Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A recuperação e a libertação de apenados
 
A recuperação e a libertação de apenados
05/04/2018 as 08:34 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Embora possua vastíssimo ordenamento jurídico – a começar pela Constituição, de 250 artigos – o Brasil padece de eficiência na aplicação e execução das sentenças. Mesmo condenado a penas elevadas, assim que começa a cumprir, o réu passa a receber benefícios que vão encurtando o tempo de reclusão, o que, para uns, constitui humanização da pena e, para outros, gera a impunidade e chega a incentivar a prática criminosa. Com isso, não se atinge o objetivo maior da pena, que é a recuperação do indivíduo que delinquiu para a vida em sociedade.

O livramento e o retardo da prisão de condenados levam a apaixonadas discussões tanto os cultores do Direito quanto os leigos. O senso geral é de que a execução da pena no Brasil é leniente e incentivadora da política de esvaziar presídios sem a certeza de que os libertos estejam recuperados e em condições de voltar ao convívio social. Daí o grande número de reincidências que realimentam as prisões e fazem florescer o poder paralelo das facções que de dentro das grades controlam o crime em vastas áreas do território nacional.

São Paulo tem o caso emblemático de Roberto Aparecido Alves Cardoso, o “Champinha”, menor que em 2003 sequestrou e matou um casal e hoje é mantido encarcerado em medida de segurança, pois a perícia judicial concluiu ser portador de psicopatia. Teve, em contrapartida, a história do Bandido da Luz Vermelha (João Acácio Pereira da Costa), que assim foi chamado por assaltar pensões durante a madrugada com o rosto coberto e levando à mão uma lanterna com bocal vermelho. Preso, foi ele condenado a 351 anos de prisão por quatro assassinatos, sete tentativas de homicídio e 77 assaltos. Não se conseguiu provar o cometimento de estupros de que era acusado. Cumpriu 30 anos, foi liberto em agosto de 1997 e, 4 meses e 20 dias depois, no dia 5 de janeiro, acabou abatido com um tiro de espingarda, acusado de molestar as mulheres da família de seu executor. Tivesse continuado preso, não teria morrido.

A verificação da sanidade e da efetiva recuperação do detento é fundamental. Antes de libertos, os apenados, especialmente cometedores de crimes hediondos, devem passar por perícia médico-psico-social capaz de avaliar sua condição de voltar ao convício em sociedade e, principalmente, sua sanidade, que deve demonstrar a inexistência do risco de reincidência.  Libertar é um ato social e administrativo tão importante quanto o de encarcerar. Exige critério e até legislação específica que rogamos ao legislador federal apresentar para promover o necessário avanço no sistema de execução penal brasileiro. Além da cronologia estabelecida no calendário é necessário verificar objetivamente a sanidade do paciente para evitar que, solto, volte ao comportamento antissocial que determinou sua prisão.
 


Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) / aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK