Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Jesus não é religioso
 
Jesus não é religioso
17/01/2017 as 18:48 h  Autor Padre Ezequiel Dal Pozzo   Imprimir Imprimir
Ele retirou o Sagrado da religião e o colocou onde? No ser humano. O ser humano é o território sagrado! Ali você encontra Deus.

Há algum tempo escrevi um artigo com o título: Deus não é religioso. Posso dizer que recebi alguns comentários de pessoas chocadas com isso. "Um padre falando isso?" E ainda: "é tão difícil convencer as pessoas para viver a religião, com isso pioramos", diziam outros. Posso dizer que essa ideia foi se confirmando e amadurecendo. Nas últimas leituras teológicas que fiz fui percebendo que Jesus também não é religioso. Não só porque Jesus é Deus e, se disse que Deus não é religioso, consequentemente Jesus também não é. O argumento não é esse.

Ao falar assim, quero chamar a atenção para o que agrada a Jesus. O que de fato Ele quis mostrar para a humanidade? Dizendo em linguagem moderna: qual o foco de sua palavra e ação?

Sabemos que Jesus era judeu e, como judeu, participava do rito religioso judaico. Ali, no ritual judaico, com a palavra, as leis, os sacrifícios, sacerdotes, doutrinas, o povo compreendia que encontrava o sagrado. Ou seja, se perguntássemos aos judeus onde eles encontravam o Sagrado, ou onde encontravam Deus, certamente, diriam, "o encontramos em nossos rituais religiosos". Isso é um dado tão claro que, de certa forma, se torna inquestionável ainda hoje, também nas demais religiões. Cremos encontrar Deus através das religiões.

O que Jesus fez diante dessa realidade? O que se pode dizer com a mesma clareza, mas causando um choque nos leitores, é de que Jesus retirou o sagrado da religião do seu tempo. De certa forma, Jesus dessacraliza a religião. Cria, da para dizer, um movimento laico, não religioso. Mas, Ele retira o Sagrado da religião e o coloca onde? Coloca no ser humano! O ser humano é o território sagrado! Ali você encontra Deus. No contato com o ser humano, no processo de humanização empreendida por cada pessoa, no cuidado de si mesmo e dos outros, na compaixão e no amor que faz o ser humano viver, ali Deus está. Ali está o Sagrado. A Palavra e a ação de Jesus não foi outra senão dar vida à vida das pessoas. Vida em plenitude. Isso, naturalmente, é fazer com que a humanidade se eleve, chegue à maturidade do amor, na união fraterna que se sobrepõe às diferenças de pensamento, crenças e posições culturais e ideológicas. No humano, a humanidade poderá se dar as mãos. Será muito difícil a humanidade se unir em torno de uma única crença, uma única ideia, mas no cuidado com o humano poderia se unir. Ali estaríamos vivendo Deus, o Sagrado, na profundidade e na verdade.

Mas você pode perguntar: "mas padre, e a religiões ficam como nessa história? Mesmo o próprio cristianismo, qual sua função?” Aqui aparece o verdadeiro sentido do religioso. Ou seja, toda religião é boa na medida em que me torna melhor, mais humano e me coloca em contato com a humanidade do outro e a humanidade inteira. O culto religioso, a prática religiosa, é legítima não quando me separa  dos outros, como às vezes acontece, mas quando me coloca em sintonia com as alegrias e tristezas, sonhos e angústias das pessoas. É nesse sentido que afirmamos que Jesus não é primeiramente religioso. Ele fica feliz e o tenho como Salvador na medida que entro em contato, no cuidado e no amor, com minha humanidade e a dos demais.

Padre Ezequiel Dal Pozzo    
contato@padreezequiel.com.br
www.padreezequiel.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK