Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O perdão me liberta do poder negativo do outro sobre mim
 
O perdão me liberta do poder negativo do outro sobre mim
08/04/2019 as 09:46 h  Autor Padre Ezequiel Dal Pozzo  Imprimir Imprimir
A reconciliação é uma realidade que indica a possibilidade de um novo entendimento com a pessoa que me feriu. O perdão me liberta da energia negativa dessa pessoa. Se eu não perdoar, quem me feriu continua tendo força sobre mim, sobre meus pensamentos e emoções. Nesse sentido, o perdão é libertador. Se eu disser: “eu não perdoo aquela pessoa”, então, ela ainda está me ferindo, porque a carrego nos pensamentos. Nisso eu estou autorizando a pessoa a continuar tendo uma carga negativa sobre mim.

Dizendo que eu não vou perdoar e que quero ver essa pessoa pagando o que fez, eu estou dando poder à outra pessoa sobre mim. E claro, eu não quero dar esse poder a pessoa que me feriu. Por isso, preciso largar a pessoa e o ferimento. Não vou carregá-la em meus pensamentos sentindo raiva dela, querendo que pague o que fez. Essa lógica de largar, de perdoar, de deixar a outra pessoa viver, não é comum numa mentalidade “olho por olho, dente por dente”.

Quando perdoo, eu me liberto do poder negativo que o outro tem sobre mim. O perdão é, por isso, algo de Deus. Não perdoar é manter viva a relação conflituosa e a maldade. A maldade sempre vai ferir o coração, produzir dor. E nós não queremos a dor. Por isso, além de uma atitude amorosa e de Deus, perdoar significa um ato de inteligência, de sabedoria. Eu ganho perdoando. Se não perdoar a ferida permanece viva. Continuo mexendo nessa ferida e ela dói. O perdão é a libertação do poder da outra pessoa, eu entrego a ferida, eu a deixo para ela, livro-me disso, solto as amarras que sempre me fazem girar em torno da ferida. O perdão faz parte da higiene da alma e ele é sempre possível mesmo que aconteça após um longo e doloroso processo.

O processo é mais uma palavra importante dentro disso. A vida é um dia depois do outro. Ela é processo. Os ferimentos profundos não conseguem ser perdoados de um dia pro outro. É preciso assumir o processo, que pode ser lento. Pode ser que eu demore um mês, um ano, dois ou mais, para perdoar. O que não posso, e não é inteligente, é dizer que eu não vou perdoar. Claro, perdão significa também manter uma distância salutar com a pessoa que me feriu. Pode ser um amigo, alguém da família, colega de trabalho ou outra pessoa. Por isso, o perdão é uma realidade que acontece dentro de mim. Eu me liberto, eu me livro daquilo que a pessoa me fez e assim a outra já não tem o poder destruidor sobre mim.




Por Padre Ezequiel Dal Pozzo
contato@padreezequiel.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK