Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Precisamos restaurar o orgulho de nossos professores
 
Precisamos restaurar o orgulho de nossos professores
24/08/2018 as 17:39 h  Autor David Marcelo P. Berto  Imprimir Imprimir
Professor: profissão das mais nobres, cujo exercício no passado era motivo de extremo orgulho, respeito e apreço. Pois bem; pelo que temos visto, não é mais assim. Hoje a profissão passa longe dos sonhos da maioria de nossos jovens. Por que tamanho desdém pela arte responsável por transmitir o saber que nos possibilita abrir a janela para o mundo? Podemos enumerar diversas razões, mas a que mais me chama atenção – e do Censo Escolar também – é a desvalorização profissional em todos os aspectos. E não estou falando apenas do aspecto financeiro.

A pesquisa “Profissão Docente”, realizada pelo Ibope Inteligência e divulgada recentemente, comprova o que estou dizendo. Dos 2160 professores de educação básica ouvidos, 33% afirmaram estar totalmente insatisfeitos com a profissão. O motivo mais citado? A desvalorização profissional. Ela é tanta que quase metade desses docentes não recomenda a própria atividade para um jovem. Os outros motivos também não são novidade: excesso de trabalho, falta de reconhecimento e baixa remuneração. Infelizmente, esses fatores só reiteram a quão menosprezada vem sendo a arte de educar em nosso país.

Os professores são fundamentais na nossa formação enquanto cidadãos pensantes e essa depreciação tem efeitos no desenvolvimento do Brasil. A falta de uma política de investimentos na área pode estagnar ou atrasar um país, uma vez que uma nação não pode ser considerada social e economicamente desenvolvida sem ter um padrão educacional decente. O educador precisa ser o elemento central de um plano de gestão que valorize a educação. Ele precisa ser ouvido, pois é quem faz o dia a dia, conhece seu público e todas as peculiaridades das áreas em que atua. Ele precisa ser tratado com dignidade, pois é o principal agente transformador, motivador e passível de referência para seus alunos. É preciso valorizar essa atividade, uma vez que ainda temos pessoas apaixonadas pela arte de ensinar. A pesquisa citada acima comprova nossa percepção quando aponta que a maioria daqueles que decidiram continuar na carreira o fizeram pelo prazer de transmitir conhecimento.

Disseminar essa paixão, porém, tem sido difícil, admito. O problema começa ainda nos anos de formação básica do futuro docente que, uma vez aluno de uma escola pública, como 80% dos estudantes brasileiros hoje, sofre com a falta de professores especializados. Quantas histórias ouvimos de alunos que nunca tiveram aula de geografia, física ou química. Mesmo nestas condições precárias este aluno se torna professor movido somente pela vontade de fazer diferente, de levar aos alunos algo que ele não teve. Ele geralmente inicia sua carreira também em escolas públicas e se depara com uma vasta dimensão de desafios inerentes ao outro lado da carteira. A baixa remuneração, que faz com que ele tenha que complementar sua renda; a falta ou atraso no repasse de recursos; estruturas de trabalho sucateadas, que não oferecem espaços e materiais adequados para desenvolver as atividades que tanto ansiou em tirar dos livros que passou anos estudando. Ao longo dos anos, a motivação vai por água abaixo; o dia a dia estressante finda com o sonho e ele acaba por procurar emprego em outras áreas ou fora do país.

Sobreviver no magistério é difícil no Brasil, mas tem solução. Não se sobrevive por mágica, mas a receita é simples. A meu ver, programas de educação continuada alinhados à realidade escolar e ao cenário tecnológico que vivemos são os pontos-chave. Em todo o país, e não só nas zonas mais carentes como se pensa, há profissionais com déficit de conteúdo e eles têm consciência disso. Tanto que 76% dos participantes da pesquisa acreditam que é necessário, sim, passarem por atualizações frequentes. A implantação da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que vem como a grande promessa para uma nova era na educação brasileira, já bate à nossa porta e o que tem sido feito para qualificar os docentes?

A educação mudou, os meios mudaram e o conteúdo a ser transmitido precisa acompanhar tudo isso. O Brasil tem quase 50 milhões de alunos matriculados em pouco mais de 180 mil escolas particulares e públicas e é o professor quem vai preparar esses jovens para mudar a sociedade. A qualidade da educação só vai melhorar quando se investir na melhoria da qualidade dos professores.
 
David Marcelo P. Berto é graduado em Letras pela Faculdade Anhanguera de Taubaté/SP, tradutor-intérprete de Libras pela IMOESC – Caçapava/SP, professor de língua inglesa, formador internacional do método Kagan Cooperative Learning (San Diego University - California/USA), palestrante da plataforma YouTube Edu sobre habilidades socioemocionais na educação, além de especialista em construção de identidade da sala de aula, identidade do grupo e aprendizagem baseada no cérebro. É coordenador do Programa Línguas Estrangeiras do Planneta Educação, uma empresa do grupo Vitae Brasil.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK