Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Grupos de WhatsApp da escola: você faz parte?
 
Grupos de WhatsApp da escola: você faz parte?
10/11/2018 as 12:20 h  Autor Fabio Carneiro  Imprimir Imprimir
*BIP* *BIP*, uma mensagem, você olha e, inconscientemente, sorri. Essa é uma cena comum para os usuários do WhatsApp. Talvez, quando a leu, identificou-se por ser um usuário do aplicativo, utilizando-o por entretenimento, trabalho ou para a comunicação com diferentes pessoas, mas com assuntos comuns.

Graças a essa ferramenta, o diálogo virou dinâmico, isso é um fato, pois basta ver a velocidade com que as grandes manifestações são organizadas por meio dela ou a rapidez com que uma notícia, um “meme” ou um vídeo é compartilhado pelas pessoas em seus grupos de amigos, chegando a ganhar repercussão nacional. Alguns homens na Copa da Rússia perderam seus empregos e foram processados no Brasil devido a um vídeo publicado. Esse novo formato, mesmo sem percepção, exige um talento ímpar para que a comunicação seja clara, límpida e não gere ruídos ou desentendimentos. Acredito que você, como quase todos, já foi surpreendido por uma mensagem que, digamos, não caiu bem. Especialmente se ela foi veiculada no grupo da sala do seu filho, situação essa que desencadeia intensos debates entre mães e pais.

Essa “força tarefa” online tem o fim de atuar em prol da “defesa” dos nossos filhos. Uma ação que ganha os nomes de atenção, cuidado, zelo ou outros que sejam convenientes para justificar a intromissão - afinal, são inúmeras as preocupações para com as crianças e, como pais, gostamos de “saber de tudo” o que aconteceu, acontece e, se possível, o que acontecerá com eles. Mas será que isso é realmente necessário?

Os debates iniciam-se com a postagem de alguém preocupado e prosseguem. Algumas vezes, produtivos, principalmente ao se tratar de uma situação vivenciada e querer saber se os outros passaram por algo parecido; mas, em alguns casos, acabam se transformando em desentendimentos, com informações desencontradas e que não levam a lugar algum. Inúmeros são os motivos que estimulam isso - um deles acontece, por exemplo, pela falta de expressão da fala em uma mensagem escrita, já que ao ser digitada não encontramos a entonação de voz que mostraria sua intenção. Além disso, geralmente, os pais não conhecem as particularidades dos outros participantes, que são fatores determinantes para uma boa comunicação - o que leva esses debates aos maus entendidos, coadjuvantes nesse cenário.

Muitas vezes, a credibilidade do relato é baixa e a mesma palavra pode ter vários significados. Mas as opiniões dos participantes são distintas: há quem aposte na utilidade ou na futilidade do grupo. Afinal, é uma democracia.

Uma discussão no WhatsApp em uma bela manhã de sexta-feira:

MÃE: “Gente, preciso de ajuda pois a minha filha veio para casa e não sabe o que fazer no trabalho. A professora não orientou em nada”!  Assim, iniciou um grande debate sobre a pobre docente que, por um relato certamente equivocado de uma criança do Ensino Fundamental, foi chamada para explicar-se. Você acredita que a professora não orientou? Imaginemos a cena, a professora entra em sala e só diz: “Façam o trabalho”!

Acredite, isso é impossível de ocorrer e, possivelmente, a menina não prestou atenção, mas, quando questionada, falou uma inverdade. A mãe, não investigando, acabou gerando polêmica.

Essas discussões se repetem e resultam em reclamações na escola, reuniões com a direção e até na demissão do professor. Questionar os filhos é uma tática para evitar situações constrangedoras, vexatórias e injustiças. Lembre-se: confiar na escola e acreditar no trabalho feito pelos professores é a estratégia para evitarmos discussões, distorções e ansiedades. Por outro lado, vivemos em uma democracia e temos livre arbítrio. Afinal, participa quem quer. Boa discussão!
 



Fabio Carneiro
é professor de Física no Curso Positivo, em Curitiba (PR)

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK