Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A intervenção no Rio e o Ministério da Segurança
 
A intervenção no Rio e o Ministério da Segurança
19/02/2018 as 15:38 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro parece medida tardia, se analisada a partir do estado de guerra vivido pelos cariocas já há um bom tempo. E a criação do Ministério da Segurança Pública pode ser a medida adicional para a retomada do controle naquela e nas outras unidades da federação problemáticas. O quadro de hoje nada mais é do que o resultado de anos de política equivocada de governos demagógicos que deixaram de cumprir suas obrigações para com os diferentes segmentos da sociedade e, de quebra, criaram dificuldades para o funcionamento da instituição policial e, muitas vezes, a expuseram à execração pública em lugar de prestigiá-la como o seu braço armado e último recurso para a manutenção da ordem.

A política de impedir a polícia de patrulhar os morros e outras áreas periféricas e quedar-se ao exacerbado criticismo dos maliciosos defensores dos direitos humanos, somada à falta de prestação dos serviços básicos de que a população é credora, ensejou o domínio de vastas áreas pelo crime organizado. Contraventores, facções criminosas e milícias fizeram-se autoridades tanto na periferia quanto no sistema penitenciário e hoje confrontam o poder estatal. Ao usar o remédio da intervenção, o presidente Temer e seus auxiliares devem estar conscientes de que a solução não depende exclusivamente da atividade repressiva. É preciso que o Estado cumpra com suas obrigações para com a população e, uma vez, feito isso, remova aqueles que ilegitimamente fazem o papel de Estado.

Para evitar que as futuras gerações caiam no crime, é preciso garantir educação, emprego e outros direitos hoje negligenciados. E, aos que já são criminosos, a repressão é o único caminho. Todos os que forem surpreendidos no tráfico ou posse de drogas ou armas pesadas ou cometerem latrocínio, têm de ser enquadrados no crime hediondo, com pena de 30 anos, impossibilidade de relaxar flagrante e só poder de requerer benefícios penais após 20 anos de cumprimento (dois terços). Aos líderes e participantes de rebeliões em estabelecimentos penais, a solitária por períodos prolongados. Dessa forma, cortar-se-ão os elos das cadeias criminosas.

Independente de quem seja o governante e de sua orientação politico-ideológica, a segurança pública é dotada de regras pétreas, imutáveis. Toda vez que o governante abre mão da autoridade estatal, estará rumando para o caos. A sociedade é formada por um conjunto de normas criadas pelo homem para poder viver em segurança. As tarefas de governo têm de ser rigorosamente cumpridas. Entre elas está a obrigação de prover a segurança pública e encaminhar à punição todos os que transgredirem as leis, independente de quem sejam e de seu grau de influência na sociedade. Não pode, por conveniência política ou ideológica, por desinteresse ou até por medo, deixar o crime impune pois, quando isso ocorre, ele se alastra e fica incontrolável, como no Rio de Janeiro de hoje. Não basta apenas aumentar a repressão. A União, o Estado e até o município precisam cumprir com suas obrigações para com a população para que o povo não seja levado a, como último recurso, aceitar a ajudar das organizações criminosas e delas se tornar escravo...
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK