Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Realinhar universidade e comunidade
 
Realinhar universidade e comunidade
19/08/2019 as 13:47 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Por mais incômodo que pareçam aos integrantes da comunidade acadêmica, é interessante o novo formato que o governo federal pretende implantar para o custeio das universidades. Privilegiar com mais recursos aquelas que apresentam melhor desempenho em indicadores como governança, inovação e empregabilidade, pode significar levá-las ao encontro da sociedade que, via impostos, as sustentam. É a forma de devolver à comunidade os investimentos, através de mão-de-obra qualificada e serviços que alavanquem o progresso e tornem melhor a vida de cidadão. Necessário se faz, ainda, atualizar os currículos e matérias de acordo com as necessidades do mundo globalizado. Certos saberes hoje cultivados são muito específicos, acabaram perdendo o interesse geral e devem ser substituídos por novas demandas, especialmente as do campo tecnológico.

Há muito se critica o divórcio entre universidade e comunidade. Diz-se que a realidade vivida e transmitida ao alunado dentro dos campi normalmente não condiz com a da sociedade onde estão inseridos e que um enorme fosso impede que se aproximem e possam interagir e melhorar o quadro geral, principal razão de criação das escolas. Por mais mirabolantes e revolucionárias que sejam as pesquisas e os saberes contidos no ambiente universitário, eles pouco valerão se não tiverem como destinatários o desenvolvimento do país e o bem-estar da população. Quando não têm essa ligação, servem apenas alimentar a vaidade e crescer o umbigo de seus operadores em, ainda, consomem os recursos que melhor poderiam ser aplicados na solução de problemas comunitários.

A universidade é necessária. Foi dela que saiu boa parte dos homens e mulheres que fizeram e ainda fazem a diferença nos importantes setores da sociedade. Desde o seu princípio, o alunado teve algum tipo de participação política, mas as instituições não se descuidavam do principal: o ensino e a qualificação. Nos momentos de supervalorização democrática – onde tudo se dizia resolver com democracia – ocorreram as distorções e muitas instituições restaram aparelhadas ideologicamente e até perderam de vista a verdadeira finalidade educativa. Serviram, inclusive, para acomodar militantes que pouco ou nada produziram para a educação e o ensino. Daí a crise tornou-se inevitável e se agravou quando os governos deixaram de investir no ensino básico e médio pra priorizar a universidade, mesmo que inviáveis.

Hoje a grande tarefa é promover o reencontro da finalidade de ensino com as necessidades da comunidade, além de evitar que a atividade política, em vez de simplesmente trazer consciência crítica aos alunos, ocupe o lugar do ensino. É preciso parar com a formação de militantes em lugar de advogados, engenheiros, médicos, professores e outros profissionais que o mercado necessita.  
 


Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK