Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Os prédios públicos abandonados
 
Os prédios públicos abandonados
30/11/2017 as 15:50 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Na maioria dos municípios brasileiros, existem prédios públicos desocupados e, paradoxalmente, as prefeituras, os estados e até o governo federal pagam aluguéis para instalar suas repartições. A mudança do perfil tecnológico permitiu que os serviços sejam executados em espaço menor que antes e, assim, sobraram os imóveis. Tarefas antes executadas por máquinas pesadas migraram para dentro do computador e os arquivos de papel foram absorvidos pela microfilmagem e escaneamento que colocam dentro de uma simples gaveta o conteúdo de muitas prateleiras e pastas dos arquivos convencionais. Nas localidades servidas por estrada de ferro, a desativação do trem de passageiros e o arrendamento dos cargueiros para empresas de logística jogaram na ociosidade estações, armazéns e grandes oficinas. A maioria desse patrimônio está, hoje, abandonada.

Levando-se em consideração que a máquina pública – federal, estadual e municipal – opera com dificuldades financeiras, seria importante dar uma destinação econômica para esse vasto rol de propriedades. No tocante à ferrovia, em parte dos municípios, as estações foram cedidas à Prefeitura e o mesmo ocorreu com alguns armazéns e barracões. Mas ainda existem muitos prédios bem localizados que, pelo abandono, tornaram-se locais de prostituição e consumo de drogas. Também existem prédios do INSS e de dezenas de outros órgãos que, com a modernização do processo, deixaram de ocupar grandes espaços.

Quando um imóvel público deixa de ser ocupado para a finalidade que foi construído ou adaptado, ele começa a gerar despesas de manutenção sem produzir nada em troca. E, quando é abandonado, o prejuízo é ainda maior porque é vandalizado e tem furtadas suas peças hidráulicas e elétricas. Ao mesmo tempo que milhares de metros quadrados estão na ociosidade, repartições pagam aluguel, muitas vezes em condições que colocam os contratos sob suspeita.

Os governos federal e estaduais deveriam ter em efetivo funcionamento um órgão para administrar a desocupação dos imóveis sob sua jurisdição, com autonomia para destiná-los a outras finalidades. Muitos municípios carecem de instalações para o funcionamento de creches e escolas e até mesmo para abrigar suas repartições. Ficaria menos oneroso que, em vez de construir ou alugar, fizessem apenas as adaptações dos prédios já existentes. É preciso dar uma finalidade ao vasto patrimônio público que, infelizmente, tem sido encarado como “propriedade de ninguém”. O dinheiro que se gasta com aluguéis ou construção de novas instalações sobraria para atender a outras necessidades. E ainda mais: acabariam os antros do crime que hoje ocupam esses imóveis abandonados e perturbam a população.
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK