Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Eleição atípica reclama reforma do sistema político
 
Eleição atípica reclama reforma do sistema político
19/10/2016 as 09:49 h  Autor Antônio Augusto de Queir  Imprimir Imprimir
A efetivação de Michel Temer na presidência da República não foi apenas uma mudança de governante, mas uma mudança de paradigma na relação entre o governo e o mercado.

A eleição municipal de 2016 foi atípica. Pelo menos três aspectos influenciaram seu resultado: as mudanças na legislação eleitoral; o ambiente político, marcado por um sentimento moralista-justiceiro; e o elevado índice de abstenção, votos nulos e brancos. Uma reforma política se impõe para resgatar a legitimidade do sistema representativo.

A minirreforma eleitoral, promovida pela Lei nº 13.165/15, trouxe cinco mudanças que, de modo significativo, influenciaram o resultado da eleição: a) redução do período de campanha e da propaganda eleitoral, que passaram, respectivamente, de 90 para 45 dias e de 45 para 35 dias; b) redução do prazo de filiação partidária como condição para concorrer ao pleito, de um ano para seis meses; c) mudança na forma de preenchimento das vagas na eleição municipal, exigindo voto individual de pelo menos 10% do quociente eleitoral; d) exclusão do financiamento empresarial de campanha; e e) instituição da janela excepcional para mudança partidária, sem perda de mandato, sete meses antes da eleição.

Esse conjunto de mudanças, que reduziu drasticamente o período de campanha e a propaganda eleitoral, resultou em maior fragmentação partidária. De um lado, favoreceu os candidatos endinheirados e os que tinham nomes conhecidos ou serviços prestados, e, de outro, prejudicou os partidos que vinham sendo vítimas de campanhas difamatórias, como foi o caso do PT, que não teve o tempo necessário para se defender e apresentar sua plataforma de campanha ao eleitorado.

O ambiente político, marcado pelo moralismo-justiceiro, com uma comunicação política voltada para explorar os sentimentos e as reações e não os fatos, sempre deixando a verdade em segundo plano, agravou ainda mais esse quadro. Induziu um sentimento de vingança em relação ao PT, pelo eleitorado conservador, e isso resultou numa abstenção recorde, com comparecimento menor em 2 milhões de eleitores em relação ao pleito de 2012, apesar do crescimento do número de eleitores em 5,5 milhões durante os últimos quatro anos.

O alto índice de abstenção, de votos brancos e nulos, igualmente, foi reflexo das características da campanha. Muita gente insatisfeita com o PT, em lugar de dar seu voto para outra legenda, optou por não comparecer ou votar em branco ou nulo. A consequência é que muitos dos eleitos em primeiro turno tiveram menos votos do que as abstenções, brancos e nulos, como foi o caso da prefeitura de São Paulo.

O recado das urnas foi de insatisfação com o sistema representativo, que precisa urgentemente ser refundado, com mudanças legislativas e culturais. Só com mudanças nos sistemas eleitoral e partidário e com novas práticas políticas – baseadas em programas, com prestação de contas e alternância no poder – é que se poderá resgatar a credibilidade da política, da democracia, das instituições e dos governantes.

No plano legislativo é fundamental que se aprove, como o PT vem propondo há muito tempo, o fim das coligações nas eleições proporcionais, a cláusula de barreira, a criação da federação de partidos e o voto em lista, quatro medidas que poderão contribuir enormemente para a nitidez dos programas e dos interesses representados, reduzindo drasticamente a fragmentação partidária e eliminando as chamadas legendas de aluguel, que se prestam a fazer o serviço sujo de desqualificação dos adversários.

As mudanças legislativas, além das mencionadas, que contribuirão para enxugar o quadro partidário e dar mais nitidez programática e ideológica aos partidos, precisam ser capazes de combater a corrupção, promover o equilíbrio na disputa eleitoral e aproximar o representante do representado.

No plano cultural, os partidos e seus dirigentes precisam rever suas práticas. Enquanto os programas forem feitos para ganhar eleição e não para governar e as alianças ou coligações forem realizadas com o objetivo de ampliar os recursos do fundo partidário e o horário eleitoral gratuito, a credibilidade do sistema político não será recuperada. Ou os partidos e suas lideranças dão o exemplo, sendo corretos com os eleitores, ou o sistema político perderá legitimidade a cada eleição.

A esperança é que o resultado da eleição de 2016 sirva de alerta para todos os partidos, especialmente os de esquerda, para que voltem às suas origens, prestigiem sua base social, notadamente os movimentos populares, e sejam protagonistas no resgate da autoestima dos brasileiros, transmitindo a cada um deles esperança e confiança. Esperança de que sua vida poderá melhorar e confiança de que o partido, fiel ao seu programa, e sua equipe serão capazes de colocar em prática o prometido.



Antônio Augusto de Queiroz
é jornalista, analista político, diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). E-mail: toninho@diap.org.br
Fonte: http://www.agenciasindical.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK