Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O que acontece no STF?
 
O que acontece no STF?
20/03/2019 as 08:54 h  Autor Alberto Rollo  Imprimir Imprimir
O Supremo Tribunal Federal encerrou a última quinta-feira, 14 de março, com mais um julgamento importante e que deverá causar impacto na sociedade. Muito embora a discussão seja sobre um caso concreto, o pano de fundo é a discussão sobre a competência da Justiça Eleitoral para julgar os chamados crimes conexos com as eleições, por exemplo, a corrupção passiva, a lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e a corrupção de um modo geral.

Importante destacar que a competência para julgamento de crimes, por parte da Justiça Eleitoral, está expressamente prevista no Código Eleitoral, art. 35, inciso II, que dispõe ser da competência dos juízes eleitorais (portanto da Justiça Eleitoral): processar e julgar os crimes eleitorais e os comuns que lhe forem conexos, ressalvada a competência originária do Tribunal Superior e dos Tribunais Regionais.

Mas não é só. Também o Código de Processo Penal define a competência da justiça especializada sobre a da justiça comum, como dispõe o artigo 78, inciso IV: no concurso entre a jurisdição comum e a especial, esta prevalecerá.
Ou seja: até onde se aplica o direito expresso, não podem existir dúvidas acerca da competência da Justiça Eleitoral.

As críticas infundadas, apressadas e, por isso, exageradas, são facilmente descontruídas: a Lava Jato também não tinha, no início dos trabalhos, a estrutura que tem hoje. Isso foi conseguido com investimentos materiais e de pessoal, reconhecendo-se o excelente trabalho e importância dele. Ou seja, a questão da estrutura da Justiça Eleitoral também se resolve assim.

É da Constituição Federal a forma de composição da Justiça Eleitoral. Reconheço que a participação de Advogados nesta composição, alçados à condição de julgadores, por tempo certo (mandato), merece análises profundas nos tempos atuais, mas, sem qualquer dúvida, não é por esta razão que a Justiça Eleitoral deve ser extinta ou seja menos séria. Afirmar isso é não reconhecer o importantíssimo trabalho desempenhado pela Justiça Eleitoral, com este tipo de composição, ao longo das últimas décadas.

Justiça Eleitoral só existe no Brasil. Primeiramente, isso não é verdade, mas, ainda que fosse, o Brasil também não tem Donald Trump, e a vida segue. A Justiça Eleitoral é a única responsável por todo o cadastro de eleitores, organizando-o e mantendo-o; pela convocação e instrução de mesários para os trabalhos eleitorais; por julgar quem é ficha limpa ou não; por cassar os mandatos daqueles que não agem corretamente; manter a inviolabilidade da urna eletrônica (me convenci de que é 100% segura); dentre outras funções.

Se essas atribuições fossem repassadas para a Justiça Federal ou Estadual, por exemplo, a crítica logo viria no sentido de que estes ramos não estão preparados, nem têm competência técnica para o desempenho destas missões.

Também sobre a impunidade, prescrições e anulação de sentenças, é importante lembrar que a Justiça Eleitoral é uma das mais céleres e rápidas do Brasil, basta analisar os números, quantidade e duração dos processos. Um processo isolado não pode ser tomado como exemplo. Eventual anulação de sentença deve ser creditada a quem ofereceu denúncia e/ou julgou processo onde não devia atuar.

Se havia dúvida (e para mim, não há), conflito de competência deveria ter sido suscitado no momento oportuno, antes do resultado que agora se teme seja anulado.

Muito simples e dentro das regras do Direito expresso e não do “achismo”.

Ora, o que cansa é ter que ouvir, assistir e ler afirmações daqueles que não pensam como eu, não entende as normas como eu entendo, que não é meu colega de concurso, não presta como eu, não é sério como eu, ou sabota a Lava Jato.

Ninguém é dono da verdade. Viva a democracia e seu sistema de freios e contrapesos.

Alberto Rollo é advogado e professor de Direito Eleitoral da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Está disponível para entrevistas.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK