Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > QUEM É O VICE?
 
QUEM É O VICE?
02/08/2018 as 10:19 h  Autor Gaudêncio Torquato,  Imprimir Imprimir
Quem é o vice? Eis a pergunta central da semana. Quando  Alckmin e o Centrão davam como certo o nome do Josué Gomes, filho do falecido ex-vice-presidente da República, José Alencar, para compor sua chapa, o mineiro dono da Coteminas sinaliza desistência. Josué animaria o 2º maior colégio eleitoral do país, o de MG, com 16 milhões de eleitores. O Centrão corre atrás de outro nome. Já o vice-líder das pesquisas de intenção de voto, logo abaixo de Lula, o capitão Bolsonaro teve vetado pelo PRP o nome do general Augusto Heleno, enquanto a advogada Janaína Paschoal sinaliza não ter muito interesse em figurar como vice.

Por quê a dificuldade dos candidatos para compor a chapa que disputará a eleição presidencial? Vejamos. O vice-presidente é o segundo cargo mais importante do país. Substitui o presidente em seus impedimentos. E no Brasil, tendo em vista a presença  constante do Senhor Imponderável dos Anjos, que aprecia nos fazer visitas inesperadas, a condição de vice assume maior importância. Nos últimos tempos, basta lembrar José Sarney, assumindo no lugar de Tancredo Neves, Itamar Franco, que se sentou na cadeira de Fernando Collor, e Michel Temer, ocupando o lugar de Dilma Roussef.

O arranjo para se encontrar um bom nome não é fácil. Exige poder de agregação. Respeitabilidade, capacidade de articulação política, densidade (conhecimento sobre a realidade do país), trânsito fácil no meio congressual e, ainda, experiência, qualidade não necessariamente ligada à política. Um perfil vitorioso do setor produtivo cai bem, como seria o caso de Josué. A composição da chapa presidencial deve também observar a equação regional, pela qual terão prioridade regiões de alta densidade eleitoral. Combinação que junte o Sudeste, com mais de 40% dos votos, com o Nordeste, com seus 26% dos votos, é bastante recomendada. É evidente que a pessoa a compor a chapa há de ter influência e visibilidade em sua região.

Sob esses condicionamentos, a escolha de nomes-fantasia (figuras que circulam apenas em seu meio ou celebridades) pode ser um tiro n’água. O nome do coronel Marcos Pontes, que fez um vôo espacial em uma nave russa Soyuz, após Luis Inácio ter pago US$ 10 milhões pela carona, é uma brincadeira de mau gosto. Já imaginaram o astronauta comandando o país no impedimento do titular? O mesmo se pode dizer do príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança, da Casa Imperial Brasileira. Significaria um defensor da monarquia na linha de frente da política. Os dois são referências para a composição da chapa de Bolsonaro.

O fato é que os entraves para a escolha de vices mostram as incertezas que pairam sobre os candidatos à Presidência. Nomes mais fortes demonstram preferir um pássaro na mão do que dois voando. Parece ter sido esse o motivo que balizou a decisão do senador Magno Malta (PR) em não aceitar ser vice de Bolsonaro. Dúvidas cobrem também chapas para governos de Estados. Os escolhidos precisam ser respeitados.

Urge ter cuidado com a escolha de vices. Na campanha de 1996 para a Prefeitura de Boa Vista (RR), Ottomar Pinto, ex-governador e candidato a prefeito, escolheu o vice Clodezir Filgueiras, de apelido Mimi, pessoa não muito conhecida pelo povão. A oposição contratou um gago querido na cidade. Que aparecia no programa do opositor gozando: “quem é o vice, quem é o vice?”Embutia a subliminar: Ottomar, depois de 2 anos, deixaria o vice na prefeitura para se candidatar ao governo.Uma traição ao povo.

A intenção de voto de Ottomar desabou. Mas o gaguinho foi “cooptado” com promessas. Virou a casaca. No mesmo lugar em que gravou sua gozação, lá estava ele: “quem é o vice, quem é o vice? Completava: “é meu amigo Mimi”. A cena agora mostrava os dois abraçados. Estratégia que reverteu a situação. Clodezir foi feito herói. Ottomar ganhou. Depois de grande susto.
      


Gaudêncio Torquato
, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter@gaudtorquato

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK