Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Um alerta no Dia Mundial da Hepatite
 
Um alerta no Dia Mundial da Hepatite
27/07/2016 as 09:57 h  Autor Carlos Varaldo  Imprimir Imprimir
Amanhã, 28 de julho, Dia Mundial da Hepatite, a atenção dos governos é desproporcional ao tamanho do problema. Desde 2013 o número de mortes causadas pela hepatite viral é superior a soma total de mortes causadas por outras três epidemias, aids, tuberculose e malária, mas a atenção dos governos e da mídia ainda não despertou para dar as hepatites virais a necessária visibilidade. As hepatites causadas por vírus são a 7ª causa de morte no mundo, sendo as hepatites B e C responsáveis por 95% das mortes. A maioria da mortalidade é atribuível ao câncer de fígado e cirrose.

Existe vacina efetiva para prevenir a hepatite B e medicamentos que curam a hepatite C, no entanto, em contraste com a aids, a tuberculose e a malária, mecanismos para financiar intervenções em países pobres são praticamente inexistentes, exceto para os indivíduos que também estão infectados com o HIV. O aumento do financiamento internacional é necessário para enfrentar a carga das hepatites que possam permitir respostas eficazes nos países de baixa renda.

O peso das hepatites B e C, as mais mortais, varia nas regiões geográficas. A mortalidade causada pela hepatite C é maior na Europa, Oriente Médio, Américas e África do Norte, enquanto que na África Subsaariana e grande parte da Ásia as mortes são consequência da prevalência da hepatite B.

Os medicamentos para cura da hepatite C são caros, mas o preço para tratar os infectados é inferior as despesas que ocasionará não tratar a doença e ter que cuidar num futuro próximo as suas complicações, como a cirrose, o câncer de fígado e a necessidade de transplantes de fígado. Um terço dos infectados, se não tratados, morrem em média aos 56 anos, uma perda de 17 anos de vida produtiva!

O caso do Brasil

O Brasil nos últimos anos passou a dar maior atenção as hepatites virais. O Ministério da Saúde por meio do Departamento DST/AIDS/Hepatites Virais possui um plano estruturado e com políticas definidas, mais ainda incipiente quanto a recursos.

É estimado que existam 2,3 milhões de brasileiros infectados com hepatite C e aproximadamente 1 milhão com hepatite B. Encontrar esses infectados rapidamente é o grande desafio. Aproximadamente 80% dos infectados não tem conhecimento da sua infecção. Uma vez diagnosticados o tratamento passa a ser o seguinte passo, ainda mais desafiador.

O tratamento da hepatite B, doença transmitida principalmente pelo sexo ainda não tem cura. Possui efetivo controle com um tratamento simples de um comprimido ao dia, e a forma comprovadamente efetiva para evitar novos infectados é vacinar toda a população.

Na hepatite C a transmissão sexual é muito rara de acontecer, não tem vacina, mas tem um tratamento que em somente 12 semanas consegue curar 95% dos infectados. O problema é o preço do medicamento. Nos países ricos cada tratamento custa entre 84 e 150 mil dólares. O Ministério da Saúde compra de forma centralizada conseguindo negociar descontos que no ano passado alcançavam 90% e na compra que deverá ser anunciada nos próximos dias o desconto é superior a mais de 95% do preço original, o menor preço entre os países em desenvolvimento, um exemplo de negociação colocado como modelo pela Organização Mundial da Saúde.

Em 2015 o Brasil ofereceu 15.000 tratamentos na hepatite C, este ano é estimado que chegaremos a tratar 30.000 infectados e em 2017 a promessa é alcançar 45.000 tratamentos. Isso se o Ministério da Saúde cumprir o prometido e realizar a compra ainda neste mês, o que será uma boa notícia, mas ante mais de 2 milhões de infectados será necessário chegarmos a tratar mais de 100.000 infectados por ano para realmente podermos afirmar que estamos enfrentando efetivamente a epidemia e assim poder cumprir a meta 90/90/90 da Organização Mundial da Saúde quando em 2030, 90% dos infectados deverão estar diagnosticados, desses 90% em tratamento e 90% curados.

Neste Dia Mundial da Hepatite deixo a sugestão para que os planos de saúde diagnostiquem e tratem as hepatites B e C. É absurdo que praticamente todos os tratamentos sejam realizados gratuitamente no SUS, inclusive os dos 50 milhões de brasileiros com planos de saúde. Se entendemos os planos de saúde como uma saúde suplementar porque os planos não passam a tratar as hepatites B e C e o governo fornece os medicamentos? Estaríamos dessa forma ajudando a melhorar a superlotação dos hospitais públicos, deixando os mesmos para os brasileiros mais carentes e a saúde privada seria realmente suplementar.

Carlos Varaldo é fundador e presidente do Grupo Otimismo de Apoio ao Portador de Hepatite, ONG sem fins lucrativos fundada em 1989 atualmente com 32.000 associados. Promove a educação em doenças do fígado para pacientes, familiares e profissionais da saúde. Participa ativamente de congressos científicos nacionais e internacionais, promove pesquisas e atua ativamente no advocacy perante o governo e as autoridades da saúde.
www.hepato.com
https://www.facebook.com/hepatocom
hepato@hepato.com

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK