Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O suicídio e a morte da dor
 
O suicídio e a morte da dor
16/09/2019 as 09:25 h  Autor Padre Ezequiel Dal Pozzo  Imprimir Imprimir
Muitas vezes pensamos que o dinheiro é o que importa na vida. Um palestrante contou em sua palestra: “Às vezes, nos iludimos pensando que os filhos de milionários são muito ricos e felizes. Certo dia recebi um telefonema de um empresário, dono de grande empresa, onde eu havia dado consultoria e me falou que o filho dele de 23 anos havia morrido. Estava viajando e não pude ir ao enterro. Ao retornar da viagem fui visitar a família e participei de um ritual judeu onde se celebra durante sete dias depois da morte. Quando estava indo embora o irmão mais velho chegou a mim e disse que encontrara a agenda do seu irmão onde viu que estava marcada uma reunião comigo, na semana seguinte a sua morte, de orientação de carreira. Pensou que se o irmão tivesse conversado comigo, tudo poderia ter sido diferente.  Perguntei a causa da morte do irmão e ele me falou com os olhos cheios de lágrimas que havia sido suicídio. O rapaz que parecia saudável  se jogou do prédio.

Não consegui trabalhar naquele dia, pois fiquei em choque. Pensava sobre a vida e sobre os rumos que ela pode tomar quando na vida temos tudo, menos amor, tempo, atenção e cuidado. Os pais daquele jovem se dedicaram para construir um império. Provavelmente não tiverem tempo para a família, para estar perto dos filhos, para perceber suas reais necessidades. Certamente a necessidade maior não era dinheiro, mas era sim consolo da alma, superação da angústia. O dinheiro não supre o afeto. Eles sempre tiveram um estilo de vida caro, rico em presentes, mas muito pobre em tempo”.
 
Caro leitor, essa pequena história já tem a sua lição. Naturalmente que não dá pra jogar a responsabilidade do suicídio sobre os pais. A vida é tarefa de cada um. Esse filho, embora dentro desse contexto, não teria razão para fazer isso. Nenhuma razão é razoável para o suicídio. A pessoa que desiste de viver, desiste de sua dor. Não precisamos jogar nos outros a culpa e nem em quem comete. Se os outros são culpados, também aquele que se suicida mostra sua fraqueza.  O que dá para dizer é que nós podemos aprender com tudo. A vida é bonita e pode ser vivida com qualidade. Trabalhar, ganhar dinheiro, evoluir, ter sucesso, tudo é legitimo, quando regado pelo amor. O mundo precisa de mais amor. As famílias podem dedicar mais tempo para que o amor não falte. Pode até faltar outras coisas, mas amor é o que dá sabor e alegria à vida.

Padre Ezequiel Dal Pozzo
contato@padreezequiel.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK