes até que em 2015 o TCU (Tribunal de Contas da União) fez novas exigências, inclusive quanto à transparência, derrubando o número de concessões para 5 naquele ano, 2 em 2017 e zero em 2016 e 2018.

Estima-se que o Brasil já tenha empregado R$ 10 bilhões no pagamento de compensações pela anistia aos ditos perseguidos políticos. São 39.370 pessoas que se classificam como perseguidas nos governos militares. Entre elas figuras “vip” da política nacional, que abocanharam indenizações milionárias ou recebem pensões que, aos olhos do cidadão comum, são exageradas e desproporcionais. Além de perdoar os que, de alguma forma, subverteram a ordem no passado, o contribuinte acabou condenado a sustentá-los e, até, enriquecê-los ao mesmo tempo em que o governo opera em déficit e, por falta ou má distribuição de recursos, negligencia obrigações como Saúde, Educação, Segurança Pública e outras. A reintegração à vida do país, salvo melhor juízo, já seria o suficiente para que cada um dos insurgentes voltasse às atividades e, pelo trabalho, à vida normal. Indenização só deveria se admitir na forma humanitária, em importância módica, a mutilados e inválidos, para lhes garantir o mínimo de recursos de subsistência. Jamais a quem pode trabalhar e, até, assumir a chefia do governo.

Já se vão 40 anos da Lei da Anistia, que vigorou em 28 de agosto de 1979. As pensões e indenizações foram instituídas em 2001. Passado tanto tempo, não há razão para continuar engrossando a fila de perseguidos ou anistiados indenizáveis. Considerável parte dos dissidentes de então já está morta e os demais tiveram o espaço de quatro décadas, onde podiam ter trabalhado, contribuído para a previdência e aposentado, como faz qualquer brasileiro. A existência, ainda, de 74,5 mil pedidos de indenização, é inaceitável. Até quando a população pagadora de impostos terá que seguir sustentando os que, no passado, ousaram conspirar? Se o fizeram foi por conta e risco próprios, e a sociedade nada lhes deve...
 


Por Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)  - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK