Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Guerras políticas: uma agressão à economia psíquica
 
Guerras políticas: uma agressão à economia psíquica
06/10/2018 as 10:20 h  Autor Marcelo Niel  Imprimir Imprimir
Guerras políticas: uma agressão à economia psíquica

Há alguns anos podemos observar o quanto as discussões políticas têm afetado a saúde psíquica das pessoas, seja pelo excesso de esforço mental que tais discussões acarretam ou pelos frequentes rompimentos em relacionamentos relevantes, em decorrência de divergências político-partidárias. Brigas, desenlaces, ofensas e até situações envolvendo agressões físicas têm sido assunto frequente em consultórios psiquiátricos e psicológicos.

A primeira razão que pode explicar esse fato é pensar que somos imaturos politicamente enquanto povo de um país jovem; povo esse que atravessou décadas estrategicamente sendo alienado, com livros de História insipientes, que mais reproduziam “contos” de uma brasilidade inventada de completa harmonia e uma ausência de conflitos.

 Os anos se passaram e o povo cresceu - um pouquinho de nada - em sua consciência política e o mundo contemporâneo nos presenteou com a internet e suas redes sociais; o equivalente a dar a um garoto ou garota de onze anos a liberdade de beber, fumar, dirigir e fazer sexo, tudo ao mesmo tempo. O resultado não poderia ser menos catastrófico: o adolescente político se sente adulto e capaz, acha-se entendedor da matéria, mesmo tendo apenas as suas primeiras peripécias em experiências tão pouco profundas. Pré-púberes políticos, movimentam-se pelas redes sociais em típicos agrupamentos juvenis, reproduzindo conceitos e opiniões, ofendendo divergentes como adversários dos jogos da aula de Educação Física. Doutos escolares.

Não digo isso de todos os que ousam a discutir a matéria política; há sim aqueles que, mesmo jovens, são capazes de ir além do frouxo conhecimento político cujas fontes são “memes” e enunciados de redes sociais.

Independente do “time” ao qual pertença, uma vez que, ao menos por enquanto, vivemos num país democrático cuja liberdade de opinião e expressão ainda estão asseguradas, deveria ser possível “discutir sem brigar”, sem ofender, sem invadir o espaço - ainda que cibernético - do outro com cuidado. Invadir posts na timeline alheia e entrar na casa do outro sem pedir licença, é abrir a geladeira na casa da visita sem permissão, é usar a privada e não dar a descarga.

E tudo isso ocasiona um desequilíbrio enorme em nossa economia psíquica. Todo esse aporte de ofensas, notícias falsas sendo replicadas instantaneamente e rompimentos entre pessoas, são importantes geradores de ansiedade e descontentamento.

E qual a solução para esse problema? Não há como propor que as pessoas se calem, deixando de emitir sua opinião. Enquanto não amadurecemos, o ideal é nos valermos de artifícios de controle - e não repressão - social. Eu, por exemplo, costumo apagar comentários ofensivos em minhas redes sociais, ao invés de discutir com a pessoa ou deixar que as pessoas fiquem discutindo. Se a pessoa não for capaz de manter um diálogo saudável com diferenças e divergências, eu a bloqueio. Quando em discussões presenciais, costumo evitar o embate quando percebo que aquele interlocutor não é capaz de respeitar o meu ponto de vista e saber ouvir, mesmo que discorde. Parto da premissa que eu não sou capaz de mudar a opinião do outro e se este outro não está disposto a dialogar, não desejo perder tempo útil de vida com discussões sem rumo.

Para mim, há apenas um sério limite cuja transposição considero inaceitável: não aceito racismo, misoginia, homofobia, transfobia e muito menos apologia à violência, à ditadura e à tortura, porque entendo que expressar esse tipo de opinião não se trata apenas de liberdade de expressão; para mim são comportamentos criminosos.

Marcelo Niel, médico psiquiatra e psicoterapeuta junguiano, Doutor em Ciëncias pela UNIFESP, supervisor clinico-institucional em Psiquiatria Clínica e Psicoterapia.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK