Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Liberdade e civismo
 
Liberdade e civismo
06/09/2017 as 17:29 h  Autor Luiz Gonzaga Bertelli  Imprimir Imprimir
Foi em 7 de setembro de 1822 que o Brasil conquistou autonomia política, ao ser declarado independente por D. Pedro I – que viria a ser o primeiro imperador do país. A separação de Portugal custou aos cofres públicos dois milhões de libras esterlinas. Como não tinha dinheiro em caixa, foi feito um empréstimo à Inglaterra, o que deu origem à dívida externa brasileira.

A Independência não provocou rupturas sociais. A escravidão e a estrutura agrária mantiveram-se. Uma das principais causas para a independência foi a insatisfação da elite rural em relação à falta de liberdade econômica e às altas taxas de impostos exigidas pela metrópole. É bom lembrar que todo o comércio internacional deveria ser realizado com Portugal, o que chegou a causar uma grave crise de abastecimento.

O certo é que, em relação aos nossos vizinhos, o Brasil foi um dos últimos a conseguir emancipação política: Colômbia (1810); Venezuela (1811); Argentina (1816); Chile (1818) e Peru (1821). Esse atraso, de certa forma, afetou vários setores, especialmente o processo educacional. No período colonial, a educação básica esteve sempre atrelada à ação jesuítica. Só no século XIX, com a chegada da Família Real ao Brasil, criaram-se os dois primeiros cursos superiores, de medicina e engenharia.

Mas a educação continuou em segundo plano, gerando uma população com altas taxas de analfabetismo e carência de profissionais de nível superior, diferentemente do que ocorria nas colônias espanholas. Em 1538, foi criada a Universidade de São Domingos, na República Dominicana, e em 1551, a do México e a de Lima, no Peru. A Universidade Federal do Amazonas, considerada a primeira do Brasil, só surgiu em 1909. E a de São Paulo, a mais importante do país, apenas em 1932, fruto da iniciativa de lideranças paulistas, entre os quais Júlio de Mesquita Filho, mandatário do jornal O Estado de S. Paulo.

Apesar de ter criado um gargalo no ensino – ainda não resolvido até hoje –, o legado da Independência insere na sociedade uma mensagem de liberdade e civismo, tão importante para que a população enfrente as mazelas sociais e siga seu caminho rumo ao desenvolvimento sustentável.




Luiz Gonzaga Bertelli
é presidente do Conselho de Administração do CIEE, do Conselho Diretor do CIEE Nacional e da Academia Paulista de História (APH).

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK