Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Renúncia não e a solução...
 
Renúncia não e a solução...
21/12/2016 as 11:21 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
Foram expostos à Nação, nos últimos dias, pronunciamentos que defendem a renúncia do presidente Michel Temer até o próximo dia 31, como fórmula de levar o país a uma extemporânea eleição direta. Para a eventual renúncia a partir de 1º de janeiro, encontramos aqueles que defendem, antes do ato extremo, a aprovação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que retire do Congresso o direito de escolher o novo presidente e estabeleça e eleição direta também para o impedimento nos últimos dois anos do mandato. Essas falas e propostas são impatrióticas num momento como este, quando o  presidente, substituto constitucional da impichada Dilma Rousseff, se esforça para colocar a casa em ordem e conduzir o pais para fora da crise.

Com a classe política desprestigiada como está em função dos malfeitos já descobertos pelos escândalos dos últimos anos e hoje impactada ainda mais pelas apurações da Operação Lava Jato e suas subsidiárias, é difícil prever o que poderá sair de uma eleição presidencial. Poderia ocorrer de a solução buscada ser pior do que o problema. Não vamos esquecer que todos os apontados como possíveis presidenciáveis, inclusive Marina Silva, aparecem nas listas da delação da Odebrecht e, até agora, nenhum dos delatados em processos anteriores conseguiu provar em contrário. Correríamos, então, o risco de eleger alguém sem condições de assumir ou, em conseqüência, cair nas mãos de um salvador da pátria ou de um caçador de marajás, estabelecendo o caos em definitivo.

As novas gerações não assistiram e talvez não tenham atentado através de estudos da história brasileira para o ocorrido em 1961. O polêmico presidente Jânio Quadros renunciou em 25 de agosto daquele ano e o país mergulhou numa crise que levou ao parlamentarismo (derrotado em 1963 por um plebiscito) e desaguou no golpe militar de 1964. Vivemos 21 anos sob governos militares, hoje classificados como ditadura mas na época auto-proclamados como democráticos. Só em 1985, com a posse de José Sarney (vice de Tancredo Neves, que estava à morte), voltamos a ter governo civil.

A democracia civil estabelecida desenvolveu-se com hábitos e vícios que hoje são classificados como crimes e ameaçam sua estabilidade. Salvo melhor juízo e informações altamente privilegiadas que não tenham chegado ao nosso conhecimento, o melhor que temos para o momento é apoiar o presidente Michel Temer e com ele discutir à exaustão as reformas propostas para, quando aprovadas, elas representarem o pensamento da sociedade e não só do governo. Realizar uma eleição nesse momento, independente de quem seja o seu vencedor, seria apenas perder tempo e retardar a solução da crise. Quanto à renúncia, pelo que nos demonstra a história recente, não é solução... 
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK