Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Proclamação: um ato contínuo
 
Proclamação: um ato contínuo
04/01/2019 as 18:28 h  Autor Christian Moreira de Souza  Imprimir Imprimir
A cada ano, no dia 15 de novembro, rememoramos em nosso calendário civil, a proclamação da República no Brasil, que encerrou o tempo dos reis e nobres, e inaugurou o tempo dos políticos e de suas articulações. A monarquia era, à época, responsabilizada por todas as crises que o país atravessava e a república seria vinculada ao progresso, à prosperidade, ao futuro que todos almejavam. Mas, o que seria essa tal República?

Para entendermos a República, partirmos do significado etimológico. República vem do latim: res publica. “coisa pública” “que pertence ao povo”. Portanto, no regime republicano, o aspecto central é o interesse da comunidade, comum a todos, em detrimento dos interesses individuais e dos negócios particulares. Sendo assim, não se afina à monarquia (interesse de um), não se alinha à aristocracia (interesse de alguns), nem mesmo à democracia (interesse do povo). A república volta-se para a finalidade do governo, que é o bem comum.

No Brasil, a República foi implantada sem a participação, o engajamento ou mesmo a ciência do povo, se evidenciando como uma ação conjugada entre setores do exército e de uma elite em formação, vinculada a setores cafeicultores do Oeste Paulista. Este aspecto presente no alicerce republicano nacional, nos faz compreender por que em tantas vezes da história de nossa nação, sobretudo após a proclamação, o povo e suas necessidades passaram ao largo de alguns governos.

A ressignificação da importância e participação de cada um, e portanto de todos, é fundamental para a plena realização do espírito republicano. Mas, de que forma se constrói uma república efetivamente destinada ao governo do bem comum, e, neste sentido, na perspectiva mais plena do conceito de povo? Gostaria de indicar algumas proclamações necessárias e urgentes aos nossos dias, onde proclamar é “fazer uma declaração pública e solene”.  

Precisamos proclamar o Brasil como um país em processo de desintoxicação das práticas corruptas e corruptoras. Como dizia a canção: “A começar em mim...” Não adianta estendermos o dedo em riste para Brasília e continuarmos com as corrupções nossas de cada dia. O projeto anticorrupção começa na educação dada em casa, aos filhos, fundamentando-se não no discurso, mas na prática.

Precisamos proclamar um tempo de paz. Evidentemente que a violência crescente em nosso país tem muitas origens. No entanto, ficar terceirizando responsabilidades e se manter no imobilismo nada muda. Podemos gerar, incentivar e promover uma cultura de paz. Independentemente do que se tem oferecido, cultura de paz é decidir o que eu vou oferecer ao mundo. Não podemos mudar o mundo todo de uma vez, pois não temos governabilidade, mas podemos sim, ser oásis de paz, onde estivermos, com nossas escolhas, ações e reações.

Precisamos proclamar um tempo de esperança. Os últimos dias de nosso país, por ocasião do pleito eleitoral, deixaram muitas sequelas. A interposição de ideias é um ponto forte da democracia. A animosidade entre as pessoas é sua deformação. Precisamos ter uma esperança proativa. E o que fazer para contribuir para o bem comum? A primeira coisa é exatamente essa: tenhamos esperança.

A crueza do mundo real, tem, por vezes, subtraído de muitos a capacidade de sonhar, de esperar e de se deixar surpreender pelo devir. Proclamemos uma frase dita pelo pastor Martin Luther King, em seu histórico discurso, em Washington, em 1963: “Eu tenho um sonho”. A luta de construção de uma realidade mais humanizada, menos excludente, mais inclusiva, deve ser de todos.

É esta proclamação que precisamos celebrar de forma continuada em nossa nação. Feita sim pelos que assumem funções de governo, mas, principalmente, por todos que constroem de forma silenciosa a realidade que vivenciamos como nação. Uma condição não é excludente a outra. Acompanhemos, cobremos, fiscalizemos os representantes ora eleitos e que tomarão posse no ano vindouro. Que nossa república se destine ao bem comum, ao bem de todos, como deve ser.
 



Christian Moreira de Souza
é Historiador, Mestre em Ciências da Educação e membro da Comunidade Canção Nova

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK