Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Meu coração deu PT
 
Meu coração deu PT
22/01/2018 as 16:43 h  Autor Paulo José Cunha  Imprimir Imprimir
Combinado, meu bem, vou lhe fazer uma pergunta. Se você acertar, eu compro seu ingresso para o show do Wesley Safadão. Lá vai: quem disse a frase “Quem sou eu para dar palpite sobre decisão judicial?” Eu digo a resposta correta lá no final, tá?

Claro que hoje o assunto é o que tomou conta do país e ameaça incendiar a sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região em Porto Alegre, onde Lula será julgado. Ele foi condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro a nove anos de cadeia por ter supostamente recebido da construtora OAS a doação ilícita de um tríplex no Guarujá, no valor de R$2,76 milhões. Esta é a decisão que o tribunal pode manter ou revogar. Há outras. Moro ainda analisa mais oito acusações: 1) Lula seria dono de um sítio em Atibaia, recebido como propina da Odebrecht/OAS. Foi lá que acharam aqueles  pedalinhos com os nomes dos netos dele; 2) o Instituto Lula teria recebido como propina da Odebrecht um terreno para a construção de sua nova sede e a mesma construtora teria pago o aluguel de um apartamento ao lado do de Lula em São Bernardo; 3) Lula seria conivente com Dilma que tentou nomeá-lo ministro só para atrapalhar as investigações, na época daquela história do “Ô, Lula, eu estou mandando aí o Bessias!”; 4) Lula teria interferido para evitar a delação de Cerveró, que teria recebido uma grana pra não fazer delação. O filho de Cerveró também teria recebido uma ajuda mensal de Lula; 5) Lula teria arrecadado propina em órgãos públicos, inclusive a Petrobras; 6) Lula teria usado o Instituto Lula pra receber propinas de empreiteiras, a título de realização de palestras, com retribuição na indicação de obras,  como a do porto de Mariel, em Cuba, executada pela Odebrecht, para a qual o BNDES financiou US$682 milhões; 7) Lula teria favorecido a Odebrecht viabilizando empréstimos para obras internacionais, segundo revelação de Emílio Odebrecht em delação premiada; 8) Lula teria editado Medida Provisória beneficiando montadoras e facilitado a negociação de compra de aviões de combate. As acusações vão de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, obstrução de justiça, patrocínio infiel, exploração de prestígio, organização criminosa até tráfico de influência. É acusação pra mais de metro! A que vai ser julgada no dia 24 é só a primeira.

O rapapé em torno do julgamento não tem nada a ver com prisão, que não vai rolar, segundo as previsões. Deve-se ao fato, isto sim, de que, se condenado, teoricamente Lula não participaria da eleição. Teoricamente, escrevi, porque é conhecida a lerdeza do TSE, a quem cabe dar a palavra final. E, é claro, a justiça eleitoral pode deixar pra decidir apenas depois da eleição.

Teoria da conspiração. E bota conspiração nisso!


Será que vale discutir o mérito da causa a ser analisada dia 24? Não, porque isso é ocupação de juiz, que julga com base nos autos, nas provas, nos indícios, nas perícias. Quem julga politicamente é o Congresso, quando cassa um/a presidente. Ou de uma assembleia, quando cassa um governador. A menos que concordemos com a existência de uma gigantesca teoria da conspiração pela qual Lula teria sido levado às barras dos tribunais exclusivamente porque é preciso tirá-lo da disputa. Difícil acreditar que o Judiciário brasileiro, na sua totalidade, se preste a um papel desses. E não haja um – um só juiz, entre os milhares, e há vários deles que são petistas – que denunciasse tal canalhice. Sem deixar de reconhecer, é claro, a existência de politização aguda em atitudes como a de Moro quando ordenou a condução coercitiva e desnecessária de Lula. Ou naquele power-point tendencioso do Dallagnol, com a foto de Lula no centro da “organização criminosa”. Ou mesmo nos “vazamentos seletivos” da Lava Jato etc, etc, etc. E bota etc nisso. Pressentindo um resultado desfavorável, os petistas estão entrando de sola, convocando a militância pra chutar o pau da barraca em Porto Alegre.

Um deles, o sindicalista Urias Rocha, do PCdoB, propôs “começar a estourar a cabeça de coxinha, de juiz, mandar esses golpistas pro inferno”. Foi desautorizado e desligado  da legenda. Em compensação a própria presidente do PT, senadora Gleisi Hofman (também enrolada na Lava Jato), arrepiou-se e acusou os juízes de descerem “ao play da política”, ou seja: acusou-os de agirem politicamente no julgamento (que ainda nem ocorreu!) da denúncia. E ameaçou, com a faca nos dentes: “Para prender Lula vai ter de prender muita gente, e vai ter de matar!”

Incentivo ao crime é crime

Desde que me entendo por gente ouço dizer que decisão judicial se discute, sim. Mas, primeiro, se cumpre. Aí recorre ao bispo ou ao Papa Francisco, se achar que deve. Agora, tentar impor um resultado na marra – “absolvição é o único resultado capaz de resgatar a seriedade da justiça brasileira”, “Se Lula for condenado tem que morrer gente!”  (Gleisi Hofman) – soa como ameaça inadmissível. Ou um habeas-corpus preventivo para posicionar o partido na trincheira eleitoral. Os petistas têm todo o direito de irem a Porto Alegre se manifestar favoravelmente ao seu líder. Mesmo direito que têm os coxinhas de se manifestarem contra Lula. Faz parte do ritual democrático, mas que sejam manifestações pacíficas, caso contrário é crime insuflar a militância para a barbárie, para “estourar cabeça de coxinha”, para o “vai ter de matar”. A imunidade parlamentar não cobre um despautério desse, mesmo sob a alegação de que é apenas  arroubo de retórica de quem tem o narizinho arrebitado.

Me enganei de novo, quebrei a cara


Ah, meu bem, você está pensando que eu esqueci. Esqueci não, meu dengo. Mas desconfio que não vai ser desta vez que você vai bater palmas pro Safadão. Sabe quem disse “Quem sou eu para dar palpite sobre decisão judicial?” Pois foi o ex-presidente Lula em junho do ano passado, ao saber do resultado do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que manteve na presidência o pai do Michelzinho, aquele senhor que mora no Jaburu, onde recebe na garagem os Wesleys da vida, e anda com a popularidade abaixo do pré-sal.

Coincidência, né, meu xamego? Não sei por quê, mas de repente me lembrei de uma música do chato do Safadão que ouvi no rádio outro dia. A letra dizia, a certa altura: “Me enganei de novo, quebrei a cara/ Mais uma vez, eu tomei porre por você/ Mais uma vez, meu coração deu PT”.




Paulo José Cunha
é professor, jornalista e escritor
Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK