Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > VICE-PRESIDENTISMO
 
VICE-PRESIDENTISMO
03/08/2018 as 14:38 h  Autor Rodrigo Augusto Prando  Imprimir Imprimir
O título, deste escrito, é homônimo do artigo de José de Souza Martins, renomado cientista social, publicado em 2011. Lá, Martins destacou, especialmente, o papel do vice-presidente de Lula, José de Alencar, que, durante os oitos anos de mandato, governou o país por 447 dias, nas ausências de Lula. E, hoje, ao tratarmos da composição das chapas para as eleições vindouras, abundam- no cenário atual - as indefinições, especialmente, dos vice-presidentes.

Tratando de José de Alencar, afirmou Martins: "José de Alencar não se deixou tentar pela possibilidade de tramar contra o presidente e de assumir o governo [...] Sua lealdade fortaleceu a instituição da vice-presidência. Do mesmo modo, sua candidatura, ao representar o aval do grande capital e do empresariado à candidatura do ex-operário Lula, representou também um passo decisivo na viabilidade de uma política de aliança de classes em favor do primado da pluralidade social e ideológica como fundamento da democracia brasileira". A escolha de um vice-presidente não é questão simples, visto que são muitas as variáveis a serem consideradas, numa ampla gama de questões pessoais, partidárias e institucionais. Muitas vezes, o vice pode ser escolhido por conta da indicação da aliança que formou uma coligação partidária; noutras, o escolhido tem uma dimensão regional, permitindo palanques e a entrada em regiões que o cabeça da chapa – o candidato a presidente – não tem boas perspectivas; às vezes, o recorte é geracional, escolhendo um jovem e, até, uma escolha alicerçada no gênero, como, por exemplo, uma mulher que poderia atrair votos femininos.

O quadro em tela indica dificuldades para todos os candidatos. Alckmin construiu uma ampla coligação, com tempo de TV e recursos do fundo eleitoral, mas se não empolgar o eleitorado após uns 10 ou 15 dias de campanha na TV pode ver, novamente, seus planos frustrados. Bolsonaro, por sua vez, tem, virtualmente, uma intenção de votos que o credenciam rumar ao segundo turno, mesmo que com pouco apoio de outros partidos, quase sem tempo de propaganda eleitoral e de escassez de recursos; com idas e vindas entre muitos nomes, até o momento ninguém se associou à sua candidatura. Já Marina Silva tem recall e seu capital político de certa forma não foi contaminado por denúncias de corrupção, mas, também, ainda negocia com o PV para ter Eduardo Jorge como vice. Ciro Gomes, coitado, acendeu velas à direita e à esquerda e tomou um fenomenal drible de Lula que, mesmo preso, conseguiu isolar Ciro e o PDT, que queria o PSB ao seu lado. Henrique Meirelles, do MDB, até o momento sonda Marta Suplicy para vice e tem índices pífios nas pesquisas de intenção de voto. O PT, enfim, sabendo da impossibilidade de Lula concorrer, levará até o último momento essa decisão, pois indicar o vice será indicar seu "plano B".

À guisa de conclusão, voltando às palavras de Martins: "O novo vice-presidente, Michel Temer, quer tirar a vice-presidência dessa hibernação. A movimentação em seu gabinete e as exigências de poder ao governo sugerem que seu ocupante parece pretender cogovernar a República: assim como com Lula surgiu o lulismo, com Michel Temer está surgindo o vice-presidentismo". Inteligência aguda, José de Souza Martins, viu, em 2011, sinais do que se consolidaria em 2016 com o impeachment – dentro das regras constitucionais - de Dilma. Se, em tempos normais, não é fácil escolher um vice para chamar de seu, imaginemos, nos dias que correm, o efeito "Temer". Temer chegou à presidência, alcançou o poder, de direito, mas não o exerceu de fato.

Rodrigo Augusto Prando é Cientista Político e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. É bacharel e licenciado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp/FCLAr.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK