Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Sobre a democracia e as ocupações escolares
 
Sobre a democracia e as ocupações escolares
18/11/2016 as 15:53 h  Autor José Motta Filho  Imprimir Imprimir
Uma das principais funções da democracia é a proteção dos direitos humanos fundamentais, como a liberdade de expressão, de religião, a proteção legal, e as oportunidades de participação na vida política, econômica e cultural da sociedade. Os cidadãos têm os direitos e os deveres de participarem de inúmeros sistemas sociais devidamente organizados, visando proteger seus direitos e sua liberdade. Com base nesses princípios - e diante das alarmantes notícias sobre as ocupações das escolas no Paraná (e no Brasil) – como fica o dever de um professor em cumprir o seu labor? E o direito de um aluno de assistir à aula desse professor? Será que a legítima via democrática, que seria uma inteligente e ativa cobrança dos representantes do povo, foi simplesmente suprimida e trocada pela estratégia de vencer pelo cansaço e pelo grito?

Há de se evidenciar o engajamento de muitos estudantes em querer fazer a sua voz ser ouvida no momento em que os governantes anunciaram a reforma de um segmento importante da educação básica: o ensino médio. Realmente é possível perceber pontos muito bons - e necessários - nessa proposta. Como, por exemplo, permitir ao aluno que, a partir do segundo semestre da 2ª série do ensino médio, ele escolha uma área do conhecimento para se aprofundar, dentre cinco opções. Talvez, dessa maneira, possamos efetivamente descartar vários conteúdos que costumo chamar de “perfumaria desnecessária nada estimulante” para jovens que são altamente tecnológicos e conectados. Porém, a medida provisória, que foi apresentada de forma truncada e equivocada, também trouxe consigo vários pontos negativos: educação integral sem o devido recurso para fazer acontecer, áreas de conhecimento que deixarão de existir, professores com “notório saber”, etc...

Sou professor do ensino médio (e também do ensino superior) e, quando reflito profundamente sobre o fato de que um reduzido grupo de estudantes se aproprie de uma escola, fazendo com que todo um planejamento escolar acadêmico seja quebrado, prejudicando cada espaço escolar com a interrupção das aulas e atividades diversas, corremos claramente o risco de praticar a antidemocracia. Podemos ainda, adicionar a esse cenário, a vasta desinformação entre os estudantes sobre o conteúdo da reforma, a triste perda da vida de um estudante de apenas 16 anos em Curitiba, e a constante manipulação da informação e das pessoas envolvidas em todo esse trágico processo de ocupação das escolas. Portanto, não se pode tolerar ou permitir que esse tipo de movimento perdure por tanto tempo. Quando os estudantes manifestantes, imbuídos das suas verdades e razões, impediram o funcionamento de centenas de escolas, faltou-lhes a serenidade e o entendimento de que prejudicaram milhares de colegas que, por exemplo, se preparavam para o ENEM e para os iminentes vestibulares.

Não defendo que esse processo tenha sido ilegítimo, mas tive em vários momentos a sensação de falta de argumentos e “ausência de um norte” nos discursos que li e ouvi. Estou certo de que, em muitos momentos das nossas vidas, somos levados erroneamente a tentar resolver problemas por vias não pacíficas e querer promover ações para chamar a atenção. Porém, em um ambiente educacional, para começar, é preciso ser educado e elegante nas ações e palavras. Afinal de contas, a democracia expressa claramente o princípio de que há direitos que não podem ser limitados pelos outros. Tentar defender ideias imprimindo a força, em detrimento ao diálogo inteligente e organizado, jamais trará impactos positivos diante de uma sociedade que está carente de bons exemplos, de boas pessoas e de boas ações.




José Motta Filho é engenheiro civil, professor de Física no Colégio Positivo e professor de Cálculo Diferencial e Integral na Universidade Positivo.

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK